Pular para o conteúdo principal

CONCURSO CARDÁPIO POÉTICO - INSCRIÇÃO ABERTA PARA JUNHO

A Ed. Costelas Felinas e o Clube de Poetas do Litoral em parceria realizam o concurso Cardápio Poético.

O concurso é aberto a todos os interessados do Brasil ou do exterior (desde que escritos em língua portuguesa).

NÃO HÁ TAXA DE INSCRIÇÃO - 

INSCREVA SEU POEMA PARA O MÊS DE JUNHO/2014




maiores informações: cacbvv@gmail.com


COMO FUNCIONA:  
O concurso inicia em  novembro  de 2013 e termina em novembro de 2014 -

SELEÇÃO: 
Serão escolhidos 02 poemas por mês - O poeta selecionado poderá participar quantas vezes quiser durante o ano.
Ao todo serão selecionados 24 poemas (02 por mês) - o júri será composto pelos integrantes do Clube de Poetas do Litoral (CPL).


PREMIAÇÃO: 


No fim do ano de 2014, já com todos os poetas participantes selecionados, a ed. Costelas Felinas editará a ANTOLOGIA CARDÁPIO POÉTICO e cada poeta selecionado receberá sem custo nenhum 05 exemplares da antologia.

COMO PARTICIPAR:  ATENÇÃO

TEMA E ESTILO: LIVRES
  • cada poeta poderá participar até com 02 poemas
  • o poema deverá ter no máximo 15 linhas/versos - 
  • os poemas enviados para o concurso não poderão ser retirados depois
  • NÃO USAR PSEUDÔNIMO - (somente nome verdadeiro ou literário)
  • caso contrário será desclassificado pelos jurados.
  • deixe seu poema como comentário logo abaixo - inscrição até dia 25/06/2014.
ATENÇÃO: - seu poema não é postado na hora. Confira sua participação olhando mais tarde seu poema no comentário. 

Comentários

Eunice disse…
Festas quentes
em tempos frios.
Balão no céu,
Fogueira no quintal
São figuras de postal.

Eunice Tomé
Eunice disse…
Sem mais nem menos,
Contemplei o mar
No arrulhar das ondas,
Segredos de além-mar.

Eunice Tomé
Unknown disse…
Eus

Não sou metade
nem sou inteira
sou patchwork
cosido à mão
para desfazer-se
pelas beiras
e meus retalhos
não são quadrados
ou retangulares
antes os triângulos fálicos
e os círculos lunares
essa costura não é perfeita
não se encaixa nenhuma parte
somam-se porque deixei-as
existirem por contraste.

rosaramos








Perquirir

Pareço pálido, pele polvorosa.
Por professar palavras profanas.
Peregrino procrastinado, prazer!
Por perecer presunçosamente,
Pairando, palavras pentagonais,
Proclamo, princesa, piamente:
Porcelana permanente, pertinaz.
Porcaria! Percebo... percebes?
Prismas polivalentes, penteados...
Pedaços perfidiosos, perdão!
Pouco provei, pequenas partes.
Permissionário persistente...
Provoquei previamente, porém,
Porventura, por perversão,
Palavras, podres, porra: perdão!

Nijair Araújo Pinto
Dia

Dia. Um coração forte e pulsante, fechado...
Que tudo me revela assim – flor de emoção.
Com o orvalho surgindo e sereno – um clarão –,
vivifica o temor da noite morta, o brado.

Quando o corpo desperta, a quimera se adensa,
e o refrescar da pele afia-se qual navalha.
Toda sorte é tormento a ferir e atrapalha,
ao dissipar do medo, a lúdica e vil crença.

A luz próxima é novo alento e me compraz...
E o aljôfar delirante é quem faz rorejar
a gota que se inflama e se acende, serena.

Dia. Um coração forte, extravagante e assaz.
Que pulsa, pulsa, pulsa... O denso influxo do ar
perene na carcaça humana dos Mecenas.

Nijair Araújo Pinto

HEI DE ELOGIAR
Hei de elogiar a loucura
quando parar de enlouquecer

Hei de elogiar a loucura
quando deixar de rasgar-me

Hei de elogiar a loucura
quando parar de exercê-la
em alma e carne
João Victor Martins Ruyz disse…
Simétricos

Essa nossa simetria...
palavras se juntam;
interesses se mesclam;
desejos se saciam.

Essa nossa simetria...
sonhos despertam;
a angustia dá lugar à calmaria.

Essa nossa simetria...
arriscar, então, vale o risco.
Vale todo risco do mundo!
Risco. Sem medo.
Mergulho.

...Nessa nossa simetria.


João Victor Martins Ruyz
Titulo:Eterna perdição

Em algum lugar perdido
em meio a tantos pensamentos
ali parado estou sozinho
aos poucos tudo é um tormento

Sem prestar atenção
sem contar com nada
me prendo me acorrento
de forma inanimada

Me atiro no meio de animais
perco tanta coisa
por pensar sempre demais

Assim correndo estou no escuro
meu unico refugio
meu porto seguro
Soneto de não entendimento

Eu tentei sepultar meus sentimentos
de uma forma racional tentei te esquecer
pois sempre sem coragem
nada pude fazer

Em minha mente haviam medos
tanta coisa eu via
estava muitas vezes ao teu lado
mas como sempre eu nada fazia

sim, tenho muitos medos assim asseguro
medo do tempo, meus pensamentos
e até do escuro

mas medo da morte não tenho não senhor
só tenho medo de morrer
e você não saber do meu amor
geraldo trombin disse…
OCEANO

Ela disse:
– seus olhos verdes
são um oceano.

Respondi:
– Não precisa ter medo,
pode mergulhar!
Qualquer problema
estou a postos, como corpo de bombeiro,
para te resgatar,
fazer respiração boca a boca
e, juntos, afundarmos
na vastidão envolvente
das águas límpidas
do nosso (a)mar!

(geraldo trombin)
geraldo trombin disse…
DORMITÓRIO

Seu coração é como
cidade-dormitório,
onde deita todos os cansaços,
dorme feito pedra-pesadelo,
roncando papos, noitadas e desejos;
é onde vira de um lado para o outro
sempre,
sempre esperando,
no dia seguinte,
acordar sonhos.

(geraldo trombin)
Marlin Balbuena Bremm disse…
Sonhos de criança
Com a bola no pé
um drible na escravidão
liberdade em florescência.
Bom é ser criança
livre para brincar!...
Na ambição que levam no pé
sonham em um dia ser pelé.
Na bagagem dos sonhos
Até os pensamentos são redondos.


(autora: Marlin Balbuena Bremm)
Angelo Colesel disse…
O herdeiro
Menino quieto no quarto é sinal de confusão. A mãe preocupada espia da fresta da porta, o filho rabisca uma folha, sentado no chão. Ela continua seus afazeres.
O menino grita: “ Mãe fiz um poema”, e lê com entusiasmo-
“Mâe, é meu céu e terra ,
Meu começo e meu fim.
Amor que nunca se encerra:
- Eu te amo um tantão assim!”
Uma lágrima discreta, para a mãe, seu filho é a voz renascida de Quintana.
Angelo Colesel disse…
Saudade

Na tarde sangrenta em que morre o sol,
renasce em chamas doloridas
aquela saudade anunciada:

“suas mãos, pombas revoltas,
sua boca macia em favo de mel
os olhos de caça e cobiça”

e deste átimo solene,
tudo esvai-se em cinzas ...

A lua clara, já dominante,
realça em minha face-
pequenos diamantes perenes que
espatifam-se em cacos líquidos,
Jóias furtivas, que compõem o cenário-

fênix acintosa que renasce no crepúsculo.
por e-mail
***************************

Urubu por Roberth Fabris


No campo a bola rola
Nas ruas a lamúria impera

No campo a torcida chora
Nas ruas o povo protesta

No campo a brazuca faz bonito
Nas ruas a bazuca esconde a verdade

No campo a alegria impera
Nas ruas o pão e circo já era.
por e-mail
*************
Oração
29/05/2014

O mar
É tudo o que está aqui
É tudo o que eu posso ver

Brinca
Com suas ondas a gingar
Brinca
Leva os pedidos para Iemanjá

Chora
Um amor perdido
Chora
Um coração traído

Ora
Que o medo se desfaz
Ora
Que o amor encontra a paz.

Neila Bittencourt Pereira
por e-mail
*************************



GUERRIÁ

(Dança do Sol)


Posto ao sol
Para te banhar
Agalaue uê
Eu quero é dançar

Vista-se de negro uê
Vem para dança eá
O Quilombo dos teus servos
O do Palmares Bureá

Agalaue uê uê uê uê uá
Agalaue uê uê uê uê uá

Martírio dos povos
Zanga zanga meu Zorro
O teu grito menino
Está na dança Guerriá

Neila Bittencourt Pereira
João Alberto de Faria e Araújo disse…
Sedução

De repente escutei um psiu!
Olhei para o lado...
Uma goiaba me sorriu.
Apalpei-a, mordi-a.
Ela enrubesceu!

Comi-a...
Anônimo disse…
Selmo Vasconcellos

EU SOU... O CHÃO

Eu sou o chão

Que pisam, cospem, dormem,
Às vezes, plantam flores.
Que andam, sentam, cimentam,
Às vezes, ajoelham para Deus.
Que me atropelam, furam, quebram,
Às vezes, revolvem.
Que mancham de sangue quando feridos.

