Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2012

MARCÉU MOAI em Degustação Cult

MARCÉU MOAI CD “Vem Semear o Amor pra Ver Florecer a Vida” Selo: Eu Mesmo Produções

A celebração poética em louvor à natureza extravasa em cânticos marcados pela emotividade de um viajante a se encantar com cada acorde. O ofício da contemplação se destaca neste trabalho de Marcéu Moai totalmente voltado para a interação com os elementos vitais do planeta. O artista lança seu canto enaltcendo o eterno reflorecimento da vida em canções repletas de singeleza, poesia e sublime reverência.

Vicente de Carvalho - por Clara Sznifer

Detetive Literário - Clara Sznifer
Vicente Augusto de Carvalho, o "Poeta do Mar", nasceu em Santos (SP), em 05/05/1866, lá falecendo no dia 22/04/1924.
Poeta, contista, advogado, jornalista, político e magitrado.
"Sou um escritor genuinamente paulista. Cultivo as letras comassíduo e não recatado amor, sem fingir que delas me desinteresso como de cousa secundária. De todas as funções que tenho exercido, e fora bastante, e algumas altamente honrosas, nenhuma sobrepus ou sobreponho à de um homem de letras."

Conto: Os Esquecidos - Clara Sznifer

Os Esquecidos
 “Não me esqueça nunca cidade marítima,”(Ribeiro Couto)
            Utilizo-me das palavras do nosso poeta cordial,aqui tão intimista,demonstrando todo seu amor,para dar início e esta crônica acerca da recente comemoração do aniversário do Porto de Santos.             A nossa memória, por vezes tão arredia,sofre golpes conscientes ou não da ação do tempo e de circunstâncias oportunistas.             Merecida homenagem se prestou ao Porto de Santos, pelos seus 120 anos. Berço do desenvolvimento econômico do país e no momento grande pólo de turismo marítimo. Certo!A imprensa deu cobertura máxima, não só na esfera municipal como na estadual. Exaltaram com ênfase,as grandes empresas responsáveis pelas transações comerciais de bens e insumos. Exposições de fotografia,visitas monitoradas,etc. Tudo perfeito!!!             Mas eu pergunto: Por que não aproveitar um acontecimento deste porte relacionando-o à nossa história literária?

O Pequeno Princípe - CinePoesia

CinePoesia  da literatura para o cinema e de volta às letras em formato de poesia

poemas escritos baseados no filme O Pequeno Príncipe (autor do livro: Antonie de Saint-Exupéry)

Fernão Capelo Gaivota - CinePoesia

da literatura para o cinema e de volta às letras em formato de poesia
poemas escritos baseados no filme Fernão Capelo Gaivota (autor do livro: Richard Bach)

A terceira margem do rio - Momento Musical



A terceira margem do rio. — Em uma célebre passagem — talvez, a mais memorável — do filme Copying Beethoven, co-produção norte-americana, alemã e húngara de 2006, dirigido pela polonesa Agnieszka Holland, cujo título fora curiosamente traduzido para o português como "O Segredo de Beethoven" ou "Corrigindo Bethoveen", que ficcionalmente relata o último ano de vida do compositor, este, meditativo, em diálogo com sua assistente, Anna Holtz, interpretados por Ed Harris e Diane Kruger, pondera: 


"- Música? A vibração no ar da respiração de Deus... fala à alma dos homens. Música é a língua de Deus. Nós músicos estamos o mais perto que os homens podem estar de Deus. Nós escutamos a sua voz. Nós lemos os lábios Dele. Nós damos à luz aos filhos de Deus. Cantamos suas preces. Isso é o que os músicos são, Anna Holtz.

ESTANTE - Retrato de um corpo abstrato - de Adriane Monteiro

Os poemas reunidos nesta obra estão entrelaçados por uma característica: são retratos. Através dos textos que integram este volume é possível mergulhar numa aquarela de sentimentos e enxergar a alma como ela realmente é: abstrata. ...

PREFACIAL - Ventos de Chuva

Martin Heidegger é absolutamente decisivo quando afirma que a Arte é, por essência, Poesia, onde a verdade acontece como espaço de combate ocultante/des-velante. Na sua essência repousam o artista e a obra de arte, pela qual a verdade é posta em obra de um modo que nos transporta para além do habitual, quer dizer, para além do cotidiano dos homens que não nomeiam, como o Poeta, a originalidade do ser de todos os entes que são. O poeta chileno Vicente Huidobro cita em seu discurso: "(...) Toda poesia válida tende ao limite último da imaginação. E não só da imaginação, mas do espírito mesmo, porque a poesia não é outra coisa senão o último horizonte, que é, por sua vez, a aresta onde os extremos se tocam, onde se confundem os chamados contrários.

Inesquecível - CinePoesia

CinePoesia  da literatura para o cinema e de volta às letras em formato de poesia
poemas escritos baseados no filme  Inesquecível (autor do conto: Horácio Quiroga )

O Carteiro e o Poeta - CinePoesia

CinePoesia  da literatura para o cinema e de volta às letras em formato de poesia
poemas escritos baseados no filme O Carteiro e o Poeta (autor do livro: Anotnio Skármeta)

Poemas - Márcia Jardim

RE..AÇÕES  
Fluentes influências inconscientes. Sequentes Disponibilidades carentes.



O Menino de Pijama Listrado - CinePoesia

CinePoesia  da literatura para o cinema e de volta às letras em formato de poesia
poemas escritos baseados no filme O Meninino de Pijama Listrado (autor do livro: John Boyne )

LEGENDA - Victor Hugo

A vida, a obra e a época de um autor através das imagens e suas legendas.



estreando está página o escritor Victor Hugo autor do Os Miseráveis, O Corcunda de Notre Dame entre muitos outros...

Poema - Desfecho - Kedma O'liver

DESFECHO
No doce do teu sorriso perco-me, sonho. No sabor de tua boca embriago-me, sinto. No suave cheiro de tua pele delicio-me, ouso...

Madô Martins - De Volta à poesia

De volta à poesia, Madô Martins lança Perdas & Danos

Treze anos após o primeiro, Madô Martins lança novo livro de poesia: Perdas & Danos, que o editor e escritor Ademir Demarchi considerou sua melhor obra. O lançamento está agendado para o próximo sábado (16/6), na Pinacoteca Benedicto Calixto, das 17 às 20 horas, quando trechos da obra serão encenados pelos grupos Percutindo Mundos e Núcleo de Pesquisa do Movimento - Imaginário Coletivo.       Publicado pelas Edições Caiçaras, de Márcio Barreto, trata-se de um livro artesanal em que cada exemplar traz uma capa exclusiva, confeccionada com material reciclado. Nele estão poemas que abordam o luto e suas consequências, quando um amor que atravessou décadas termina por força do destino.