Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2017

LIVRO ARTESANAL GANHA PRÊMIO da IWA

Diploma outorgado pelo prêmio de melhor livro de poesia do ano de 2014.
livro Centelha Insana de Vieira Vivo

ed. Costelas Felinas - livros e revistas artesanais
http://artesanallivros.blogspot.com.br/

O BOÊMIO apresenta: Luis Alberto Ambroggio

Nascido em Córdoba, na Argentina, em 11/11/1945, Luis Alberto Ambroggio é um dos poetas mais representativos da cultura hispânica nos Estados Unidos, onde reside desde 1967. Publicou “Oda Ensimismada”, 1994 e “Por si amanece: cantos de guerra”, 1997. É fundador da revista literária Horizonte 21, e teve vários de seus poemas publicados no jornal O Boêmio.
CADENCIA


Nos aniquilaría ver la ingente
forma de nuestro ser; piadosamente
Dios nos depara sucesión y olvido.”
Jorge Luis Borges

RAZÃO - de Clevane Pessoa

ESPAÇO PENSAR

Cursos Abril - Maio

clique na imagem para visualizar as datas e os cursos.

postagem envida por Clevane Pessoa

CONFIANÇA ESTRANHA - por Cláudia Brino

CONFIANÇA ESTRANHA

você se achou
estranho
em frente ao espelho?

SARAU DE POESIAS “INCONFIDENTE MINEIRO...” Por : Pettersen Filho

DIA 02/04 : SARAU DE POESIAS “INCONFIDENTE MINEIRO...” Por : Pettersen Filho
Local predestinado a Cultura, que já recebeu apresentações musicais de Artistas, como Efrahim Maia, Carlos Lucena, Quincas da Viola, Emerson Bastos, Contador de Causos, Pereira da Viola, em Canja Musical, Projetos como Conversa de Passageiro, do Emerson, o Cerimonial Inconfidente Mineiro, depois de merecidas férias de fim e começo de ano, recebe o Primeiro  Sarau de Poemas* “Inconfidente Mineiro” do ano de 2017, dia 02 de Abril, das 13:00 as 17:00 hs, agora ocorrendo dentro do próprio Salão de Festas do Espaço Cultural Inconfidente Mineiro, em associação com o Cerimonial Hostel Inconfidente

CONVITE: Academia Vicentina de Letras,Artes e Ofícios

A Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofícios vem pelo presente, convidar V.Sa. e Ilma. família para  os eventos comemorativos ao 11º aniversário de sua fundação. Para tanto segue convite anexo, com a certeza de sua presença.

SELMO VASCONCELLOS e sua obra em livro artesanal Costelas Felinas

Muito legal o autor ter nos enviado esta foto, onde ele aparece com as obras que ele editou de forma artesanal com a Costelas Felinas.

Livros em capa dura ou brochura, com assuntos diversos: Poesia, pesquisa, Memória, Homenagem.


http://artesanallivros.blogspot.com.br/

HAICAIS ÁSPEROS - de Rodrigo Poeta

O autor Rodrigo Poeta contemplando seu segundo livro "Haicais Ásperos" de 2015 pela Editora Costelas Felinas.
Interessados em adquirir o livro envie e-mail para poesiarte@hotmail.com
ou entrar em contato comigo pelo WhatsApp: 22999318519. 
Valor : R$10 reais + despesas postais!

Costelas Felinas - livros e revistas artesanais http://artesanallivros.blogspot.com.br/


ANTOLOGIA VIRTUAL CEN – ABRIL de 2017 -

É aberta a todos os Autores CEN, Amigos do CEN (e a todos vossos amigos Escritores)

Não aceitamos trabalhos com formatação, fotos ou gravuras, assim como também não aceitamos trabalhos de origem pornográficos, religiosos ou políticos (em qualquer destas situações, os trabalhos será anulados).