Eu sou o chão
E não me reconhecem.
por e-mail
***********************

CONSTRUÇÃO
Luiz Otávio Oliani

a palavra é adaga
a cortar os pulsos

contra ela
milícias bombas
são inúteis

canhões não têm vez
sequer mordaças

a palavra não se cala
grita ejacula goza

a palavra é adaga
fere, mata
mas também é espera:
seu tempo é todo o tempo
Anônimo disse…
declaração internacional de direitos das crianças


quantas crianças nesta manhã acordarão para o trabalho?
abandonarão os brinquedos, a escola
por ferramentas de oficio
em ambientes contaminados
condições insalubres, abusadas, prostituídas

quantas crianças serão assassinadas nesta manhã?
cortejo de desigualdades
exército de desvalidos
invadindo os sinais de transito das grandes cidades

quase três milhões de crianças
exploradas de todas as maneiras
matando a esperança em berço esplêndido.

Flávio Machado
Anônimo disse…
alegre


a moça amputou a perna na infância
haveria necessidade de tamanha violência
para conter o câncer ?

não lembro de vê-la beijada por nenhum de nós
não lembro de um sorriso
não lembro do nome da moça

resistia ao envolvimento mais próximo
distanciava – se na perplexidade
enquanto escondia a beleza ingênua

existem cotas para contratar
pessoas com deficiência
não existem cotas para demonstração de afeto.

Flávio Machado
por e-mail
**************************

REFÚGIO



Tocado por sua ternura

Assim me via e sentia.

Parado olhar fantasia

Sentido nobre, esperança.

Sou cantiga, sou sorriso...

No calor busco sombra

Na chuva esconderijo.



Poema para o mês de junho



Emílio Soares da Costa

A poesia é como a beleza
Está nos olhos de quem ver
Na perfeição da natureza
Ou na arte de escrever

O que importa a crítica
O que interessa a estética
A minha expressão artística
É a veia poética.
Cardápio poético

O prato da estrofe predomina
Iguaria de sabor energético
O cliente leitor determina
O verso que pula frenético
Oferta de banquete da rima
Presente no cardápio poético.

Anônimo disse…
Lorena Guimarães

Ao inverso do certo
Nada é tão certo quanto o incerto
De escura clareza
Que invade a alma e nada fala
Enquanto buscamos respostas para nossas perguntas vãs
Só percebemos com o tempo
Que a verdade da vida
São as incertezas que a compõe

Lorena Guimarães
Renan Tempest disse…
Amar-te

Quisera dizer-te tão-somente,
Sem abster-te da alegria ou não,
Que a alegria de ter-te inda sente
O meu tão plangente coração;

E também falar-te ternamente
Que em vão beijar-te é amar-te em vão,
E rente sonhar-te eternamente
É somente amar-te em solidão.

Mas não coubera a mim que a amargura
Da lembrança dura que perdura
Perdurasse co'essa agrura triste!

Não, eu não pensara que o passado
Tornar-se-ia um fado nodoado
E o amor o porquê que tu partiste!

Renan Tempest
Renan Tempest disse…
Amor

Em meus versos
Há um amor doce,
Porém amargo e triste.
Mas que mesmo em solidão
Ainda existe...

Em meus versos
Há um amor,
Que é tecido
De sonhos,
Que me mata
E me faz viver...

Viver mesmo na morte.

Renan Tempest
Sra. P. disse…
Inquietude (Movimentos)

Um sussuro
Começa lento
Vai aumentando
As pernas não param
O tronco se move acompanhando
O braços e mãos, em uma leveza, vão junto
Frenético num crescente a fim de uma explosão
Agora, pernas, troncos, mãos e braços cada vez mais rápidos
Êxtase! Ofegante, respiros, os músculos relaxam o corpo se calma!

Catarina Cervelleira da Silva


Começo...
Palavras, não são palavras
Frases não são frases
Apenas reticências

Meio...
Palavras significados da alma
Frases lembranças da memória
Começo, meio e ponto final!

Sentimentos...
Palavras interpretações do coração
Frases significados da vida!
Começo, meio, pontos finais, e exclamações!

Como se interpretar o silencio?

Catarina Cervelleira
governor disse…
se a luz brilha
a luz humilha
se a escuridão alivia
esconde o que na luz brilha
contudo de carne a luz encerra
a podridão de um mal feito
a luz enterra
e da escuridão volta do jeito
a maldição da guerra
ou quiça o viçio da coleção
não houve paz nem amor,
tudo feito da ereção"

carlos a.c.liberal
governor disse…
ese a luz brilha
a luz humilha
se a escuridão alivia
esconde o que na luz brilha
contudo de carne a luz encerra
a podridão de um mal feito
a luz enterra
e da escuridão volta do jeito
a maldição da guerra
ou quiça o viçio da depravação

"

carlos a.c.liberal
lucas disse…
Lucas Correia Barros


Texto extraído de tiragem jornalística*

Foi na Praça da Paz junto a sombra da paineira
Foi na esquina sulcada da rua
Foi na manhã iluminada sob o céu desbotado
que a menina Lucy , a ruivinha da casa . 15
foi deflorada sem pudor algum por sua própria assombração.
Raphael Dias disse…
olhando para o alto

quão alheio estava
a precisar da poesia
para reparar a pura
e azulada pintura
da eterna exposição
do museu-natureza

Raphael Dias
Raphael Dias disse…
o vento e a moça na praça

plantada no asfalto
ela era flor de pétalas
bailarinas ao vento

Raphael Dias
Hera disse…
A um sorriso

Teu sorriso é um doce encanto
Magnífico como o ouro em fusão
Forte como o amianto
Espalhando no ar a confusão!

Teu sorriso majestoso como Acanto
Nas ramagens verdes é segredo
Quando do teu colo me levanto
E nas asas do amor voo sem medo!

Teu sorriso enche de luz o meu recanto
Irrompe no céu como parapente
Amarrando meu olhar numa corrente!

Teu sorriso é o fermento
Que faz crescer a minha semente
O meu sonho, a minha ilusão!

Graça Mendes

(reenvio porque esqueci de colocar meu nome)
Hera disse…
A paixão...

É um suspirar por tudo e por nada
É uma chama incessante na jornada
É o comtemplar da alma num vazio total
É a dança de varão no amoroso festival!

É o alimento da vida, o trincar uma cereja encarnada
É o correr pela beira do mar e estar deitada
É um banho de desejo na espuma do sonho fatal
Um jardim sublime e hilariante de prazer carnal!

É o caminhar descalça sobre espinhos de rosas
E escorregar na magia de um beijo
E escrever sorrisos em versos, em prosas!

É desenhar no céu do olhar estrelas amorosas
E debaixo das asas do amor encontrar esconderijo
E voar,... voar como belas mariposas!

Graça Mendes

(reenvio porque esqueci de colocar meu nome)
João Alberto de Faria e Araújo disse…
Infância

Crianças, muitas crianças
encheram o espaço com
seu alarido festivo.
Corri à porta e a abri a
fim de compartilhar sua
felicidade.
Mas eram apenas minhas
lembranças que
brincavam comigo.
Michele Azevedo disse…
Triste Enlace

Horizontes, nós
paralelos em nós
entretidos e recolhidos
nós
entre nós.

Horizontes estamos
insatisfeitos,insanos
enodoados, afastados
estamos e somos
nós
entre nós.

Michele Caroline Azevedo
Michele Azevedo disse…
Sobre a Alma Gêmea

a incessante dor que pondera
é a enxaqueca de quem já não dorme
aflita pela árdua espera
de alguém que não sei nem o nome.

Michele Caroline Azevedo
por e-mail
************************

Começo

Marcelo Ignácio

Nem meio nem fim
Começo
De tudo que ficou para atrás
O que morreu, não volta más

*********************************

De repente o cinza

Marcelo Ignácio

Olhei pela janela vi o sol!
Sai na rua
De repente
O cinza
jose marcio eugenio disse…
Dai-me cidadania.

Dai-me sol
uma flor de girassol
dai-me mel
para combater esse fel
dai-me filosofia
para entender essa agonia
dai-me uma canção
para plantar no coração
dai-me voz
e desatei esses nós
dai-me um grito
e despertai o mito
dai-me poesia
e ressuscitai
a cidadania !
jose marcio eugenio disse…
o poema que me pariu.


Poetizo por necessidade
por falta de paixão
uma eterna saudade
mora no coração.

poetizo com dor de parto
essa dor só o poeta sentiu
qualquer dia destes enfarto
e volto ao poema que me pariu.
edweinels disse…
CARAS-PINTADAS

Pelas ruas,
em estardalhaço,
gritam os palhaços!

Cansados dos micos...

E de todos os circos.

(Edweine Loureiro)
Timóteo Pernas disse…
Pomba Branca, Tu que viajas
Entre a escuridão da luz
Quando a alma
Pede mais do corpo.
A não ser, mais que uma simples dor,de prazer
Na imensidão de um desejo,
Perdido na sequidão de um olhar
Que se transforma
Pelo bater de suas asas.
E, quando a alma
Fala através do corpo...
Até as palavras ganham
Sensações para voar,
E,não há lei para prender o amor.
Timóteo Pernas disse…
Marcas de lama, alma: Fotografias:
O pato amarelo e o cisne branco,
Memórias de passados vividos,
Gerações em minha infância
Visões, de anjos e demónios
Gritos, Uivos de guerra
Sangue que me arrebenta as veias!
Explosões que minha alma
Não consegue confessar.
Alma, quem te vai aturar?
Que caminho desvendar?
Que lugar para amar?
Música leve no coração
Porque a alma tem razão!
Num cinema de cenas confessadas.
Zidelmar Alves Santos disse…
Eu protesto!

Eu protesto contra a corrupção,
Recorrente instrumento de maldade;
Onde o político dispara crueldade,
Contra aqueles a quem deve gratidão;

Protesto contra o aumento da passagem,
Contra a Copa, instrumento de ilusão;
Por um salário que permita comprar pão,
Por um trabalho que me dê dignidade;

Protesto pela educação de nossos filhos,
Pela saúde e boa qualidade de vida;
Protesto pela segurança da família,
Pela certeza do respeito ao indivíduo;

– Protesto por uma nação bem mais unida,
Que repudia a prática do “pão e circo”!

