Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2013

Ana Austin e Vieira Vivo

​ SÉRIE SOMOS TANTAS - POR ANA AUSTIN Apresento a séria série "Somos tantas".


Como sempre, trabalho o feminino, a partir da produção publicitária; aproveito as imagens de alta qualidade e coloco-as em contextos diferentes, sempre com alguma mensagem.

ELUCUBRAÇÕES SOBRE UM MESMO TEMA 1

************************************************************************
​ Humor Cego - Vieira Vivo   MÚSICA ERUDITA
 Há muito tempo existe um trocadilho abrangendo as notas musicais. Sua concepção é primária, mas denota certa criatividade ao esboçar uma fantasia erótica mesclada a algum fetiche masoquista. Ei-lo: CLIQUE AQUI

GANHE ADÁGIO ENSOLARADO de Cris Dakinis - PARTICIPE!!!!

Quer ganhar este livro na faixa?
É só acertar o que a poeta Cida Micossi quer dizer neste poema estilo Adivinhação.


Promoção válida até dia 15/11/2013 -  inscrição encerrada - veja a resposta no final desta postagem.

realização: Ed. Costelas Felinas

poema Adivinha ou Adivinhação é uma espécie popular de enigma, geralmente versificado, iniciado com a interrogativa O que é, o que é? ou Que será, que será?
conheça mais estilos poéticos em CPL


RESPOSTA no final do poema

Insana - Olmira Daniela Schaun da Cunha

Não sabemos o momento de nossa partida Dessa viagem só de ida
E temos tantos sonhos.
Brigamos com nossos amigos
Encurtamos laços já definidos
... Por inveja e enganos.
Mas basta uma tristeza
Um desatino enlouquecido e voraz
Para lembrar dos "velhos conhecidos"
Que deixamos lá para trás.
E enquanto se passa nessa jornada
Rica em altos e baixos,insana
Que possamos estar sempre juntos
Por mais difícil que seja de quem nos ama.

Olmira Daniela Schaun da Cunha

Sonho Tardio - Marly Barduco Palma

Triste realização de um sonho Tardio, sem segredos, sem quimeras, sem ansiedade, sem sorrisos, como um lúgubre passar de primavera
Não por estar tão longe a juventude, nem pelos passos lentos vacilante, mas pelo abismo que foi se aprofundando, no triste desgaste dos anos distantes
O amor precisa ser cultivado sempre com carinho, para sobreviver; como flores necessitam de regas.
Caso contrário, se esfuma como fumaça no ar, como espuma que desaparece na branca areia.

Marly Barduco Palma

Inacabado - Claudio Gomes

Um dia tudo acaba Os minutos se esgotam A canção que você escreve A música que toca O dia de hoje O programa de tevê O horário de trabalho E o jornal que você lê Tudo pode acabar Exceto o meu amor por você.
Claudio Gomes

Esperando a primavera - Marcelo Ignácio / foto Marcelo Luiz de Freitas

A rapidez do tempo Voraz tempo Para os santistas O inverno é glacial

ELSE DE OLIVEIRA - TERESINKA PEREIRA

   Em prol da vida      Olhos silenciosos      Deslumbrados      Contemplam!             Else de Oliveira
** Else, que estejas no ceu onde estao todos os poetas que sem medos gritaram sua dor de viver! Em teus versos vivias a natureza na transparencia da criacao. Vamos sentir um profundo vazio de saudade dessa coragem invencivel que nos ensinaste. Sempre.
TERESINKA PEREIRA

SEM RUMO - ERICA CAPELO

ANDAR, CAMINHAR, SEGUIR SEM TER UM RUMO
ESCREVER, CONTINUAR, MESMO SEM PENSAR PALAVRAS QUE SURGEM SEM EU CHAMAR O TEXTO SE TRANSFORMA EM MELODIA PRA CANTAR A PONTA DO LÁPIS DESLIZA SEM PARAR,  ESCREVE AQUILO QUE A MENTE MANDAR EU NÃO TIVE ESSA IDEIA ANTES DE COMEÇAR TUDO EM SINCRONIA COMEÇA A TRABALHAR E O SOL LÁ FORA CONTINUA A BRILHAR A MENINA AQUI DENTRO CONTINUA A SONHAR AS FRASES SE ENCAIXAM DE PAR EM PAR COMO UM PRÉDIO CONSTRUÍDO ANDAR POR ANDAR A POESIA GANHA RITMO SEM FALAR DE AMOR OU DE AMAR O LEITOR LÊ MAIS RÁPIDO, COMEÇA A SE EMPOLGAR E DE REPENTE O RITMO ACABA!  ACABA SEM TERMINAR AGORA O ROMANTISMO COMEÇA A ENTRAR E NOVAMENTE DESEJO TE ENCONTRAR POIS SONHOS E DESEJOS NÃO SE PODE APAGAR A POESIA ANDA, SEGUE SEM RUMO E TERMINA!  TERMINA SEM TERMINAR... 
ERICA CAPELO