REVISTA RAÍZES - Inscrições abertas

A Fundação Pró-Memória está com inscrições abertas para submissões de artigos para revista Raízes. As normas editoriais estão disponíveis no sitewww.fpm.org.br


O prazo da submissão se encerra no dia 2 de maio

postagem enviada por Fundação Pró-Memória de São Caetano do Sul

SARAU: UM AUTOR NA CIRANDA POÉTICA - Florbela Espanca

convite enviado por Clara Sznifer

A FARSA DO SACO - de Cláudio Feldman

O cenário compreende uma sala pequeno-burguesa, cortinada, atapetada, com os seguintes móveis: grande sofá, estante com TV, papéis e poucos livros, barzinho de bebidas com telefone rococó sobre o balcão, a indefectível mesa de centro de mármore, além do retrato do poeta Arnóbio Della Torre, já falecido, marido de Saphira. Esta, de 40 anos, veste-se bem, mas Gaspar, seu filho de 16 anos, traja-se de modo relaxado, para mostrar rebeldia e independência jovem. Mãe e filho estão sentados no sofá, quando a cena se inicia. Antes, é bom frisar que, do lado direito (ponto de vista do público) , há uma porta.



Costelas Felinas - livros e revistas artesanais http://artesanallivros.blogspot.com.br/
adquira diretamente com o autor(a) e receba em casa o livro autografado  claudiofeldman@uol.com.br 

DO LADO DE CÁ - por Emanuel Medeiros Vieira

DO LADO DE CÁ EMANUEL MEDEIROS VIEIRA
Para Célia (amor) : também baiana (e sua família). Em memória do  “Seu Claudionor (oráculo) e de Walter da Silveira, que me ajudaram a entender essa terra (um pouco mais) Para Martha, comadre, “baiana e catarinense” – e querida amiga.
Minha África do lado de cá: Bahia – eu queria te entender.
Um Atlântico a nos separar (e agregar). Ah, Bahia: não a estereotipada, de cartão postal,  e shoppings, de alguns turistas que só registram e não enxergam, dessacralizada  e mundana. Queria entender os teus mistérios, os teus santos, o teu sincretismo, tuas lutas – Bahia, também meu amor, o peixe, a pele, a moça morena no Mercado Modelo, Castro Alves e sua praça– declamo alguns poemas ,  contemplando o mar ao fundo.

A ED. COSTELAS FELINAS ESTARÁ NO BLÁ BLÁ BLÁ

A ed. Costelas Felinas, estará presente no BLÁ BLÁ BLÁ da Casa Amarela.


Aguardamos sua presença para nos encher de perguntas.

VÍDEO: UM NOVO TEMPO - Marcel Moai

o vídeo da canção "um novo tempo" está muito próximo de alcançar a marca de 10.000 visualizações. Agradeço a todos aqueles amigos que curtiram e compartilharam e fortaleceram.

57º SARAU DOS PENSADORES

Neste sábado venha comemorar os 41 anos da Casa do Poeta Brasileiro de Praia Grande-SP celebrar o verbo e prestigiar artistas locais.

convite enviado por Fernandes Oliveira

Desenvolva sua fotografia da maneira correta

Desde que comecei a fotografia, lá em 2006, descobri que precisamos sempre de bons guias para ajudar o nosso crescimento. Depois de acumular experiência, grandes trabalhos e prêmios, iniciei um projeto que mudaria a minha vida. O Coaching é uma das formas que encontrei para transmitir o que aprendi ao longo do tempo e ajudar fotógrafos a desenvolverem suas carreiras

TRISTE FADO - por João Alberto de Faria e Araújo

poema "Triste Fado" foi um dos vencedores do Concurso Conto das Estrelas e integrará a Antologia "Natureza - Contos, poemas e sonhos... 2016". O concurso, iniciado naquele ano, foi promovido por Rui Carvalho e contou com a participação de centenas de contistas e poetas do Brasil, Itália, Japão e Portugal. A todos os vencedores as minhas congratulações! Ao Senhor Rui Carvalho o meu agradecimento pela honrosa oportunidade.
postagem enviada por João Alberto de Faria e Araújo

PONTO DE PARTIDA - de Cynira Antunes de Moura

Prefácio “Ponto de Partida”
Tudo na vida começa de um ponto é o que se afirma. Basta encostar a ponta da caneta na folha em branco e surge o ponto inicial de um texto, a interrogação que sugere uma pergunta, a exclamação admirativa ou, simplesmente, aquele ponto que marca o final do que fora começado. A vida de um poeta nasce como tudo mais, dependente também de um ponto, ou seja, daquele momento especial em que o autor faz o primeiro verso.  E esse ponto estende-se  reticente até o momento decisivo em que o poeta reconhece a importância de entregar ao público aquele acervo considerável de sonhos carinhosamente colecionados para si mesmo, durante a vida inteira e que, agora, sem mais delongas, sente necessidade de expansão.