Zidelmar Alves Santos
Zidelmar Alves Santos disse…
Sintoma da evolução

Nas calçadas, ele está acomodado
Também nos becos, nas ruas e nas praças
Se espalhando para tudo que é lado
Contagiando a todos com suas (des) graças

É por me sentir incomodado
Com os dejetos que, a nós, são ameaças
Com o rio que já está contaminado
Pelo lixo produzido em nossas casas

Que eu escrevo de forma escancarada
Que eu demonstro minha incompreensão
Por minha cidade estar numa triste jornada
Por produzirmos sua autodestruição

Por entender que desde a Pedra Lascada
O lixo é sintoma da evolução.

Zidelmar Alves Santos
Edmarcos Felix disse…

Silêncio

Eu calo!
Os peitos magros e diáfanos,
Eu calo.
Ó Deus! Se estais nos peitos tais,
nos clericais pleitos pudicos,
o público destes circos de congregações
faz ovações regozijando talentos superficiais,
como leões e Daniel seus ministrais.
Morrem comungando chagas
e chagam comungando paz.

Eu creio,
calado,
que do espólio sobre pão,
mas como pedra em comunhão
com meus pecados capitais.
Edmarcos Felix disse…
A rasa dor


Você é a minha poesia mais vaga
transeunte de um sentimento inóspito
enorme e vazio..
que chega a reverberar ecos em delay,
sentinela de um deleite de repetições,
receptáculo eleito no pleito dos derrotados,
na rota dos retardados você é a lei,
me aciona sem mencionar
que infecciona entre os narcóticos
que interceptam meu hábito.
Tu, entalpia no meu septo e eu me adapto,
tu, entupia o meu óptico e eu decrépito...
tu, que é poesia inacabada...
ao final da badalada toca minha inconfidência
e nos confins secos da tua vida plebe
enterra tua consciência exasperada.
Sabrina Dalbelo disse…
METAMORFOSE

Havia um buraco
Imenso. Profundo. Escuro.
Cheio de coisas
Largadas. Empoeiradas. Amaldiçoadas.

Folhas em branco
Algumas ainda alvas, outras com respostas

Pétalas de flores
Algumas ainda coloridas, outras decompostas

Não tive medo
Fui até lá embaixo
Resgatei tudo
Trouxe à tona
Estou do avesso.

Sabrina Dalbelo
Sabrina Dalbelo disse…
AOS PÉS DO SEU SONHO

Ela só tinha treze anos...
Sofria sozinha, mas tinha fé.
Já tinha fumado até a ponta,
Fugindo de casa quebrou seu pé.
Começava o dia no ponto,
Esperando o transporte em pé.
Era chutada pelas dificuldades
A fortes e rudes pontapés.
Seu sonho: ser bailarina!
Ter o controle na ponta dos pés.

Sabrina Dalbelo
Amélia Luz disse…
Corpo

Meu Corpo de Eva
queima em desejos
na carne da minha carne.
Quisera ousar,
voar em liberdade, sair,
atendendo ao teu chamado!
Silêncio, meu coração pulsa,
vida explodindo em emoção...
Oleira de barro santo
fiz meu corpo puro,
incorruptível,são,
apenas desejoso de ti
quando me descubro em êxtase.
Amanhã o pó que voltará ao pó.
Corpo, fio, fiapo de vida
que restou encarcerado m prisões,
esperando apenas a última despedida!

Amélia Luz - 03/05/2014
Amélia Luz disse…
Poema para Wilmary

Paz, paz e muita paz...
Alegria? Todas!!!
Um piano, um canto em soprano.
Dó... Ré... Mi...
Um barco cheio de estrelas cintilantes,
silêncio, mar azul, norte ou sul.
Noite enluarada ou manhã ensolarada,
como preferir...
Coração pesado de emoções e...
amigos verdadeiros por perto!
Girassóis? Muitos para enfeitar o teu dia.
Liberdade: todas as janelas abertas para a vida!
Uma Harley Davidson, uma prancha de "surf", uma asa delta,ou quem sabe um páraquedas desafiando a gravidade?
Estradas... Estradas a perder de vista...
E Deus, lá do alto, abrindo os braços
para protegê-la dos lobos inimigos (que famintos tem fome)!

Amélia Luz - 03/05/2014
Fatias

O sol que colore a tarde
A chuva que orvalha o dia
Pássaros fazendo alarde
em acordes de alegria
A aragem dos ventos brandos
entoando hinos celestiais
As andorinhas em bandos
grafando no ar seus anais
Violinos afinados
derramando melodia
Corações apaixonados
ofegando em sintonia
O oceano em movimento
O ocaso no fim do dia
Um olhar com sentimento
Pedaços de Poesia!

Jussára C Godinho

Horizonte

Quando chegar
numa encruzilhada
e a dúvida assolar
seu coração,
tome um rumo...
Certo???
Não volte
nunca desista.
Se encontrar
“pedras no caminho”,
chute-as ou desvie.
Se forem grandes demais
Passe pelos vãos.
Mas passe.
Mesmo com arranhões,
siga em frente.
Persistir é a grande meta.
Nunca desista de chegar
onde seus sonhos estão

Jussára C Godinho
POEMA CORRIGIDO PARA SUBSTITUIR O OUTRO

ENGANO COM PASSO.....(a Torquato Neto)
soul como soul
alma plena de almas
solo
sol
altura
donde me caio
transferidor
com passo à custa
de emoções postas
da vida pro computador
transferível também
sem medida possível
enganador como a verdade
sou como sou
ATOR-
qu-
ATO
por e-mail
*************************

De quem é a culpa?

Jouvana / 2011

Menino de rua, menino descalço
Dorme ao relento, enfrenta o vento
Quando pode come, quando não pode, passa fome
Divide com outros, o pão e o troco
Carinho nunca tem, nem roupa também
Às vezes nem ninguém
Faz pirueta, malabarismo com paus
Em frente ao sinal
Laranjas e bolas e pede esmola

Fuma o proibido, cai no abismo
Perde o valor, perde a noção
Perde o amor, sorriso inocente
Vira um delinquente
De vida vazia, sem expectativa, sem tentativas...
E fica a pergunta: De quem é a culpa?
por e-mail
**********************

Sintoma da evolução

Nas calçadas, ele está acomodado
Também nos becos, nas ruas e nas praças
Se espalhando para tudo que é lado
Contagiando a todos com suas (des) graças

É por me sentir incomodado
Com os dejetos que, a nós, são ameaças
Com o rio que já está contaminado
Pelo lixo produzido em nossas casas

Que eu escrevo de forma escancarada
Que eu demonstro minha incompreensão
Por minha cidade estar numa triste jornada
Por produzirmos sua autodestruição

Por entender que desde a Pedra Lascada
O lixo é sintoma da evolução.

Zidelmar Alves Santos
por e-mail
******************************

CRAKOLÂNDIA

Nunca vejo canto de rua
Como lugar pra descanso
Há quem dá valor ao canto
Por ele se tornar casa sua.

Por ali seguem destinos
De gente com o frio olhar
Gera imagem de desprezo
Por nele flagelo encontrar.

A mente vira semblante
Sem ter descaso impassível
Ali se vê por instante.

Sinto no meu ego desprazer
Por viciado naquele nível
Aonde sofre e diz ter prazer.

Emílio Soares da Costa
Amélia Luz disse…
Nem rosa nem espinho

Não sou rosa nem espinho... Prefiro ser a brisa novidadeira que chega de longe
trazendo alegrias...
Vivo serpenteando nos jardins
em busca de veredas ensolaradas
só para assustar
as coloridas borboletas.
Ninguém sabe de onde venho
e nem para onde vou...
Sigo a intuição e saio vivendo a minha liberdade!

Amélia Luz
Marlin Balbuena Bremm disse…
Amanheci flor

Hoje amanheci flor,
Espreguicei-me no jardim.
Abri as minhas pétalas de jasmim
Perfumei a natureza!
Sorri para o sol
Recebi toda a energia sideral.
E os meus polens da felicidade!
Serão lançados ao vento
Espalhando todo o amor
Que recebi neste momento.
Cairão sobre a terra em forma de alegria
Agradecendo a Deus por mais esse dia!!

(autora: Marlin Balbuena Bremm)


Homem Rosa
(Poema de Leonardo Triandopolis Vieira)

Sei de mim
Do tempo em que o tempo não existe
Não sai de mim
A clausura inconsistência e o punho em riste

Das vozes
Torpes esquálidas amorfas
Às rosas
Os golpes saturnálias rosa roxa

Sei e o fim
Das vozes
Lírio Nenúfar Violeta Petúnia
Não se de mim
Homem rosáceo amorfo da forma.
(LÁGRIMAS)

Dor que navega é chuva cristalina
É cristal de gelo de água de mina
Transparente igual é a minha sina
Mergulha em onda tão pequenina
Deságua no mar em minha retina
Molha no papel as letras e a rima.

AUTORA: (Cléo Alves)
Orlândia - SP
(O FOGO DE UM OLHAR)

O fogo de um olhar irá queimar
velhas lembranças
de teu passado não esquecido...
Incendiar teu coração gelado
e se encontrar, no teu olhar perdido.

AUTORA: (Cléo Alves)
Orlândia - SP
Victor disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
por e-mil
******************


SONHANDO

Um dia fui embalada
Ao canto dum doce hino
D'amor — formoso e divino,
No colo dum trovador!

Adormeci tão contente!,
Vendo-o me ninar com gosto,
Naquela tarde…, ao sol-posto,
De suave primavera!

Ah! foi tão belo esse dia
De imaculada ternura!
Para mim — uma aventura
Espantosa e sedutora!

.................................................

—" 'Stava sonhando querido,
'Sob a copa do arvoredo",
Disse-lhe então, em segredo,
Com voz tremente, baixinho!…

....................................................