A desigualdade e o desamor - Clara Sznifer

Duas crianças, dois mundos No Quênia, dor e esperança Poucos brinquedos, muito sonho, Fé no homem e na mudança Para um despertar mais risonho!
Na Suécia, bastante regalia! Reina desanimo, tédio e apatia. Nos lares, tensão e conflitos Nas escolas, disputa e desarmonia!
Como recuperar a nave do amor Em busca de um porto salvador, Numa terra coroada de beleza, Onde reine a arte e a pureza?
Clara Sznifer

CARTAS - EMANUEL MEDEIROS VIEIRA

(Para todos aqueles que ainda escrevem cartas)

Quem escreve cartas hoje? Não, não falo de meras mensagens eletrônicas. Estou falando de cartas escritas com paixão. Cartas carregadas de afeição. Refiro-me àquelas que são postadas nos correios. Quando enfrentamos filas, compramos e colamos selos. Quem escreve e recebe respostas destas cartas, sabe como é bom chegar às nossas casas nos crepúsculo de cada dia e encontrar uma dessas missivas de amigo. Não, não falo de convites, cartas institucionais, propagandas de cursinhos, de prospectos impessoais oferecendo remédios para calvície, gorduras e todos os infortúnios da alma e do espírito. Falo de cartas e amigos e de amadas. Carta, para mim, é aquela que contém pele, carne, sentimentos. Nesta crônica queria defender, como um Mário de Andrade reencarnado, a restauração do hábito de redigir cartas. Mesmo que fragmentárias, trôpegas, curtas. Carta onde a gente leva algo de nós próprios. Nos tempos da impessoalidade, da tecnologia, da obsessão …

Celebrando o Natal - Sonia Lodi Ferle

Edição recente - selo Ed. Costelas Felinas
"A ideia inicial foi reunir alguns poemas versando sobre o Natal, data magna da cristandade. Assim sendo, a maior parte dos poemas aqui contidos são alusivos a esse tema. Entretanto, ocorre-nos que nenhuma importância teria para a humanidade o nascimento de Jesus e teria mesmo passado despercebido aos olhos do mundo, não fora pela missão a que Ele veio e pela mensagem que trouxe à Terra.              Pelas razões expostas, achamos por bem inserir nesse trabalho poemas referentes às profecias do Antigo Testamento (livro de Isaías e Salmos) que falam sobre a vinda do Messias e até mesmo um, inspirado no Salmo 22, alusivo à crucificação, que foi a mais elevada expressão do seu amor pela humanidade.             Constam também poemas que recordam os ensinamentos de Jesus, inspirados nas parábolas que Ele contou. E como não poderia deixar ser, há ainda um poema concernente à ressurreição, já que sem essa, seria vã a nossa fé, como nos diz o após…

Pai Poeta de Poesia Pagã

RESULTADO - você está entre os sortudos?

Se você apostou no jogo do bicho cultural - para ganhar este livro

veja se o seu bicho saiu na federal de hoje..

JOGO DO BICHO CULTURAL

promoção Ed. Costelas Felinas - livros artesanais

apostas também foram realizadas no face

A História de José Vazio - Parte I - por Luciano Marques

Trata-se da história de um homem que perde a memória e aparece perdido numa fazenda na cidade de São Roque de Minas, Serra da Canastra.

