Pular para o conteúdo principal

DESCANSA EM PAZ, JERRY ADRIANI! - Emanuel Medeiros Vieira

Ouvindo a “Oração de São Francisco”, com Fagner, e “Mi Viejo”, com Piero
Segmentos da minha geração (falo da que viveu os anos de chumbo), que combateu a ditadura militar, amavam e escutavam (ou melhor, amam e ainda escutam) Geraldo Vandré (1935), cujo versos condoreiros  correspondiam às nossas lutas e aos nossos sonhos.
Ainda hoje, acho que ele está para a nossa música, como Castro Alves está para a poesia brasileira.
E pelo maniqueísmo imposto pela ditadura (ou por falta de lucidez mesmo), deixamos de lado outros gêneros musicais – queríamos apenas as “músicas de protesto”.
(E claro, os  mestres dos mestres: Beethoven, Mozart e Bach.)
 As outras eram “alienadas”, como se dizia naqueles tempos de tanta utopia.

Deixamos de lado – por radicalismo, por raiva da ditadura, ou por falta de percepção histórica – outros gêneros.
E também a chamada “Jovem Guarda”, com Erasmo Carlos (1941), Vanderléa (1946), Erasmo Carlos (1941), Roberto Carlos (1941), Martinha (1949), e também outros cantores como Waldick Soriano (1933-2008) – a respeito de quem, Patrícia Pillar (1964) dirigiu um belo filme –, Wando (1945-2012), Altemar Dutra (1940-1983) e outros.
Foi uma injustiça. Com a morte, vitimado pelo câncer, de Jerry Adriani (1947-2017), queria escrever essas modestas palavras.
De gratidão, por teres alegrado tantos corações, caro Jerry Adriani, como os outros citados.

Tudo isso, revela que a gente pode e dever amar vários gêneros musicais.
Uma vez, dois queridos amigos discutiam severamente a respeito da validade da chamada música popular e da erudita.
Cada um defendia a sua preferência.
E na hora entendi, por todo o sempre, que poderíamos amar e reverenciar Mozart, como Cartola. Tal aprendizado ficou no meu coração.
E queria te dizer: muito obrigado, Jerry Adriani! Descansa em paz!*
(Peço que a revisão dos meus conceitos seja feita por duas pessoas de outra geração: mais que sobrinhos, são grandes amigos, e que conhecem e amam a música profundamente (e incluo também  outro sobrinho por afinidade: Júlio César Vieira da Silva, Paulo L. Vieira e Nicolau Varela.)

*Queria relembrar três nomes, que engrandeceram as artes cênicas e o humanismo no Brasil, e que também morreram (muito cedo– mostrando que a vida não é justa, é claro...) de câncer: Flávio Rangel, aos 58 anos; (Oduvaldo Vianna Filho), aos 38, e Paulo Pontes, aos 36.


(Salvador, abril de 2017)
ENVIADO PELO AUTOR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.