Marta Rosa,
05 de junho de 2014
por e-mail
*********************


DESPERTA…!

Amor…, já raiou o dia!
Abre a janela! Acorda!
Sou eu! 'stou à tua porta,
Oh! desperta, meu Romeu!

Desperta Amor, e vem
Ouvir junto à janela
"Da ave a voz singela"
Saudando o fresco arrebol!

Ah! na brisa da manhã,
Em meio às violetas,
Voejam mil borboletas,
Brincando com os colibris!

............................................

Levanta-te, meu Romeu,
E vem comigo, agora!
Deixa os sonhos d'aurora,
Oh! meu lindo preguiçoso!

Ah! Desperta, anjo meu!
Deixa o macio colchão
E vem ouvir a canção
Que fiz pra te despertar!

Marta Rosa,
05 de junho de 2014
por e-mail
**************

Caminhos percorridos

Areia fina por onde passei, onde pisei.
Atrás de sonhos e alegrias.
Caminhos percorridos,
que não esquecerei.
Andei na contramão,
Por caminhos difíceis e frágeis,
Atrás de sonhos, em busca da felicidade.

Areia fina fica na lembrança,
Em busca de dias melhores.
Caminhos percorridos,
Que jamais me arrependerei.
Tenho na memória passado e presente.
Areia fina jamais te esquecerei.

Ilma Alves
por e-mail
**************

O Felisberto

Felisberto joga lixo no chão,
Não preocupa com os outros não,
Está sempre sem atenção.
Joga papel e lata pela janela,
Acumula lixo, trazendo insetos e doenças,
Causando grandes problemas,
Principalmente para o ecossistema.
Ele não se preocupa com a natureza,
Causando sempre tristeza.
Não vê que provoca enchentes, entope bueiros,
Ele é muito insensato,
Não se preocupa com o mato,
Despeja lixo trazendo ratos.
Felisberto não gosta de limpeza,
Provoca a natureza com a sua sujeira.

Ilma Alves

Lucas Esteves disse…
Velho Marinheiro

Vai, lança-te ao mar, velho marinheiro!
Enfrente as feras,
Mate as bestas,
Estrangule os demônios.
Pois o mar é teu
E o que resta é você.

Vai, velho marinheiro!
Engole o mundo com teu grito,
Com teu riso.
Ninguém vai ouvir.

Lucas Esteves
Lucas Esteves disse…
Nunca soube
''Os estranhos olhos que me olham
Não enxergam a vergonha da minha apatia
Escondida atrás de algo que
Em si mesmo, já ficou pra trás.


Às vezes eu acho que não sei mais escrever.
Nunca soube, só engano.
Como engano aquilo...(10 minutos, 1 cigarro, 9 goles de café)
...aquilo que chamam de felicidade.''
Lucas Esteves
Clímax

Versos que nascem no final do dia,
carregam-me ao desabrochar da noite.
Conduzem-me, sem abandono,
em momento algum,
pelos vieses do escurecer.
Colocam-me sob a luz da lua,
a desfrutar da companhia das estrelas,
num brilhar complementar e mútuo.
Deixam-me com coração pulsante
e sentidos extasiados,
culminando num clímax,
onde ocorre a entrega dum poema
e a minha entrega ao poema.

Marcelo Albertini
Sem sol

sou só.

Sou pó.

Sou só

poeira.

Sou só

poema,

sem sol,

sem sal,

sem ser seu.

Marcelo Albertini
Carolina Rieger disse…
DeLeite

Vinda de fora

No meio da noite

Porque é da noite

Que se faz nossa hora!

Faminta e sedenta

Empurra a entrada

Pra ser alimentada

Do jeito que inventa

De um jeito que abunda

Lambuza

DeLeite.

Por: Carolina Rieger Massetti
POESIA RESSEQUIDA

A poesia parece ressequida em meu coração
Nunca mais um verso
Nunca mais um universo
Emanando do coração

Longe estou da minha amada
Alegria para o meu coração
Logo em casa estarei
A arquitetar a emoção

Emoção escondida
Sob a máscara ferida
Da poesia ressequida
Do tempo sem escrever

LEANDRO MARTINS DE JESUS
COTIDIANO EM ALGUM LUGAR

Brisa que traz a rima
Como a folha seca ao vento
Canto que é lamento
Pra tristeza espantar.

Onda que desencanta
Espuma que faz brilhar
Imensidão sem fim...
Somente o azul do mar.

Areia aos montes
Dunas e montanhas
Deserto: miragem em alto mar.

A jangada vem chegando
Ao sabor da corrente
O sol já se põe... para amanhã recomeçar.


LEANDRO MARTINS DE JESUS
Mara Barbosa disse…
Saudade...
É sentir o coração apertado...
É querer estar ao seu lado...
É sonhar em encontrar de novo...
É pensar em momentos...
É viver em pensamentos...
É ver além da realidade...
É sentido só por quem ama de verdade...
É saber que não esteve sozinho...
É uma demonstração de atenção e carinho...
É quando tudo me lembra você...
É um desejo incontrolável...
É o que eu sinto por você...
É a prova de que tudo valeu à pena...
É saber dar valor a um simples momento...
É viver em um sonho sem fim...
Saudade...
...Maneira de dizer “ Quero tudo de novo!”


Maíra Barbosa
Anônimo disse…
O amado

Ridículo dizer "ele não merece você".
Desde quando se ama por merecer? Ama-se na inocência,
Por carência. A noite toda, até amanhecer.
Não se ama para namorar pela vida inteira,
Mas por ter a vida inteira para pensar em alguém.
Não há razão. Por que razão?
Se eu o amo, eu quem não mereço viver.
Que culpa o amado tem?

Tatiane Sbrugnara
Nesta rua em que tanto corro
Já não olho nada a minha frente
Muito menos reparo os cantos
Nunca conheci aquela gente

Proprietários de mistérios,
Não conheço quem conheço,
Apresentar fica a critério
Se afinal for esse o seu intento

Palavras da pessoa que vai
E palavras desses que vem

Mas já não mais ouço nem olho
Eu já não sei como faz parar
Os pensares de um corpo tonto
Sumindo em meio a tudo que há!

Tatiane Sbrugnara
A Tributos disse…
O SER NEGRO DO SER
Ser negro não é cor, não é dor, é sempre presente e não ausente é ser constante miscigenando toda gente.
É ser com conceito sem pré, é viver e ser com fé.
Eu sou negra de pele clara ou fui mucama de alma branca, queria ser gente e inconsciente aceitava a luta enfadonha.
Usar perfume e ter banquete era vontade, era sonho, era coisa de alguém.
Ser negro é fazer valer a própria vida, na grande subida dos caminhos só de ida.
Ser negro minha gente! É ser forte, está na moda, está na sorte rumo norte do alvorecer.
E para aquele do saber e que não sabe: discriminar é errar é não amar é não ver além.
Para crescer é preciso aceitar, transcender e resgatar a dignidade, não importa a idade a vida espera ela é esfera, sem cor, sem dor, por amor.
Ser negro, Eu sou, Eu serei quem sabe quando crescer.

Por: Ana Cristina
Maria Clara disse…
Quando entendemos o que é felicidade,
nunca mais deixamos de lado a rede de capturar borboletas.
Pode ser que uma apareça assim por acaso e não podemos deixar passar,
elas passam rápido e passam despercebidas para olhos desatentos.

Mas quando entendemos o que é felicidade de verdade,
então aprendemos a atrair borboletas.
Colocamos as flores nas janelas, vamos morar no quintal e elas aparecem.

Mas quando entendemos o que é felicidade de verdade, verdade mesmo,
aí aprendemos a gerar borboletas.
Borboletas têm um tempo de gestação de um piscar de olhos.
É só abrir que elas nascem e aí já não há medo de perdê-las.

Mas quando entendemos realmente o que é felicidade, assim pura,
aí então, aprendemos a imaginar borboletas.
E essas borboletas não precisam nem do olhar para existir.

E aí então … já sabemos viver

Maria Clara Baccarin
Maria Clara disse…
Escrever não é um estado natural
porque o natural é o comum,
o que temos em comum com todos, o que nos faz digeríveis na sociedade.

Natural é a palavra literal, o conceito-coisa, assimilável pelos sentidos das células e não dos intervalos dos átomos.
Natural é a digestão rápida, é o escaneamento sem profundidade - de corpos e palavras

E aí, um dia sai uma poesia
e em outro dia, menos ordinário ainda, saem várias da goela pra fora.

Fazer poesia não é como respirar, não é como medir as batidas do coração,
não é como dormir 8 horas por dia e nem como saber manter o casamento de 30 anos

é mais como aquela noite esquisita que você vomitou uma vez
e depois seu corpo sentiu vontade de jogar tudo pra fora de outra vez só,
mas a abertura de saída não dá conta. Então você segura a onda e a coisa fica nessa dança de querer sair sozinha, descontrolada, e as palavras se dando em porções.

E no final, restam no papel poças amarelas diferenciadas em versos.

Maria Clara Baccarin
NÃO RECONHECIDO

Morrer?
Morrer?
Hum…
É mais difícil viver:
Carregando-se…
Compondo-se…
Quando se morre
não se parece
é-se…
Aquele:
do retrato,
do corpo,
da notícia.
É bem mais difícil viver.
É bem mais difícil ser.

Francisco Correia
FRAGÂNCIAS… ASSIM

No papel sinto-me gente.
Alguém até, conscientemente
Sonhando como Pessoa
Plural que apregoa…
Idealizando como Sophia
O mundo pela poesia
Como se fosse O presente
(Do indicativo) da minha gente.

Francisco Correia
Cecilia Cosentino disse…
Amarras

Onde o ferrolho da minha cela?
Onde os grilhões, as algemas?

Nas raízes dos meus medos,
no enredo dos pesadêlos,
no rubor da timidez.