Não sou da altura que me vêem, mas sim da altura que os meus olhos podem ver.  (Fernando Pessoa)
I De cócoras junto ao moirão da porteira, com um olho perdido no horizonte emparedado e o outro recluso sob um tapa-olho, José Vazio aguardava o regresso das lembranças perdidas e o caminhão de leite que levava os latões da fazenda e as crianças da redondeza até a escola, a uns quinze quilômetros dali. Todos os dias, antes do sol derreter o orvalho, já estava de pé, coando o café amargo no velho fogão de lenha, que bebia acompanhado do pão amanhecido. Após a ordenha, apartava o gado, limpava o curral e, como de costume, selava a mula-mansa com os dois latões de leite, levava-os até o ponto e ali aguardava as lembranças perdidas e o caminhão vermelho do senhor Pedro Matias. Não fora este seu nome de batismo, mas - José Vazio - não trouxe outro quando chegara à…

3h30 ou quase isso, agosto de 2013 - de Rosana Banharoli

3h30 é um livro em prosa e verso em que mulheres acordaram a autora neste horário, para escrever as suas histórias. *** Poesia como deve ser: doída, parida.

saiba mais em Amazon

VIVO, TRAGO NA MEMÓRIA* - por Hilda Curcio

(*“Chegada”, em “Mingau das Almas”, Vieira Vivo, p. 13)

texto baseado em alguns versos

Escrevia os poemas, elencava olhares congestos de algo que regula o amor, intentava simular — amores nunca sentidos, entanto havidos, conhecidos. Quantas eram as mulheres que o amaram? Teriam amado? Esqueceram? Ignoraram? Desejos, insepultos.  Vida, em algum tempo razoável. A dor da primeira perda o afugentara de mulheres quantas. Olhos de sementes1, revirantes. Outra separação. Mais. A segunda viuvez provou-lhe que melhor, mais seguro, ocultar nomes, senão o emprego de iniciais apenas. Agá de Helena, Helga, Heloísa, Hortênsia, Herotildes, Hilca, Hisa, Huda? Este poema é endereçado a mim? Geme montada em pelo/devorando a mocidade2.. Olhar desconfiado. Poesia é para ser escrita, sentida, lida, tocada, ouvida, recebida, assobiada, suspeita. Que importa? Quem?  Pensamentos solteiros. Cê de Célia, Cíntia, Clotilde, Carla, Cássia, Carolina, Carmen? Cláudia!Ensina minha boca a calar-te, para que tu sejas em …

JUSTIÇA - Hilda Curcio

A justiça é feminina e sovaca homens mulheres crianças, mesmo elitista linguagem elitista acesso infacilitado... Corrida para a verdade justa grita acanhada pela multidão aflita desejosa passado presente futuro liberdade igualdade fraternidade, também em francês. Ser justa feminil total eterna sempre justiça. Há. Vestes talares justiça roupas impudicas de mulher. Ambas cobrem corpos antes nus
despidos prenhes de desejo do tudo
Hilda Curcio SELECIONADA E PUBLICADA PELA CBJE EM 2009

Aldravias - Regina Coeli Nunes

Lançamento selo Ed. Costelas Felinas adquira diretamente com a autora: Regina Coeli e conheça o estilo poético Aldravias


As Poesias - Ruth Hellmann / foto Marcelo Luiz de Freitas

AS POESIAS
Poesias vem da alma e do fundo do coração,  são versos, são rimas,

Sonho, Miragem ou Realidade? Benedita Azevedo

Adquira diretamente com a autora  Benedita Azevedo
Apresentação
Acompanho o desenvolvimento intelectual de Benedita Azevedo desde seu primeiro livro, com o título Trajetória. Lá se vão mais de dez anos! Desde então, tenho tido o privilégio de editar e publicar quase todos os seus livros. Nesse período, vi crescer e florescer a poeta e escritora que anima Benedita. Anima, do latim alma, que dá alma.
Na obra de agora, ela começa exatamente pelo Drama que a levou a escrever seu primeiro livro. Porém, Benedita não é vítima de seu destino. Ela é senhora! Guerreira, muitas e muitas vezes ela desatou os nós em que a vida a enredava e saltava para outras bandas. Maranhense nascida de pais lavradores, a valente mocinha logo foi parar no extremo sul do Brasil, em Santa Catarina. E percorreu outras cidades país afora.