O LAGARTO TAMBÉM PENSA POEMA - de Dartagnan Holanda

Ainda ruminando a emoção de ser honrado com o pedido de Dartagnan para fazer apreciação de seu livro: “O lagarto também pensa poema”, comecei a devorá-lo e logo me bateu a ânsia de pontuá-lo, vício oriundo dos meus mais de trinta anos trabalhando em revisão de texto. Todavia, caí em mim, desistindo do intento, por lembrar-me de que todo poeta deve ser respeitado em sua Verve. Constatei que Dartagnan fala muito em solidão, não contei às vezes, posto que nunca tivesse simpatia por números, uma vez que dois mais dois são sempre quatro,não muda nunca, e eu adoro novidades.

ALMA ABERTA - de Deise Domingues Giannini

Este meu primeiro livro individual foi aconselhado por meu filho Gian e alguns amigos. Retrato nele os meus sentimentos através de poemas, prosas poéticas, crônicas e peque-nos contos. É a minha alma aberta a todas as pessoas que estão em meu caminho, as quais eu prezo muito.

MAR

Eu te reverencio  pela doce provocação de tuas ondas inquietas, que insistentemente me vêm beijar os pés  na branca areia da praia.

ESTRADA DOS SONHOS - de Edite Capelo

Poetisas e poetas são como estrelas, todas têm sua luz própria, embora de cores e intensidades diferentes. Umas brilham mais outras menos, mas todas brilham, iluminando o céu da morada do Homem e chegando ao coração de cada um de nós. Assim, é com grande honra que aceitei o convite da Edite, estrela de intensa luminosidade, para apresentar este livro de poesias, que contam experiências pessoais, sociais e observações da natureza e nos encantam com a sua sensibilidade, principalmente quando é citado aquele que vem acariciar a nossa querida Santos: o mar. - por Dr. Aldo Ramos Santos 
À BEIRA DO MAR...
Grandes lampejos vieram No céu desenharam clarões Ecos estrondosos se ouviram De estremecer corações.

CLARÃO DA LUA - de Djalda Winter Santos

Guardo comigo o caderno de poesias de minha vó Francisca Elisa de Souza Monteiro,  datado de 1892, em que ela escrevia seus poemas em letra gótica e bem traçada, que eram dedicados a alguém de sua amizade. Esse caderno, para mim, é uma  verdadeira relíquia.  Coloco na capa deste  meu livro, a dedicatória que ela escreveu para seus pais.
Para Walter Winter Santos, meu  marido e eterno amor de 66 anos de convivência.
LEIA ALGUNS HAICAIS DA AUTORA  Djalda Winter
É noite. Olho o céu E vejo o clarão da lua Penso em Debussy.

COTIDIANO EM VERSOS - de Edu Lima

Saudade
Saudade... palavra forte, de sentimento... de perda, que sempre nos comove. Complicado de conviver... mas sabemos que é difícil, a existência infinita... de um ser, mas nem tudo é tristeza... bons momentos, sempre guardados... ficarão para sempre, em nossas memórias...
disso, temos certeza!!
LIEA TAMBÉM O POEMA NOITE

VIAGENS DE UM SADE MODERADO - de André Rocha de Miranda

Contos eróticos, ou cômicos-eróticos: pois para rir, tem-se que fazer rir, para revirar os olhos é preciso virar olhos alheios... 

Protegidos para Sempre
Jontex e Olla se conheceram na aula noturna do curso de aceleração educacional. Era impressionante como combinavam, ela morena, índia, com o cabelo cobrindo o bumbum delineado, ele malhado de tanto subir laje. Familiarizaram-se rapidamente, logo, as carícias evoluíram atrás do colégio.
- Você sabe que aqui é perigoso, vamos para um lugar mais adequado – Olla falava, enquanto os beijos iam aumentando a intensidade.
- Hoje estou durango! Outro dia teremos mais conforto... – Dizia isto pegando com força na bunda dela, apertando, cravando os dedos... De repente, colocou o pênis para fora e desceu a braguilha de Olla... - Cadê a camisinha???

"MALLARMARGENS - Revista de Poesia e Arte Contemporânea" com poemas de Beatriz Helena Ramos Amaral

Acaba de entrar no ar, na "Mallarmargens - Revista de Poesia e Arte Contemporânea" uma seleção de poemas de Beatriz Helena Ramos Amaral. 