São ferragens virtuais.
O carcereiro? Sou eu.

C
João Carlos Hey disse…
Poeminha para uma guarda-vidas


O mar se agita pra lançar-me aos braços dela.
Afogado nas ondas eis-me moribundo
no instante em que a alma contra o corpo se rebela.
E ela me acorda com seu beijo do outro mundo...

Salva-me, mas salva-me devagar querida;
sem pressa nenhuma evita-me o passamento.
Nas tuas mãos o destino pôs a minha vida
e, se preciso, a ti eu me dou em casamento.

João Carlos Hey
Curitiba - PR
Anônimo disse…
Todos Estão a Esperar

Não entendo o porquê! __Assim disseram.___E eu, não acho o certo.

Afinal, os rumores começaram ao início de cada poço.
E as palavras foram lançadas ao vento.
e em terras bem vindas, o homem pronunciou o acordo.

Várias foram às vezes deste acordo.
O homem em sua vida,
reflete ao final do dia,
Pedindo conforto.

Caíram as casas!
Fecharam as janelas!
E o sol, sempre renasce ao início de cada dia!
E bem mais tarde o dia apresenta as estrelas,
para contar e deixar histórias,
do futuro que já se precipita.

A espera é um dos maiores milagres da vida.
Não sabemos o certo, creio eu.
Ou já entendemos faz tempo.
Ao final da espera, espero estarmos todos lá vivendo.
Por toda uma vida.

Jorge Antonio

Mauro Rocha disse…
BSB

Cidade avião
Cidade
Cidadão.
Nas reta,eixão.
Nas curvas,tesourinhas
Que não cortam papelão.

Mauro Rocha
Mauro Rocha disse…
ESTAÇÕES I

Primavera
Sei que não sou seu verão
Mas posso ser seu outono
No inverno.

Mauro Rocha
Zekk disse…
Mind the gap!

(jr sIQUEIRA)

Quero
o que queres,
mas não nego
que o que queres
perto do que eu quero
é algo bastante
distante
de nós dois.
Zekk disse…
Bolero

(JR Siqueira)

A roça no cio,
a raça e o rocio,
o rastro no rosto,
o resto, o ralo, o rei-posto.

O rio e a rua,
a rosa toda nua,
o riso rentável,
a ruína irrevogável.

O remédio ruim,
o rocambole e o rinoceronte,
a réstia, a rapina e o rompante,
a rainha, pra mim.

A rara resignação,
o roedor, o rapel,
o ritmo em Ravel,
a rota razão.

A rachadura regular,
o racha, retangular,
a retenção do gozo,
o rápido, o reto, o reimoso.

O rango, o reino, a resposta,
a rota à rinha, o reisado,
a retina remelenta, a bosta,
o resignado reinado.
Diego Santana disse…
Mitos E Lendas
Diego de Souza Santana
São José dos Campos SP

Nos degraus da evolução
Criamos mitos sobre a vida
Dentre todas as experiências vividas
E aquelas que nossos antepassados viveram

Em plena existência biocósmica
Homens-Deuses Construíram
Verdadeiras e falsas estruturas
Onde apoiaram-se em ruínas

Mas de nossa história
Ficaram profecias e lendas
Pirâmides de labirintos
Entre nossas emendas


Restando somente relíquias
Mas os espíritos que ali habitam
São os portadores da doutrina


Anônimo disse…

Saudade
Saudade não trás o amor de volta.
O amor é que trás a saudade.
Não há amor que compreenda
o tempo na sua realidade

Já não sei quanto tempo foi
E nem quanto tempo há
Só espero que com o tempo
a saudade que há em mim se vá

Lisyanne Ribeiro
Diego Santana disse…
Deslaço
Diego de Souza Santana
São José dos Campos SP

Triste deslaço,
O sonho foi guardado.
À espera de um abraço
Ou de um sorriso calado.

A promessa quebrada,
Feita em um momento errado.
A alegria um dia encontrada
É uma lembrança pontiaguda do passado.

Um dia seus olhos foram meu destino,
Seus braços meu repouso seguro.
Sua voz um som divino,
Onde eu estaria no futuro.

Mas há sonhos que não podem ser sonhados.
E há caminhos que não podem ser traçados.
por e-mail
*********************

Hoje acordei mais só
Mas do que ontem
Porque ontem
Sonhei anjo meu
Que você
Ia aparecer para me levar
Acordei no mesmo lugar
Anjo
Já que você não apareceu
Criarei minhas próprias asas
E voarei para bem longe
Para um lugar que eu te esqueça
A razão volte
E os devaneios desapareçam.

Lucy Araújo
por e-mail
*************

Uma lágrima escorria
em tua face,
um som angustiante
escorria dos teus lábios...
ouví estarrecida, louca,
tua voz...
Não te amo mais.
O amor não é amor?
amor não acaba...
flutua para sempre.
Viajará comigo...
Inteiro.

Dalva de Araújo
lucybolos disse…
Dia e noite
Quando acordo e durmo
Meus pensamentos me levam a você
Sai de mim!
Eu grito rouca pela manhã
Me deixa em paz, me sufoco...
Deito e levanto contigo
O amor ele pode ser forte
Tão forte quanto a morte
Mas o ciume é cruel
Se isso é amor que me mate logo
Se for ciume que pare de torturar
Se for os dois juntos
Que me deixem dormi em paz!
LUCY Araujo

SEM QUERER

aba uá
à flor da pele
abaujá
melodia de esfera
vazia noçao de estrela
sequestro de maracujá.
Acordou sem querer
sem profundo a abastecer.
Deus morreu em seus olhos
viu do ceu desfalecer.
Das folhas da terra
supriu-se a clorofila do brilho,
para um embulo de terra fria
a manter a morte
no norte de cada dia!

Bárbara Pinheiro
COM OU SEM VOCÊ
Carlos HN Barros

A matéria se forma
Gira o mundo
O tempo avança
Com ou sem você

A música toca
Escrevem-se livros
O discurso é proferido
Com ou sem você

A Verdade permanece
O Amor prevalece
A Vida floresce
Com ou sem você
LEGADO
Carlos HN Barros

Pergunta sutil
Em cada coração
Para que nascemos?
Questão crucial
Perturba a razão
Buscando, vivemos

Resposta simples
Atravessando o tempo
Só a encontramos
Quando, ao subirmos
A vida e o mundo
Melhores deixamos
lucybolos disse…
Hoje sei
Que não dá para esquecer
Uma pessoa que nos marca a alma
Apenas aprender a viver sem ela
Você imagina que o tempo vai passar
E ela vai desaparecer
Mas o seu emocional
Cria uma morada para ela
E o meu emocional
É um grande arquiteto.
Maria Vitória disse…
Torreão

Protegidos pelos muros de seu torreão
Você tem a vista privilegiada de cima
Não olha para baixo por medo de cair
Tem um único ponto de vista da cidade
Insiste em me dizer que é vantajoso
Pergunto com sinceridade
“Não vê que sua construção é frágil?”
“Não! Foi feito do mais caro tijolo”
“Mas seus alicerces são movediços”
Olha-me com espanto, em mim não acredita
“Aqueles à quem esmagou sem dó,
Com força se levantam, racham
Fazem seus muros tremerem, urrarem
Pode ser que não venham à ruina agora
Mas, de paciência e persistência se muniram”
Te digo enquanto você corre para dentro
Fecha a porta e sob mais tijolos se esconde
Italo Vaz disse…
Morrer Dormindo

Ser apaixonado por você é aceitar a derrota.
É não saber onde está o começo
É ir lá, e dar de cara com a porta.
É, por um motivo inexistente
E simplesmente é
E nem sei se é consciente.
É como flutuar na solidão e estar acompanhado,
Vagar pelas ruas ausente de ti
Sendo o mais jovem apaixonado.
É como estar apaixonado pela morte tranquila e serena,
Que é a morte gostosa de se encarar
E me mata aos poucos nessa cena.
Ser apaixonado por você é como morrer dormindo...
Um dia a gente não acorda
E a gente nem se percebe indo.

Italo Vaz
Italo Vaz disse…
Mesmo se for esse o fim,
Não me esqueça
E nem se afaste muito de mim.
Só me deixa um pouco de lado
Meio distante,
E me guarda empoeirado
Em sua estante.
E de vez em quando sinta saudade,
Que é pra fazer durar
Pela eternidade
O mais belo instante.
E nalgum dia de desânimo
Basta me lembrar,
Me aguarde
Que a gente vai se reencontrar.

Italo Vaz
O que é a alma das pessoas?
É o âmago do ser
Nunca aprisionado
Nem violentado
A alma de cada um
É a leveza de uma folha de papel
As nervuras da folha de uma árvore
Ou de uma pena leve
é uma pétala alva.
A alma de cada um mantém-se pura
Voa leve como um pássaro de asas longas
Procurando uma direção
Para que não se afogue
A existência
Nos atropelos da vida.
Rosário Carvalhal
por e-mail
**********

Noites de amor suave

De sussurros doces
De palavras mudas
De silêncios longos
Respiração profunda!
De abraço apertado
Atravessando o corpo
Aconchego gostoso
De dormir colado
E acordar feliz!

Noites inquietas
De amor insano
De paixão louca
De mãos em busca
Luxuria e prazer.
Noites de exigências
De corpos quentes,
De hálito em fogo
Ávidas bocas,
Beijos molhados!

Noites de gozo farto,
de dor nas entranhas!

Heloisa Crosio
por e-mail
*********

TUA MUSA

Teus poemas
Vertem
Sensuais

Desertam
Desejos!
Mas...

Sou tua musa
Teu abrigo
Tua paixão

Eu,
Sei.

Heloisa Crosio
por e-mail
*********

TUA MUSA

Teus poemas
Vertem
Sensuais

Desertam
Desejos!
Mas...

