Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2013

Sanguemar - Regina Alonso

Mar, pura prata, ó mar – és tão instigante nem por um instante, desvio meu olhar.
Mar, pura prata, ó mar – superfície vítrea. Piso devagar.
Mar, pura prata, ó mar – agora ondulante, cristal borbulhante, podes te quebrar?
Mar, pura prata, ó mar – és como o meu sangue a me alimentar.
Regina Alonso livro: Tábua de Marés

Frio - Hernany Tafuri

no frio
tudo diminui:
ponte vira frio,
cio se dilui;
vento corta ossos,
corpos tremem tortos,
(a)braços tornam-se portos
onde se deve navegar:
o que aqui acontece
é que frio também anoitece
sol somente amanhã!
Hernany Tafuri

Instante que não passa - Adriano Dornelas

Eis um silêncio – vazio! Eu mesmo – um nada! Penso que o ontem sempre foi um dia melhor, Assim, permaneço hoje mais pobre, ferido, acabrunhado... Não encontrei ninguém que me acolhesse... Estou sendo banido (quem sabe, por mim mesmo) Do meu próprio sonho, Desistindo do reino que, neste mundo, não consigo encontrar. Sou um libertino de coração errante Tentando enganar-me, entendendo-me pouco... Quantas vezes já me perdi na tentativa de me encontrar!?! Guardo no peito a explosão de meus anseios, Uma bomba (Meu Deus!) imensa, Mas com a qual ninguém parece se importar.
O poeta vai então recolhendo As ruínas que dentro dele apenas se acumulam Até que um dia se arrependa E tudo esqueça apenas para não sofrer. O tempo é o vigia destas horas E talvez remedeie algum dia, o poeta, Porém as horas tardam e tão lentas se arrastam E resta somente a dúvida se permanece ou parte Procurando sobreviver... Certeza tem apenas da sua dor... Que não passa.
Adriano Dornelas livro: Pegadas

Frenesi - Hilda Curcio

FRENESI
Quero vou hei de lambuzar-me em seus líquidos todos grunhir até não mais poder lentamente arrastar-me nosso chiqueiro pocilga de amor lençóis emaranhados orgasmos vários infindos ejaculações múltiplas líquidas quânticas odor sabor característico seu nosso prazer volto-me a lamber-lhe o suor do rosto do corpo do falo espéculo a chupar-lhe as pontas dos dedos vaginados a sorver-lhe até a gota final do membro viril ambos desfalecimento total entrega agora... não há mais líquido que dure bocas secas beijos lascívios nada mesmo entre os dentes beijos mais beijos vários línguas enxadas espadas facões foices gladiadoras lâminas saudades porcas que sou sua. Polianamente.
Hilda Curcio

Não Queira- Juarez Dias

Não queira
transformar os meus pequenos pés
e as minhas imensas asas
em largas e profundas raízes
não queira


Não queira 
sobrepor a
sua realidade cinza
à minha colorida esperança
não queira

Juarez Florintino Dias Filho

Aves Tristes - Francisco Ferreira

Aves Tristes
Rebrilham nesta lua um empréstimo de saudades e tristezas tolas, tolas. Toscas correntes que trancam nossos peitos em amores de porvir e devir num derredor de ais não ditos, insuspíraveis que são. Um bolo amargo desenha-se na garganta, lagriminhas miúdas de olhos ausentes, afanados prantos de escorrer, em cascatas, poesias dúbias... Que olhos teimosos, aflitas aves de migração revés que, menos te vêm, mais te desejam.
(Francisco Ferreira) Em Betim, em algum momento de 2013.

Lobos - Juarez Dias

Lobos

Inúmeros lobos, espumando de ódio
Com dentes afiados à mostra
Circundavam, em guarda, o imenso castelo

Negras paredes ao tempo, tocavam às nuvens espessas
Molhadas pela insistente chuva de um inverno
Que castigava toda sorte de vida

Lua descrente, de brilho desprezível
Pairava solitária, como débil mancha em tela cinzenta

Entre as gélidas paredes da noite sem fim,
Inerte, agonizava aquele homem
Envelhecido desde cedo
Pela crueldade desse tempo maldito, que não sossega

Poema de carne Dividida - Natanael Alencar

POEMA DE CARNE DIVIDIDA Não escrevo só para a minha vida.
Nem só para a sua nem pra de ninguém.
Eu escrevo sim para as muitas almas
Que grande Pessoa disse que se tem.

Guardo no poema coisas que não vêm
E que quando chegam estão derretidas
Por um não-querer, não-chegar, não ter,
Coisas de mil almas, no ser divididas.

Como posso dar-te uma definição
Se dá-me o poema a carne dividida?
Se a cada hora sou contradição?

As minhas verdades adrede fingidas
Existem no ser como condição
De chegar ao cerne da (in)sincera vida. Natanael Gomes de Alencar

Poema - Teresinka Pereira

MÃE* 
O amor sempre em ânsias A coragem invencível  A liberdade sonhada.
Lírio, pérola e estrela, anjo da guarda e coração de sol ardente: MÃE!