A edição está enriquecida por belos sumiês do artista japonês Kano Sansetsu. 

http://www.mallarmargens.com/2017/03/beatriz-helena-ramos-amaral_19.html?m=1#!/2017/03/beatriz-helena-ramos-amaral_19.html


Postagem enviada pela autora

ME ILUMINO IMENSAMENTE - por Giovanni Campisi / ilustração: Clevane Pessoa

ME ILUMINO IMENSAMENTE
Lua tu que iluminas a beleza de toda a natureza cuida de mim que estou no campo onde alegre e cansado descanso debaixo da figueira e olhando para as estrelas vejo entre aqueles as primeiras das sete mais bonitas teu belo rosto e me ilumino de imenso.
© Giovanni Campisi confira o original em italiano

CANTO DE LIBERDADE - de Celsa Paixão

CHUVA
Chuva fina cai no solo Como pérola prateada Molha os pés do camponês Que vai seguindo a estrada
Chuva fina que chega Sempre devagarzinho Sacia a sede das flores No canteiro do jardim
A chuva cai Vai molhando o chão Vai brotando o trigo O homem o transforma em pão

ENCONTRO - de Clara Sznifer

Desabafo
Dor, ó dor,que me enche este vazio, alimenta esta angústia e guia-me os dedos, num cinzento momento  crepuscular.
Poetar, solitário poetar! preenche esta lacuna. Permite-me o libertário vôo, nas asas desta lauda, no balanço sonoro das palavras.

PROFUNDAMENTE RASO - de Demétrio Sena

PRA SEMPRE NUNCA
Só me deixe saber que não ardo sozinho, que meu fogo não queima sem oxigênio, minha taça de vinho nem exala cheiro e meus olhos não nadam num nada sem fim... Saberei não deixar que o saber me domine, guardarei o silêncio sobre a flor dos lábios, pra manter os espinhos do corpo grelhado entre sábios contornos deste sentimento...

O DIA EM QUE DEUS ACORDOU INSPIRADO - de Denivaldo Piaia

Costelas Felinas - livros e revistas artesanais
http://artesanallivros.blogspot.com.br/

EXPOSIÇÃO CONTRA PONTO

postagem enviada por 
Fundação Pró-Memória de São Caetano do Sul - 

clique na imagem para maiores informações

O SATÂNICO FERNANDO JORGE - por Aristides Theodoro e Iracema M. Régis

O satânico Fernando Jorge Texto de Aristides Theodoro  e Iracema M. Régis Ilustração Inista: Neli Maria Vieira
Publicado em A Voz de Mauá nº 2283 – 09/12/2016
Não é de hoje que conhecemos esse valoroso escritor e jornalista fluminense, Fernando Jorge, que também é definido nas enciclopédias e dicionários de literatura brasileira, como ensaísta, biógrafo, cronista, romancista, dicionarista, crítico e no dizer do professor da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), Mário SérgioCortella, “um contraversista militante”. Fernando Jorge, de quem possuímos quase toda a sua obra devidamente autografada. Livros como:

NETO E A BOCA DO MONTE, de Lucas Visentini

O autor Lucas Visentini apresenta seu belo trabalho infantil NETO E A BOCA DO MONTE - ilustrações de Filipe Furian, aqui no Blog Moviment Cult.Ao ler pude voltar à imaginação da qual toda infância desfruta. 
Viaje na história Neto e divirta-se com suas indagações...  

 NETO E A BOCA DO MONTE, de Lucas Visentini             A curiosidade e a inteligência eram as principais características de Neto, um menino que, com apenas oito anos de idade, já fazia perguntas que deixavam seus pais e professores em dúvida ao tentar respondê-las. De tanto questionar, certo dia descobriu que seu verdadeiro nome não era apenas “Neto”, como todos o chamavam, mas, isto sim, “Aquilino Centurião Neto”. “Uma homenagem ao seu avô paterno”, explicou-lhe a mãe. Portanto, seu primeiro nome era “Aquilino”, mas, para distingui-lo de seu avô, chamavam-lhe de “Neto”.

CAIXA DOIS É CRIME - por Emanuel Medeiros Vieira

CAIXA DOIS É CRIME
EMANUEL MEDEIROS VIEIRA
O lugar-comum da maioria dos políticos quando dizem que os recursos de suas campanhas foram “registrados na Justiça eleitoral” não tem mais sentido. Antes mesmo da “lista do Janot”, a decisão do Supremo de abrir inquérito contra o senador Valdir Raupp (PMDB-RO), como avaliou Eliane Catanhêde , “cria um precedente e atinge em cheio a maior trincheira dos políticos para se defender: recibos e valores declarados oficialmente à Justiça Eleitoral não valem mais nada, ou valem muito pouco, (...), pois não atestam nem a licitude do dinheiro nem a idoneidade do candidato”(...). Caixa Dois – é preciso insistir – é crime, é corrupção.

