Pular para o conteúdo principal

O horizonte poético de Lúcio Mário por Roberto de Queiroz

No dizer do poeta francês Paul Valéry, “poesia é a tentativa de representar ou de restituir, por meio da linguagem articulada, aquelas coisas ou aquela coisa que os gestos, as lágrimas, as carícias, os beijos, os suspiros procuram obscuramente exprimir”. E é nesse contexto que, certamente, se encaixa a poesia de Lúcio Mário. Palavreio desse modo porque, no meu entendimento, as coisas (ou a coisa) em comentário tencionam representação nos textos do poeta por meio da articulação da linguagem. De outro modo, isso seria obscuramente possível.
Demais, posso proferir que Lúcio Mário faz “Poesia com uma volta e meia”, ou seja, dá meia volta a mais em seu fazer poético. Assim, sua poesia transcende os limites do real. Nela, o tempo e o espaço não ganham terreno. O poeta prima pelo absoluto e pela eterna velocidade onipresente. Faz uso de um “dicionário dinâmico”, em que há muitas “palavras estranhas”, as quais “vejo-as e não as encontro” (p. 14). E, “no nevoeiro da memória” [do eu lírico] / “em [...] silêncio repousam os dias / do nunca mais [...]” (p. 24 e 35).

Além disso, posso inferir que, na poesia de Lúcio Mário, o surreal (o que subjaz à noção de real) acrescenta à razão a fantasia criadora do inconsciente. Ideias aparentemente contraditórias, tais como sonho e  realidade, em uma espécie de super-realidade ou realidade absoluta. Quer dizer, o poeta explora o real e o imaginário concomitantemente. Para ele, “o eu físico e o eu espírito / nítido está fora e contido / dentro do eu psique-mito” (p. 26). O verbo no singular (está) e o adjetivo também no singular (contido) sugerem a fusão dos dois eus: o físico e o espiritual.
Por fim, resta-me dizer que, no horizonte poético de Lúcio Mário, “os raios ultravioletas / no arco-íris invadem / dominando o dominado / [mas não o] verso do poeta” (p. 114). E, como assegura ele próprio, esse horizonte está guardado em um cofre que ainda não foi aberto (“Cofre dos segredos”, p. 48). Logo, quem quiser abrir o cofre dos segredos de Lúcio Mário e desvendar seu horizonte poético deve procurar a chave em seu livro “Poesia com uma volta e meia”, objeto de análise deste texto. Certamente ela está lá. Encontre-a se for capaz. Está lançado o desafio.
Roberto de Queiroz - Poeta, professor de Português e especialista em Letras. Autor de “Leitura e escritura na escola: ensino e aprendizagem”, Livro Rápido, 2013, entre outros. 

Comentários

Lucio Mario disse…
mui obrigado pela divulgação...paz e bem.LÚCIO MÁRIO.

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.