COLEÇÃO ETEC. - Selo Ed. Costelas Felinas

Encerramento do Projeto "Oficina Literária" - Socialização de Projeto 

Local: Etec "Profª Anna de Oliveira Ferraz" - Araraquara
Participação das 16 Etecs  da Região de São José do Rio Preto
(Diretores, Coordenadores, Professores e Alunos)

Adquira qualquer livro da coleção diretamente com a organizadora do projeto
Erika Queiroz

VINICIUS DE MORAES EM CANTIGAS PRAIANAS

O Grupo Novo Cantigas Praianas apresentará Vinícius de Moraes em três vozes femininas (como o poetinha gostava).  Serão duas noites em locais diferentes, para que você não perca.

Momento Cepelista com Kedma O'liver

Trabalhou como jornalista nos jornais “O Vale do Aço” “O Popular” e “O Vale em Revista”, na década de 1970. Associada da Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofício Frei Gaspar da Madre de Deus. Participa de vários grupos literários e sites no Brasil .Livros: Um Sonho Em Minhas Mãos e Gotas De Louvor. um e-book e novo lançamento previsto para o próximo ano, com o primeiro internacional também.

Convide-se e venha conhecer Kedma O'liver 
dia 27/10/2013
16:00 horas
Posto 6 - Biblioteca Mario Faria - Entrada Franca
Av. Bartolomeu de Gusmão s/n jardim da praia.

No Mínimo, o Infinito - Edweine Loureiro

micropoemas de Edweine Loureiro - Lançamento em breve - aguarde
entre em contato direto com o autor e adquira o diretamente com a editora ou então aguarde lançamento e reserve o seu com o próprio autor  edweine.loureiro@gmail.com

JOGO DO BICHO CULTURAL - TUDO GRÁTIS

APOSTE !!!!!!  É TUDO NA FAIXA

Esquente seu pé e aposteGRÁTIS e concorra à coletânea Aladas ondas ao nada de Vieira Vivo na FAIXA

O livro está incluso na lista dos 10 livros da novíssima geração de poetas brasileiros 2012, por Edweine Loureiro, no site Listas Literárias.
Escreva no comentário ou envie por e-mail (cacbvv@gmail.com) o bicho que você quer, da tabela abaixo, e pronto já está concorrendo. 
O sorteio será pela FEDERAL do dia 23/10/2013. 
ATENÇÃO: cada participante só poderá apostar em 01 bicho.

CONFIRA O RESULTADO E VEJA SE VOCÊ TEVE SORTE

A paixão do poeta Belasmino Cabreúva por uma menina sardenta, magricela, levada da breca - Aristides Theodoro

“A tarde morria mansamente e o sol arrefecia um pouco sua ira, deixando o poente bordado como uma tela de Turner. Uma araponga, numa casa qualquer, martelava com estridência; alguns cães passavam a perseguir uma cadela no cio, que caminhava apressada e distribuía ferozes bocanhadas. Mais adiante, uma leva de moleques disputavam uma pelada e diziam palavrões, porém os dois, que se achavam atraídos um pelo outro, caminhavam vagarosamente, bem agarradinhos, a se beijarem com sofreguidão e indiferentes a tudo aquilo que não lhes dissesse respeito. O sol neste momento acabava de desaparecer no horizonte e os dois  aproximavam-se do Asilo São Geraldo onde as árvores do outro lado do muro inundavam de folhas e perfume uma ruazinha sem movimento, quase, na sua maioria, constituída de altos muros coroados de cacos de vidro. Suzy contempla o lugar, olha no rosto magro do namorado e diz:
            - Que lugar bom para se namorar, não achas?...” Fragmentos extraídos da estória “SUZY E MALÔ NUMA RE…

Literatura de Cordel

Você gosta de Literatura de Cordel? Tem interesse em estudar e pesquisar o Cordel? Gostaria de saber escrever poesia de Cordel? Então, aí vão dois Convites Especiais para você! Cordel na Freguesia Setembro/outubro/novembro/dezembro - 19 horas 3º CORDEL NA CONFRARIA Dia 19 de outubro - 20 horas

Momento Cepelista com Cida Micossi

A poeta, professora e escritora Cida Micossi, participante do Clube de Poetas do Litoral, participou do Momento Cepelista e falou de seu trabalho literário, sua trajetória poética e atividades culturais.


Clube de Poetas do Litoral sorteia livro

Os cepelistas sortearam no domingo (29/09) dois poetas que participaram do Cardápio Poético para concorrer a um livro.
Foi sorteado um menino e uma menina, veja se o seu nome aparece e escolha um livro do catálogo da Ed. Costelas Felinas