ESTÁ TUDO ERRADO, JÁ QUEBROU, MAS NÃO MEXE ! Por : Percival Puggina

ESTÁ TUDO ERRADO, JÁ QUEBROU, MAS NÃO MEXE ! Por : Percival Puggina
          Difícil entender a conduta de muitos brasileiros. A parcela mais significativa do eleitorado é, historicamente, sensível às mais demagógicas promessas populistas. A biografia de muitos que entraram para nossa história como líderes benquistos e o catálogo de suas principais realizações não resiste ao crivo da relação benefício-custo e ao escrutínio de suas consequências. O Brasil anda devagar e o futuro é um horizonte que se afasta. De Getúlio para cá, incluindo o próprio, o populismo nos presenteou pela urna Juscelino, Jânio,

MEMÓRIAS ACHADAS – CHRISTIAN BOLTANSKI

Artista autodidata nascido em 1944, em Paris, iniciou sua produção aos 14 anos. Filho de mãe cristã e pai judeu, traz em sua memória marcas do Holocausto, tema que tornou-se parte de sua identidade artística, assim como a tensão singular entre vida e morte, dicotomia que reflete em sua obra tanto de maneira autobiográfica como a partir da histórias individuais de outras pessoas. Memória e arquivo representam os dois fios condutores

Jornal O Boêmio, nº 310. Cultura popular independente e evolucionária!

Jornal O Boêmio, nº 310. Cultura popular independente e evolucionária! Nesta edição, a grata presença de Hannah Arendt, Alexis Carrel, Miltinho DeramioCarolina Rosa BuenoCeleste Brandão, Georges Ohsawa, Valdir Ramos, Teresinka Pereira, Geraldo Geraldo Neto Brandão Oliveira, João de Toledo Cabral, Edvaldo SantanaLuiz Waack, Alzira Alzira Espindola, Humberto del Maestro, Nei MartinsEliane Feliciano, Machado de Assis, Irineu Volpato Irineu, Ascendino Leite, Dom Moa Pizza Buffet, Eduardo Waack, Trigueirinho, Jacques Maritain, Hobbes, Romério Romerio Monteiro, Thiago de Mello, Claudio Carvalho, Helena Roerich, Ilma Yumah Ilma Fontes, Fernando Pessoa, Mauro Arantes, Tomio Kikuchi, Vieira Vivo, Edna Edna Solange Florentino, Morihei Ueshiba, Marimeli Marimeli Bau e Claudia Cláudia Brino.
LEIA A EDIÇÃO NA ÍNTEGRA - clique postagem enviada por Eduardo Waack

VIVER O VERSO - de Eunice Tomé

Costelas Felinas - livros e revistas artesanais
http://artesanallivros.blogspot.com.br/

DOIS MUNDOS DOIS - de Gerson Monteiro

Prefácio
DOIS MUNDOS DOIS repete a receita de DOIS MUNDOS, o livro que inicia esta história: um drama sem dramalhão, mesmo tendo como personagem central (que o autor não centraliza em absoluto), um jovem que enfrenta um câncer. Trata-se de um trabalho meio autobiográfico, meio fictício, em um cenário de vida real - o bairro Vale das Pedrinhas, de Guapimirim - RJ, registrado nestas páginas como Vale das Pedras. Gerson teve o cuidado de compor uma história leve sobre um assunto nem tanto. Ele mostra em seu livro, a imagem de um jovem que apesar de seu drama, não tem pena de si. Ao contrário, se permite viver sem perguntar até quando, mas de forma que, se depender dele próprio, por muitos anos.