Sou tua musa
Teu abrigo
Tua paixão

Eu,
Sei.

Heloisa Crosio
crist disse…
Tarde da noite, você não chega...
Somente a saudade e o esperar,
os sonhos parecem mais distantes
pois o sono me tarda a chegar.

Noite longa, fria e inquietante...
Ouço apenas meu coração a pulsar,
a luz chega e o sono fica distante
sem que em seus lábios eu possa tocar.

Saudoso, espero as nuvens...
Vejo estrelas entre os sonhos passear,
desejo a vinda de ventos calmantes
pois sem você, o sono demora a chegar.

Todos dormem, todos sonham...
Somente eu não posso sonhar.
Preciso tanto do calor do seu corpo,
só você pode em meus sonhos reinar.

Cristiano Vieira
crist disse…

Desejo teu Amor...
Amor por Amor, aquele que vai além,
Amor que se renova. Amor que rejuvenesce
Amor que eu nunca senti por ninguém.

Amor que busca por ti,
Amor que não sabe se explicar...
Amor que não sabe por que existe
Amor apenas, apenas amar.

Amor nasce, cresce. Transformador...
O amor em carne e a carne em amor;
chora, sorri e adormece...
Amor por você, será sempre Amor.

Amor, já tens um nome,
É Amor de verdade, é sonhador...
Amor. Escolhestes bem o teu nome
Amor eterno, eterno Amor.
CAMINHANDO

Eu caminho só
Enfrentando o pó,
A palavra dó
No meu peito é nó.

Eu busco até
Encontrar a fé,
Chamam-me Zé
De calo no pé.

O mundo dá
E a gente má
Carrega na pá.

Você vem vindo
Eu vou indo
Mas não chego lá.

Alice F. Morais
POEMARGEM disse…
31

Um momento
Que olhando o firmamento
Se melhora e se sabe
Vivendo agora antes que o dia acabe
Esquece dos anos
Um momento que temos planos

Na verdade
O momento que tenho saudade
É da verdadeira vontade
De bater àquela porta
A chave dar a volta
E ver-te ali
Pronto para mim

Um vinho e camisa branca desabotoada
Cheio de esperança (por que me esperava)
Abraçando a ideia de casar as almas
Com medo que
A felicidade apague a luz...



Rosana Griloni
eduardo alves disse…
Escreve...escrita!
Edu Lima.


Papel, lápis, caneta...
escreve mão,
conta tudo, escancara...
abre o coração.

Fala com a escrita...
conte tudo que pensa,
pois a palavra é infinita...
jamais se arrebenta.

Abre suas asas...sem medo,
voa alto cidadão...
com coragem...sem receio,
livre na imensidão.
EU E VOCÊ

Eu e você,
Somos como o sol e a lua,
Fico sempre olhando o céu
Para ver a imagem sua.

Eu e você,
Somos iguais a dois passarinhos,
Se você vai passear
Só, eu não fico no ninho.

Eu e você,
Respiramos o mesmo ar,
Fomos feitos um para o outro
Fomos feitos para amar.

Alice F. Morais


Victor vitoriano disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Victor vitoriano disse…
EM UM INSTANTE

Apareceu, não pediu licença,
De penetra, não ligou para a sentença,
Em tão pouco tempo soube dominar,
Com um jeito doce, um brilho no olhar.
Mesmo de longe foi possível te sentir,
Calafrio quente finalmente pôde sorrir.

Um encontro fora marcado, um dia inteiro ao seu lado,
Quando menos imaginara, ali eu estava apaixonado,
Não queria dizer adeus, por muito tempo te procurei,
Mas quando menos esperei, encontrei.

Em poucas palavras tentarei ser expressivo,
Encontrei-te em meio a tantas por algum motivo,
De qualquer forma, chegou para ficar,
Dentro de você há espaço para amar?!

Vito Di Gasperi
Anônimo disse…
Poema da certeza incerta

Não que eu seja exigente,
Não que eu seja simples.
Não que eu seja aberto,
Não que eu seja fechado.
Não que eu seja omisso,
Não que eu seja presente.
Mas me diga ai:
tens certeza da duvida,
ou escurecer para clarear?
Então espero para adiantar
e finalizo pra continuar.
Resumindo, com certeza:
Sei lá, entende?


Mateus Araujo
Anônimo disse…
Lipograma abusado

Já chego faltando algo, como futebol sem chutar,
Como casa aberta sem porta, e não ter vento no mar...
Soa normal, mudado ou alterado
Esta cara de letras mostrar?
Pergunto ao atento antenado:
O que é que faltou neste texto,
E como se chama essa forma de letras jogar?

Mateus Araujo
Ruth Hellmann disse…
BOMBEIRO VALENTE

Homem bombeiro
Soldado valente
Herói verdadeiro
De muito acidente.

Não importa o fogo: destemido,
Trabalha sem esmorecer.
Se tiver alguém ferido,
Bem sabe o socorrer.

Bombeiro varonil,
Sua força e talento
Fazem-no mais gentil
E sempre muito atento.

Ruth Hellmann
Caroline Policarpo Veloso disse…
Texto para uma lápide

Jaz aqui um poema
Um destes muitos nunca escritos mas pensados
Um destes tantos derrotados já no berço.
Esta página foi berço
E agora é sepultura
(Joguem terra, se quiserem,
mas não esta terra impura.)

Caroline Policarpo Veloso
Carolina Rieger disse…
É noite de lua
Rasgando as nuvens
Rasga também o meu peito
Eu nem tento, não deito
É noite de lua
Eu vou andar pela rua
Com meus pensamentos
Eu, simplesmente, aceito!

Carolina Rieger Massetti
Guacira Maffra disse…
Conduzindo

Meus olhos não esquecem
O brilho que encontrei nos seus.
A vida dura amenizada
Pelo amor que seu coração emanava.
Meu coração antes solitário
Agora sua companhia possui.
Serei sempre sua, meu amigo,
Pois só o amor me conduz.

Guacira Gonçalves Maffra
FÁBIO FERREIRA disse…
PARTE DA PARTE

Alma gêmea
que me completa
ao entardecer
me faz apaixonado
e delicado
me faz engrandecer
tudo que é lua
vou pra rua
encontro-te nua
como sol
viro a esquina
penso como o grão mol
de sua existência é pérola matrimônio: só ti mais rico patrimônio!
FÁBIO FERREIRA disse…
MOMENTO

Um instante
Uma lembrança
seu retrato
na estante
era minha época de bonança
entre beijos e abraços
contigo vivia
hoje a gente se distancia
estou em pedaços
e tudo que era festa
hoje nenhum um minuto resta
para voltarmos atrás...
Anônimo disse…
Lorena Guimarães

A tinta

De próprio punho escreveu
A alegria que assombrava
Daquele dia de ontem
Agora mais nada restava
A tinta que borra o papel
É feita de realidade
Hoje escreve com sangue
A lágrima que no peito bate

Lorena Guimarães
Ione Carla Costa disse…
Agora

Toma-me agora, como queria antes
Beija a minha boca
E sussurra palavras desconcertantes.

Sacia a fome do meu corpo
Como descobre um diamante
Na cadência de seus movimentos
Serei sua amante.

Respira meu sopro
Com olhar de iniciante
Abraça-me forte
Com o cuidado de principiante.

Sinta o tempo futuro
Calmo. Ingênuo. Ofegante
Antecipando o tempo
Espero-te neste instante.

Ione Carla

ITINERÁRIO

Faço o meu percurso diário
Geralmente indo e vindo de ônibus,
Quase sempre cheio, ou melhor, lotado...

Mas, mesmo assim, consigo observar pelas janelas:
O grande engarrafamento,
O corre-corre freqüente,
O entra e sai nas lojas,
O vai e vem apressado das pessoas no breve espaço do cotidiano...

Aprecio a nossa tipografia
Desenhada pela geografia da Natureza...

Vejo o desenvolver da filosofia de cada um
Impressa em cada passo dado, em cada rosto suado,
Em cada ação que o tempo encarregará
De registrar em suas páginas!

5.4.12

TECENDO A VIDA

Tecendo:

Nas entrelinhas apertadas do tempo,
Nas constantes curvas do dia a dia,
Na superação das provas e dos obstáculos...

Com alegria, sabedoria,
Bondade, Amor, auto-estima,
Atravessando a areia movediça
Que somos obrigados a enfrentar...

A cada encontro e desencontro,
A cada chegada e despedida,
De canto a canto, de gole a gole,
De tijolo a tijolo, de letra a letra,
De ponto a ponto, de traço a traço,
De fio a fio...

Tecendo a vida passo a passo
Nesse nosso breve espaço de existir!

10.4.14

Jean Carlos Gomes
Volta Redonda - RJ
olhovivoca.com.br

valeska cabral disse…
MAR DE PEDRA
Brisa no rosto
Olhar embalado pelo vai e vem das folhas
Notas musicais plainando por toda parte
Onde está a água do mar?
Embarcações inertes, atoladas decoram a paisagem.
É bonito de ver... É certo,
Não tardarão, as marolas soarão
Avisando que o mar tá voltando
Para ser a moldura de todas essas sensações
Guardadas aqui no mar de Pedra de Guaratiba.
(Valeska Cabral)
Anônimo disse…
Sinais poéticos

Dúvidas de sempre:
Onde se colocam a vírgula e o ponto
No texto poético quase pronto?

No fim da palavra ou da ideia?
Ou dentro da palavra, dentro da veia?

Quem mesmo fica com os sinais poéticos:
As falaciosas palavras ou as ocas ideias?
E onde é que está a poesia:
Na letra ou no espírito?

Mas disso sei: a palavra põe a nu
O que o nosso espírito desnuda.

Por: Dany Wambire
Anônimo disse…
Bom poeta

Duvido-me poeta
Pelo uso de tanta palavra
Escuso-me a ser camponês
Por precisar de tanta semente na lavra.