*Se tiver mãe, dê-lhe um dia feliz!
Se for mãe, dê aos seus filhos um dia feliz!
Se não for mãe e tem saudade de sua mãe, dê a alguém um dia feliz!
Teresinka Pereira

Lua Inventada - de Natanael Alencar

LUA INVENTADA
A lua cheia brilha acima de nossas cabeças.
Todos saem de casa e dizem:que maravilha!
Depois, o açougueiro volta a seu banho de sangue.
Depois, a prostituta cândida vai pra homilia.

Depois, os de má índole continuam a maldar.
Mas enquanto a lua brilha, há perfume
No sovaco da noite, refletem as estrelas
O olhar da mulher esquecida no varal.

Nunca a lua foi tão linda quanto agora.
É a alma que a projeta e no nada descansa.
Tão amarela quanto a lata de lixo para metais.

Sua nudez me deixa as faces avermelhadas.
E ninguém parece estar com sono grande.
Todos voltam a olhar a lua nua e bela no nada!
Natanael Gomes de Alencar

Livros - Teresinka Pereira

Escrevemos Porque - Natanael Alencar

ESCREVEMOS PORQUE Escrevemos porque alguém sempre nasce,
alguém sempre morre
e porque sempre para alguém que escreve tem alguém que lê,
porque é insuficiente respirar e insuficiente a algema para prender,
porque alguém quer sempre libertar-se ou mesmo ferir-se de palavras e solidão e companhia na mesma mão e contramão motiva a escrever.
Porque não temos irmãos
e os temos como coelhos,
porque os teus olhos são azuis ou pretos ou vermelhos,
porque as menores atitudes motivam, as maiores estimulam, porque nunca nos entenderemos e sempre nos falaremos e choraremos, assim como insensíveis sensibilizaremos.
Porque temos moral,
porque somos imorais,
porque usamos terno, porque temos cargo, encargos, desemprego, camiseta regata, porque adoramos funk, rock , porque detestamos música, porque vivemos pouco, muito, e sempre alguém nasce enquanto morremos e alguém morre enquanto nascemos.

Valeu, zumbi? - Edweine Loureiro

Lavadeira da Minha infância em Reprise - Natanael Alencar

A Arte de Ser... Poeta - Heloisa Crosio

VI CONCURSO NACIONAL DE HAICAI “CAMINHO DAS ÁGUAS”

O Grêmio de Haicai “Caminho das Águas”, Santos/SP,abre inscrições parao VI Concurso Nacional de Haicai Caminho das Águas. O concurso está aberto à participação de praticantes de haicai, com idade mínima de 15 anos,filiados ou não a Grêmios de Haicai.
Cada participante poderá inscrever-se com dois haicais inéditos, sendo os kigos (termo de estação), obrigatoriamente:borboleta e lua. Um kigo em cada haicai.
Os haicais deverão seguir, obrigatoriamente, a linha doMestre Bashô, ou seja, conter o kigo, ser construído com 17 sílabas poéticas, em 3 versos de 5 – 7 – 5 sílabas, sem título ou rima.

Concurso Nacional Beleza em Prosa & Verso

Concurso  Nacional “Beleza  em  Prosa  &  Verso”
REGULAMENTO 1.EdiÇÕES  ALBA e o Grupo Sul-mineiro de Poesia, com o apoio da Academia Varginhense de Letras, Artes e Ciências, promovem o Concurso Nacional “Beleza em Prosa & Verso”, com o objetivo de estimular a criação literária e divulgar a produção de poetas e prosadores, em antologia nacional, sob regime cooperativo.                                                2. O concurso é aberto a textos literários, em forma de contos, crônicas e poemas (modernos ou clássicos), em língua portuguesa. Tema:BELEZA.

NOTA MUSICAL - ANIVERSARIANTE DO DIA:

Nossa homenagem ao compositor russo Tchaikovsky (1840-1893), ilustre aniversariante deste 7 de maio. Pode-se dizer que ele foi um dos grandes "comunicadores" da música clássica, no sentido de que suas obras, de extrema beleza melódica, estabelecem comunicação quase imediata com o ouvinte. Não à toa, têm a assinatura de Tchaikovsky algumas das peças mais populares do repertório, como o "Concerto para piano N.1", o balé "O quebra-nozes", a "Abertura 1812" e a "Serenata para cordas". 

por Ivan Pereira Santos Júnior
aprecie o cardápioMOMENTO MUSICAL

NOTA MUSICAL - Qual foi o maior compositor?