FRONTE CULTURAL por Silvério da Costa: CHORANDO RETICÊNCIAS de Cláudia Brino

Jornal Sul Brasil
por Silvério da Costa

leia dois poemas do livro
simples assim...
                        a flor, para se abrir,                         cativou pétala                         por pétala
                        o pensamento de deus

PROSA AFIADA - de Clara Sznifer

PREFÁCIO
 A vida precisa de ritmo... e um texto também.  Acontecimentos intensos junto a outros não tão excitantes fazem-nos  navegar pelo cotidiano... ao sabor das marés, o texto sopra palavras cortantes como o vento frio e leves, silenciosas, parecendo a espuma a deslizar na areia..    A "Prosa Afiada"de Clara Sznifer faz-se desse modo. O aspecto jornalístico dos textos, com particularidades de notícias, não impede que sejamos tocados profundamente pela reconstrução da memória  afetiva  da autora, ao evocar seus  antepassados e presentificá-los no instante reflexivo do atual cotidiano. A viagem a Israel  é profícua – Clara retorna às origens; reconstrói a história de seus antepassados, marcada pela perseguição e extermínio aos judeus,  de onde brotam os temas para seus textos: solidariedade, inclusão, liberdade, as relações do homem com a terra e sua obstinação para fazer brotar vida do solo árido. O exílio, o extermínio e a dispersão de seu povo transparecem nas alternativ…

BRASIL : “A REPÚBLICA DA ODEBRECHT...” Pettersen Filho

BRASIL : “A REPÚBLICA DA ODEBRECHT...” Pettersen Filho
Preocupação que sempre esteve no centro das atenções, diante dos legisladores constituintes, desde as Monarquias Absolutistas da Idade Média, até a concepção da República, a separação da Igreja, diante do Estado, a fim de conceber um Estado laico, impermeável a credos religiosos, sempre foi a tônica, não deixando, também de ser, na relação Governo x Povo, o Poder Econômico outra vertente a ser disciplinada, essa contudo, menos detectável, normalmente, desde o sempre, sendo esse item determinante na gestão da democracia, fato relevante, podemos destacar, o Histórico “Voto de Cabresto”, em que eram o Coronéis, no Brasil, quem determinavam os Eleitos, até formas, hoje, mais sofisticadas, como é ultimamente o Bolsa Família, mecanismo menos aparente, mas, igualmente, influenciador do Voto Popular... http://www.abdic.org.br/index.php/1646-brasil-a-republica-da-odebrecht
postagem enviada por JORNAL GRITO CIDADÃO

COISAS DE MARIZA: AO PÉ DO BORRALHO...

Acho que sou meio gata pois, borralho me dá muita saudade e uma vontade danada de me enrodilhar e sonhar, trazendo à memória episódios esparsos e ocasionais vividos e ainda vívidos na zona de conforto das lembranças dos tempos das casas das fazendas e também do interior, quando ainda era criança ou pré-adolescente!                 O calor aconchegante da lenha queimando, se fazendo brasa  que enrubesce nossas faces, enquanto esquentamos nossas mãos frias, espalmando-as ao borralho.

COISAS DE MARIZA: AO PÉ DO BORRALHO...:

AMOR MOFADO - de Cláudia Brino

AMOR MOFADO contos
Seu "Amor mofado", que coisa linda (triste, mas linda, melancólica, nostálgica, poesia intensa, pura), identifiquei-me bastante. Você me conhece bem, sabe que eu não diria se assim não fosse, tentei escrever um trecho de que mais gostei, desisti, pois adorei demais esse livro". Comentário de Hilda Curcio, enviado por e-mail. 

leia o conto TOMANDO CAFÉ
Marta levou a xícara até a boca e tomou um gole do café que ela mesma preparara, como sempre sem açúcar. Olhou para o outro lado da mesa vazio e a neblina em seu olhar é quase lágrima.

REFLEXÕES EM CONTA-GOTAS - de Aristides Theodoro (capa Neli Maria Vieira)

UM TEXTO A LAVA JATO                Iracema M. Régis
            Quando escrevo sobre Aristides Theodoro e sua obra, de tanto conhecer os dois, meu texto sai com uma rapidez e intensidade sem limites. Daí a recorrência ao título da operação Lava Jato (prefiro Lava a Jato), que trata da dilapidação dos cofres da Petrobrás e outros patrimônios do nosso país, praticada por uma quadrilha de políticos (ligados principalmente ao PT e a outros partidos,  diretores de instituições financeiras e empresários), com uma agilidade invejável. Este novo livro do Aristides Theodoro, apesar de grafado em versos soltos e levar o título de Reflexões em Conta-gotas, podemos classificá-lo de prosa poética ou uma nova forma de fazer diário, visto que registra diariamente os fatos da nossa história política e social. E como os pequenos textos surgem à conta-gotas, daí a motivação do título.

REVISTA OLD 65

Clique e leia a revista
postagem enviada por PANDORA PIX