Por: Dany Wambire
valeska cabral disse…
GIRASSOL
O Sol que gira em torno do Girassol
No campo amarelo de ouro vegetal...
A cada segundo cresce,
Busca altura central
E chega ao fogo amarelo
No mais alto pedestal.
Gira, gira o Sol... Que adorna o Girassol
Que como espelho faz-se, a lhe refletir
E a cobrir vastos campos de luz
E no sorrir, chegar ao campo triste na distância...
O Sol que gira
Em torno do ouro vegetal
No fogo do horizonte
De Girassol...

Valeska Cabral
Marcio Lima disse…
abotoadura

tua mão
na minha
meu amor
no teu
abotoadura
logo se
rompeu
me deixaste
nua
e nos braços
teus
minha parte
é tua
teu pedaço
é meu

Marcio Lima
Luciana Lima disse…
Retórica.

Quando o encanto acaba?
Quando as nuvens se dissipam?
Quando um abismo se abre?
Quando a noite chega?
Quando o rouxinol cala seu canto?
Quando os olhos se abrem?
Quando um sorriso se abre?
Quando o silêncio raso se torna profundo?
Quando o mel se torna fel?
Quando o segredo se revela?
Quando o que é quente se esfria?
Quando o mundo acaba?
Quando o sono se torna sombrio?
Quando tudo se acaba?

Luciana Lima
Luciana Lima disse…
Vento.

Quando o vento bate
O Ipê chora
Derramando lágrimas coloridas
Pelo cerrado
Deixando tudo mais bonito.
Vento que leva semente
Vento que refresca a gente
Vento que denuncia a chuva
Vento... só o vento...

Luciana Lima.
por e-mail
*********************

Dedicação

Naquela tarde
Encarnou-me o poeta
Que te admira,
E regurgitei palavras por ti
Desfiando sobre a vida
Enquanto o querer tão contente
Desmanchava o fracasso da espera.
Mas abateu-me que todo sonho
Pode ser verdade
E acalmei meu coração
Ouvindo tua cantoria morna
Enquanto acompanhava-te
Toda esquina com aquela
Dedicação carregando meu ser.

Gabriela Claudino
por e-mail

****************

O vôo

Aquele pássaro,
Cabisbaixo e amoroso,
Que choroso sempre
Corria às minhas mãos, sumiu.
Canções, desespero, arrependimento,
Nada é suficiente,
Bastou um descuido
E infiel ele mergulhou nesse céu.
E que dor esse vôo causou!
A brincadeira acabou
Mas nem o amor permaneceu,
Pois ele criou asas
E descobriu algo melhor que eu.

Gabriela Claudino
Marcos Nascimento disse…
OLHAR

Não olha para mim assim

Porque assim você me desconserta

Mexe comigo e faz com que minha vida

Se torne uma festa

Não olha para mim assim

Porque não suporto tanta beleza

Que mesmo com a pureza deste olhar

Me faz te desejar

Tua boca beijar

Tua pele tocar

Em teus braços estar

Para a noite inteira poder te amar.

Marcos Nascimento
por e-mail
******

Química de pele

Palavra palpitante
beleza inóspita, desconcertante
vento varrendo aromas e dilemas
perfume delirante.

É tua chegada
É partida apressada
É noite caída, perdida
Luz artificial, rua iluminada.

A insegurança em um lugar sereno
sorvidos juntos, vinho e veneno
paz ensurdecedora
Morte em leito ameno


charlene frança
Caroline Policarpo Veloso disse…
Escute

Achei os versos que te pertenciam
Da ponta de meus lábios escaparam
Cá encontrei-os, roube-os num beijo,
Hei de fazer-te ainda muitos outros.

Beija-me, amado, não tenhamos medo,
Depois da noite escura o dia sempre clareia.
Mesmo que não, que nos importa se podemos
Na escuridão transar e fazer versos?
Anônimo disse…
Armistício

Minha atiradeira em repouso,
funda calada, assim estou
de espada embainhada na pedra.

Sem pecados, na infância,
estilhacei a primeira vidraça
coquei, em pomares alheios,
aturdidos Golias diversos.

Mas em tempo de monções e mocidade
brandi Excalibur por malogradas cruzadas
fiz guerra ao mundo e, por um triz, não me atirei
nos abismos psíquicos, às substâncias.

Hoje, cansado de brigar
batalhas improváveis, deponho minh’alma
em tributo á glória de homúnculos
guerreiros comuns do cotidiano combate contra a vida.

Francisco Ferreira
Anônimo disse…
Mãe-d’Água

O céu anoiteceu de lua
gorda, grande, redondosa
destas de enlouquecer
cachorros e namorados,
de tão grávida de luz.

Estradas brilham.
Brilham rios e ribeiras
ladeados de pescadores
que sonham Iaras, entre barrancos.

Meu amor enlaçou-me
em tarrafas e feitiços de carinhos.
ando assim, tão lambari,
mergulhado em seu leito de linhos, lycras e chitas.

Peixe preso no aquário de suas ancas, navego-lhe.

Francisco Ferreira
Laila Mauro disse…
PÁTRIA AMADA

Livre e ético
Eu te quero Brasil
Para te admirar.

Quero teu povo diferente...
Saudável para viver mais
E melhor.
Seguro para ir e vir
Por tuas ruas a sorrir.
Educado na sabedoria
De tua pluralidade cultural.
Desenvolvido sem a opressão
Do capital que faz a gente infeliz.

Coerente e justo
Eu te quero Brasil
Para mais te amar.
(Laila de Mauro)
Lugar

Caminho na manhã menina
Meus passos se confundem com meus sonhos
Já nem sei por onde quero andar,
Serão meus olhos esses tão tristonhos?
Acorda o céu com raios de calor
Viaja longe o pássaro sozinho
E eu o que faço nessa paisagem?
Será este o tal do meu caminho?
Oh! Manhã tão singela e pura
Revestida de mistério e véu
Ocupa minha alma, já tão distraída.
Zenaide Abati
Zenaide Abati disse…
Lugar

Caminho na manhã menina
Meus passos se confundem com meus sonhos
Já nem sei por onde quero andar,
Serão meus olhos esses tão tristonhos?
Acorda o céu com raios de calor
Viaja longe o pássaro sozinho
E eu o que faço nessa paisagem?
Será este o tal do meu caminho?
Oh! Manhã tão singela e pura
Revestida de mistério e véu
Ocupa minha alma, já tão distraída.
Zenaide Abati
Morena, pele de cuia,
dos olhos fundo de poço,
assim, vai parar na tuia
o coração deste moço!
Timóteo Pernas disse…
Pela mão da luz dos céus
O sol nasce todos os dias
E as águas correm para o infinito.
Os montes declamam sua glória
E os céus destilam seu orvalho.
Os cumes bramam
Nas entranhas do infinito
E a terra louva e grita
Um cântico de adoração.
Onde está aguilhão a tua glória
E o manto do infinito
Pede desejos à lua, Prados
Verdejantes entoam uma canção
Que o som será quebrantado
Nas Areias do Infinito.
Timóteo Pernas disse…
Agem da Alma,Porque despertar
E teimas em carregar contigo
Não sei o quê?
E te chamas vaidoso
Por breves instantes, porque
Simplesmente estavas ciente de ti.
Porque ris à gargalhada
E não podes ficar contrito...
Sai, desaparece e volta
Para onde estavas,
Não te escondas mais
Sê quem tu realmente és.
Nem que tenhas que afastar
Tudo o que ainda não sabes
Ou que ainda não viveste.
Cris Dakinis disse…
JARDIM

Tu és jardim.
Não o Éden ideal,
mas seleção natural
da obra divina...
Em meio às cores
de teu solo
há braçadas cheias,
aquecendo o perfume
chuvoso e fresco
de lavandas risonhas:
as mesmas que enfeitam
teus cabelos de anoitecer.


(Cris Dakinis)
Cris Dakinis disse…
A ARTE DO ENCONTRO

A vida em seu compasso itinerante
quando floresce azul ao meu encontro,
traz devaneios que sempre demonstro
na boemia de um eterno amante.
Em meu trilhar de paixão delirante
há mil tropeços com que me defronto:
Fumo de névoas, e eis o desencontro,
sinalizando um contraponto errante.
Verso e reverso que a humanidade
procura controlar... - Desavisados!
Todo encontro leva à eternidade...
Mas desencontros foram inventados,
que na ampulheta da efemeridade,
raros encontros são predestinados...

(Cris Dakinis)
Aluízio José Torres disse…
Eu vou indo embora
Ja está na hora
Porém está frio lá fora
E me vem lembranças
Lembranças de ti
Queria ter você aqui

Queria ter o seu perdão
Para conter a minha solidão
Mais isso só passa de ilusão
Pois não haverá o perdão

Eu via no seu olhar
O brilho que jamais pude imaginar
Que veio a me fascinar

O nosso tempo não volta
E minha escolha já não posso mais mudar
O destino nos aguarda
Pois agora só me resta esperar.

Aluízio José Torres
Zenaide Abati disse…
Desencontros
Onde foi que nos perdemos um do outro?
Onde estavam tuas mãos que não com as minhas
Onde foram teus caminhos que distante
De minha vida e meu carinho tu caminhas?
Só perguntas sem respostas vão ao vento
Toda a hora, todo instante sem alento
Se te espero, fico só a lamentar
Se te busco, não consigo te encontrar
Desencontros são presenças nesta vida
Espero a outra pra quem sabe te abraçar
Juntar tuas mãos e curar minha ferida
Meu coração que não para de sangrar.