Qual foi o maior compositor de todos os tempos? Rachmaninov, seguido de Prokofiev. Bem, seria essa a resposta se o termo "maior" se referisse à altura. Rachmaninov tinha 1,98 m enquanto seu colega compatriota media 1,90. A rádio inglesa Classic FM fez um bem-humorado quadro de alturas de compositores. A unidade de medida do quadro é em pés, mas aqui já convertemos para o sistema métrico. A lista mostra que muitos dos grandes eram pequenos em estatura. Grieg e Schubert mediam 1,54. Beethoven e Ravel tinham 1,57. A altura de Mozart era 1,62 e a de Wagner, 1,65. Chopin media 1,67. No grupo dos "duplamente grandes", incluem-se Dvorák (1,80) e Liszt (1,82).
por Ivan Pereira Santos Júnior Conheça o Cardápio MOMENTO MUSICAL

Pacifista - Clara Sznifer

A Terra - Teresinka Pereira

Destino-Invasão - Hilda Curcio

Pérolas de Mentira - Juarez F. Dias

O Poema lhe Fode pelos Olhos - Natanael Alencar

Meu anjo-zumbi - Natanael Gomes Alencar

Lá vem o meu anjo-zumbi.
Direita à frente. Esquerda arrastando.
Só eu que tenho um anjo da guarda assim.
Quando preciso, ele não está.
Sempre chega depois de mim.
Aos pedaços.
Um membro cai aqui, outro ali.
Uma vez voltei pra pegar seu nariz.
Outra, suas orelhas e um dedo mindinho.
Ainda outra, pra pegar suas órbitas.
Fiquei com uma destas.
Pra distorcer meu ângulo de visão.
Não é mais o mesmo o meu "guardian".
Quando se tornou zumbi? Não sei.
Mas está melhor do que foi.
Não tem mais aquele orgulho besta.
Aquele andar de elegância excessiva.
Não vive se penteando a toda hora.
Nem usa mais aquele cinto de ouro.
Virou zumbi. Quando? Já disse que não sei.
Como? Nem quero saber.
Vem vindo pra cá. Sente o fedor?
Vejo que deixou a língua pelo caminho.
Tenho de buscá-la antes que "o cão" a devore.
É melhor a gente se falar depois.
Natanael Gomes de Alencar

Dádiva Divina - poema Vieira Vivo

L'épanouissement de la beauté
Est le fruit
De minuscules événements

Un léger attouchement des lèvres
Lors de quelque étreinte
Peut enflammer à l'infini
Tout le firmament

Vieira Vivo


poema do livro Solo Fértil traduzido para o inglês por Teresinka Pereira e para o francês por René Varennes, editor da revista La Fôret des Milles Poèts, publicado na edição 64 nov/dez - 2012


A expansão do belo
É gerada a partir 
De minúsculos eventos

Um leve roçar de lábios
Em certa madrugada envolvente
Encendiou ad-infinitum
Todo o firmamento

Vieira Vivo

Notas Musicais - por Ivan Pereira

Após Mozart, o foco dos que buscam aumentar a concentração e a agilidade de pensamento está em Vivaldi. Se indícios de que a música clássica estimula a atividade intelectual sempre existiram, agora surgiu mais uma comprovação científica. A pesquisadora inglesa Leigh M. Riby, da Universidade de Northumbria, realizou testes com universitários e comprovou que a capacidade de reação e raciocínio aumentava consideravelmente enquanto eles ouviam o primeiro movimento da “Primavera”, de "As quatro estações", de Vivaldi.

É importante inserir a música clássica na rotina das crianças, mas como fazer isso de maneira integrada às atividades que elas já fazem? Nosso leitor Sildo Vital Gauderet, por exemplo, é professor do ensino fundamental e costuma combinar audição musical com desenho livre. Eis uma atividade que pode ser feita em casa: colocar clássicos enquanto as crianças desenham, colorem, cortam e colam. É um momento em que os pequenos costumam parar e se concentrar. Outras boas oc…

Concurso de Sonetos "Chave de Ouro"

APOIO: FUNDAÇÃO CULTURAL DE JACAREHY “JOSÉ MARIA DE ABREU” JORNAL DIÁRIO DE JACAREÍ

7º FESTIVAL DE SONETOS “CHAVE DE OURO”
CONCURSO INTERNACIONAL

O Festival de Sonetos “Chave de Ouro” tem como objetivo incentivar e divulgar o Soneto, na sua forma clássica.

Academia Vicentina em Concurso de Poesias

ACADEMIA VICENTINA DE LETRAS, ARTES E OFÍCIOS "FREI GASPAR DA MADRE DE DEUS"
ACADEMIA EM CONCURSO - POESIA - VI PRÊMIO PROFESSOR E POETA OSWALDO NÉVOLA FILHO
Definição: Concurso de Poesias em duas categorias: juvenil e adulto.
Objetivo: Revelar e divulgar valores literários, estimulando a capacidade criativa dos talentos da região e divulgar a Academia em outras regiões.

Prêmios e Menções - Ed. Costelas Felinas

Prêmio Luso Brasileiro de poesia - 2012
















Incluso na lista dos 12 mais importantes livros de haicai editados no Brasil -  por Teruko Oda no site Educar para Crescer







Livros Palavra e Aladas Ondas ao Nada inclusos na lista dos 10 livros da novíssima geração de poetas brasileiros (2012) -  site Listas Literárias por Edweine Loureiro