Casamento X Amor - por Hilda Curcio


            A primeira vez você nunca esquece, mas a segunda é uma sensação triste de burrice, decepção, fracasso, condenação. Sim. Auto-condenação à idiotice eterna. Todo homem trai. É uma constatação. O óbvio.
Fui traída mais uma vez. Que ódio! “Odeio você!” (Grito.)
- “Não traí você. Não tenho culpa. Não sou culpado!” (Outro grito.)

           Ambos os gritos (o meu e o dele) ecoam no nada, no oco. Eco. Eco em meu cérebro, em meu coração, em mim toda. Melhor assim, porque traição é tudo a mesma coisa. E aprender número ordinal é para isso mesmo – poder contar traições, maridos, amores...
           Dois. Primeiro e segundo marido, primeira e segunda traição. Primeiro e segundo... (Amores? Tentativas? Buscas? Fracassos.) O terceiro, não. Ainda não existe o terceiro marido..., a terceira traição. Mas eu já sei contar. Vai haver? Marido? Traição? Amor? Sim. Apenas uma vez. Aprendi os números à força. Odeio Matemática.
Homem também é mulher.
Mulher também é homem.
Humanidade.
Vasculhe um dicionário. Agora!!!)


Hilda Curcio (26/10/2005)

Comentários

Anônimo disse…
rsssssssssss... genial!!!!!
Lucas Santos
Hilda Curcio disse…
Lucas, você me parece exagerado, mas muito gentil. Gratíssima.
Cris Dakinis disse…
Texto enxuto, muito bom.
coisas da humanidade mesmo...
Parabéns, Hilda Curcio!
Hilda Curcio disse…
Obrigada, Cris, palavras superelogiosas, abraços, tudo de bom.