Zenaide Abati
SEXTILHA AO TEU CHEIRO

Do cangote tu fez a arma
Que me dominou tão ligeiro
Sem tempo pra esconderijo
E nem pra sentir desespero
Eu fui mantido sequestrado
No cativeiro do teu cheiro

(Jefferson Moraes)
Nos arames da saudade

Eu entrei em teu terreno
Como quem não queria nada
Aí passei uma temporada
Juntinho a ti, vivendo...
Mas, tive o desalento
De ver que você mudou
Seu desprezo me empurrou
Pra eu cair sem piedade
Nos arames da saudade
Que meu peito se enganchou

(Jefferson Moraes)
lucybolos disse…
Existe cura interior?
Quem pode me dizer
Se existe um remédio que amenize
Os sintomas de uma alma ferida?
A alma doí
o coração chora
O vazio no meio do peito
Alguma coisa falta
Não chores minha alma
Espere um pouco
Procurarei
Um especialista para ti.
wanderley jeremias disse…
QUASE SEMPRE

Quase sempre alguma coisa,
as vezes quase sempre tudo.
quase sempre as vezes nada.
As vezes quase sempre fogo,
outras vezes sempre água.
Quase sempre puro ódio,
as vezes sempre quase amor.
Quase sempre é prazer,
outras vezes sempre dor.
Quase sempre muito macho,
outras vezes nem tanto.
quase sempre muito humano
muita vezes sempre estranho.

Wanderley Jeremias
por e-mail
*****************

Ainda lembro
Daquele tempo
Vivendo sempre á pensar
Das idas e vindas que a vida pode dar
Sem rumo e sem direção
Seguindo o caminho do meu coração
Buscando encontrar a razão
O tempo não volta
Mais nossas escolhas podemos mudar
Basta ter coragem
E lembranças pra guardar.

Aluizo Torres
Amanda Nirag disse…
Partindo

Uso roupas de bolsos
Dois bolsos são suficientes
Para levar todas as minhas riquezas...
Alguns bilhetes de amor
Algumas fotografias
Alguns números de telefones
A carteira de identidade
Umas moedas para o dia de hoje...
Todo o resto da bagagem
Levo dentro do coração!

Mara Garin
Amanda Nirag disse…
Liberdade!

Tenho um deserto
Um vendaval
Campo de lavandas
Raios de sol
E algumas estrelas
Tudo solto dentro de mim...
Sou livre de dentro pra fora!

Mara Garin
Tainá Garrido disse…

Junho

Lá vem junho de fininho,
Olha só quem vem chegando,
É João? É José? É Pelé?
É a copa do mundo,
Com muito samba, gingado
E bola no pé.

Tainá Borges Andrade Garrido
Tainá Garrido disse…
Junho

Lá vem junho de fininho,
Olha só quem vem chegando,
É João? É José? É Pelé?
É a copa do mundo,
Com muito samba, gingado
E bola no pé.

Tainá Borges Andrade Garrido
Michael Sales disse…
Piedade

A casa do quarto amarelo
é o sítio da piedade;
não tem idade;
nem vaidade;
a casa do quarto amarelo.
O cachorro preto é esta piedade;
rosnando para o nada.

Michael Sales disse…
Mataram o Sebastião
Mas ele vai voltar
Na guerra ou em vão
Sebastião é Sebastião
Salgado ou não.
lucy Coelho disse…
Clarão de raio no céu
Trovão que barulhão
Chove forte
Goteiras dentro de casa
Baldes espalhados no chão
Toda chuva é isso
Já até perdeu o colchão
Mas está tudo bem
Pois mesmo na simplicidade
A abundância de carinho
Falta telha, falta colchão
Gás? Comida na lenha
Nunca falta o arroz e feijão
Pode faltar o bem material
Mas há prosperidade na união
Esse pai corre atrás
Essa mãe na faxina
Os cinco filhos
Dependentes da bolsa família.
Lucy Coelho
lucy Coelho disse…
Amor e ódio
Se fundem
Aonde o ciúme predomina
A razão se perde
E não existe perdão
Passa na hora
Mais o ciúme está ali
Mais forte que o amor
É o desejo de ser único
Faço do meu amado o meu sol
E giro ao redor dele
Mas o meu sol
Gira em torno do seu próprio eixo
Brilha do outro lado do mundo
Nunca brilhou para mim.
Lucy coelho
Lis Aiperi disse…
Autora: Lis Aiperi

VERSOS NA NEBLINA

Escrevo, escrevo...
E meus versos são trocados,
São perdidos, espaçados..
Para fazer pensar que os ler.

Que neles depositem seus bens,
Os males que lhes convêm
Ou ainda, dádivas que se tem.

E vê se percebes
Um vestígio de tristes palavras,
Que nas nuvens se perderam,
Ou envelheceram de tanto esperar
A emoção dos que não as querem amar.

Pois estes versos já não me pertencem...
Estão presos á uma corrente,
Na alma, na neblina ausente.
Lis Aiperi disse…
Autora: Lis Aiperi

TORCER DAS LEMBRANÇAS

Que mistérios circundam minha vida?
Ás vezes descubro-me em livros.
Palavras mergulhadas no mel embalsamado,
Envolto por amarras, no brim de esperança.

A vida em criança,
Parece brincar de esconder com meus anos.
Tecer de livre engano.
Engano de não querer ser.

Quem sabe eu possa ainda me perder
No colorido som de minhas ânsias,
No misterioso torcer das lembranças.
Maria Vitória disse…
(Sem Título)

Já tomei remédio para dor
Esperei, esperei e espero
O ócio instiga curiosidade
Já li a bula, o lote e a validade
Mas não achei a explicação,
Não explica a persistência
Onde fica o sofrimento?
Na cabeça, corpo ou coração?
Não é física, dor inconsistente
O nome deve ser sentimento

Maria Vitória
Felipe disse…
Brilho da paixão

Lua de prata que brilha sem parar
Reflete seu rosto no azul do mar

Navego entre troca de olhares
Na busca de teu amor encontrar
Enfrento tempestade e trovões,
Não posso viver sem ouvir tua voz.

Te amo, te amo tanto
Que não consigo te esquecer
Apenas te digo que sou louco por você.

És minha rainha, meu bem-querer
Alegre meu coração
Liberte-me deste sofrer
Pois minha paixão é você.

Felipe Costa Sena da Silva
Felipe disse…
Musa

Rosa dos ventos sem direção,
Seu sorriso, seu olhar, sua voz,
Derretem meu coração,
Tudo fica sem cor,
Meu mundo perde o foco,
Em um cenário mágico,
Onde o protagonista é o amor.
Um lago cristalino,
Escorre dos meus olhos,
Iluminando aquela cena,
Como um flash de emoção ao badalar de um sino,
Que belo romance, um beijo de cinema!

Felipe Costa Sena da Silva
Raylane Souza disse…
Canção

O canto do pássaro ao longe
Corroendo o coração
A poesia da canção
Desbravando meu peito
Canta a voz e o tambor
E dentro de mim corre o sangue
Sobre a ferida aberta
A lágrima quente que não seca
Porque se foi... Ó céus
Levou de mim a alegria
a dor é minha única companhia.

Raylane Souza
Raylane Souza disse…
Luz

Uma chama me invade, e queima sem cessar...
Sinto dentro de mim um vazio,
o gosto amargo da solidão.
No meu mundo sozinho, projeto o sonho se uma vida iluminada
Mas tudo que vejo, é escuridão.
O sol soberano e majestoso,
já não divide comigo sua luz
A lua me ignora
Que farei eu então?
Viver de sonhos, ainda é uma opção?
Tenho medo do escuro...

Raylane Souza
por e-mail
.........


Você me deixou

Sem olhar pra trás
Caminhou em outra direção
Esquecendo do meu amor
Deixou-me na solidão

Vivendo na angústia
Não sabe da minha dor
Sofrendo desse drama
Porque odeia,quem tanto ama.
***************************************
A Garota Perfeita

Aqui neste lugar estou a te esperar
Oh!garota perfeita...
Foi por você que fui me apaixonar.
Amor sinsero,dedicado
Causando dor em alguem que um dia tambem foi amado.
Oh!garota perfeita...
Que não se lembra de mim
O meu amor por você nunca teve um
fim.
Você se foi,me deixou aqui,neste
lugar escuro, onde espero um dia
você voltar pra mim...

(autor: Wesley Jose Rodrigues Pio)
por e-mail
.........


Você me deixou

Sem olhar pra trás
Caminhou em outra direção
Esquecendo do meu amor
Deixou-me na solidão

Vivendo na angústia
Não sabe da minha dor
Sofrendo desse drama
Porque odeia,quem tanto ama.
***************************************
A Garota Perfeita

Aqui neste lugar estou a te esperar
Oh!garota perfeita...
Foi por você que fui me apaixonar.
Amor sinsero,dedicado
Causando dor em alguem que um dia tambem foi amado.
Oh!garota perfeita...
Que não se lembra de mim
O meu amor por você nunca teve um
fim.
Você se foi,me deixou aqui,neste
lugar escuro, onde espero um dia
você voltar pra mim...

(autor: Wesley Jose Rodrigues Pio)
Unknown disse…
CADARÇO

Mamãe
Amarre meu cadarço.
Sei que já me ensinou
Mas inda me embaraço.

- Passe um cordão por cima
E o outro por baixo,
Trance-os por dentro,
Junte as pontas
E faça um laço.
Tente denovo meu filho.
Se não conseguir, eu faço.

Nome: Marcos Bubach
Unknown disse…
SONETO DE NATAL

Serena nas últimas manhãs
O inverno cristaliza as maçãs
Prevalece o amor nos corações
Sintonizados nas orações

Lareira. Meia pendurada
Presentes. Árvore enfeitada.
Em meio ao espírito de luz
Resplandece o menino Jesus

Pela data, unidos à mesa
Guirlanda, ceia, vela acesa
Pedidos feitos num recital

Abraço fraterno, união.
Família reunida em comunhão
Noite feliz, dia de Natal.

Nome: Marcos Bubach

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.