Pular para o conteúdo principal

CARTAS BRASILIENSES Por Emanuel Medeiros Vieira

“O trabalho é o amor feito visível” (Gibran Khalil Gibran (1883–1931)
“Quem não se movimenta não sente as correntes que o prendem.” (Rosa Luxemburgo (1871-1919)
1) DESMATAMENTO
“Um desastre. Não merece outra descrição o processo pelo qual veio a público a péssima notícia de que aumentou 28% a taxa de desmatamento na Amazônia neste ano.”
São palavras de Marcelo Leite, iniciando uma análise sobre o assunto.
Seria coincidência?
O aumento do desmatamento ocorre após as mudanças no Código Florestal. A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse que o governo não havia perdido o controle do desmatamento.
Não?


Parece mecanismo compensatório: negar o que acontece na realidade. No mundo “virtual” e da propaganda vivemos numa Noruega.
Segundo dados, a área desmatada saltou de 4.571 km quadrados, de agosto de 2011 a julho de 2012, para 5.843 km quadrados, de agosto de 2012 a julho de 2013.
Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade?
Será este o princípio basilar do governo, repetindo táticas tão conhecidas na História? É o que dicionário chama de mendacidade. Sim: mentira.

2) PLANO DE PRESERVAÇÃO DA CAPITAL
Chamam de Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCub) – que o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, quer aprovar a toque de caixa na Câmara Legislativa (também conhecida como “Casa dos Horrores”) –, o que seria o atestado de óbito do projeto de Lúcio Costa para a capital.
Ganância,cobiça, dinheiro, destruição dos verdes, negação de uma vida digna para os que aqui lutam, acerto com empreiteiras?
É tudo isso junto.
Felizmente, segmentos da sociedade não estão omissos, além de entidades como o Instituto dos Arquitetos, o Ministério Público, e pessoas que amam acidade “real” (não os “podres poderes”).
A ninguém interessa a substituição das áreas verdes pelo concreto, exceto os especuladores imobiliários.
Que sejam respeitadas as regras urbanísticas estabelecidas pelos criadores de Brasília!
O projeto da capital do País é reconhecido internacionalmente.
A cidade é patrimônio da humanidade.
Os cidadãos de bem que aqui vivem e labutam nada têm a ver com os ladrões.
A cidade não pode ser estigmatizada pelos corruptos que, no geral, vem de fora.
Reconheço: suportar um trio de governantes (?) como Roriz-Arruda-Agnelo é desafio hercúleo para uma cidade que amamos. (Eles também vieram de fora...)

“Vem pra rua, Brasil!!!! Mas lembre-se que também não adianta ser um leão nas ruas e um burro nas urnas.”

Brasília, novembro de 2013

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.