Poemas de Vieira Vivo na Itália - Lançamento do livro A VIDA NOVA ( La Nouva Vita)

Poemas de Vieira Vivo na Itália


Lançamento do livro
A VIDA NOVA
La Nouva Vita

Francisco de Assis Nascimento
Giovanni Campisi
Vieira Vivo

Edizioni Universum
72 páginas - capa brochura
adquira o seu diretamente com o autor



Prefácio, por Cláudia Brino

A presente tríade poética A Vida Nova se divide em três partes distintas, mas que se unem para celebrar a vida em suas várias vertentes. A antologia se destaca por conter em um único triângulo emocional a diversidade e a abrangência criativa demonstrada por cada um dos poetas aqui publicados.
Através destes  três ângulos observamos em “O Ciclo das Estações “, a natureza oferecer sua majestade sobre os dias em pinceladas sutis na presença de versos como:
O tempo passou./ Realidade. Verdade./ A vida finou. – Podemos captar esses pequenos poemas de Francisco de Assis Nascimento, que compõem a primeira parte do livro, em forma de doses diárias, como as estações que marcam nossa vida em um iniciar e fechar de ciclos eternos. Depois, em “Mãe em Gravidez”, adentramos em um mundo emotivo através do diálogo sugestivo, quase um cântico, entre mãe e filho. É a gestação aclamada em uma conversa singela, repleta de envolvência. Em um único poema longo dividido em pequenos suspiros numéricos o poeta Giovanni Campisi coloca versos que se dilatam diante dos olhos do leitor: Eu sou teu filho/ Que pulsa dentro do teu ventre/ E ainda está nos braços de Deus. A terceira parte “Dentro de Mim – O Encanto da Vida”, que fecha o livro, envolve o leitor em labirintos interiores da trajetória humana em versos costurados pelo poeta Vieira Vivo, como encontrado no poema Catarse:  Em momentos na força me lanço/ jogado puro e louco no mundo.
Todos os poemas possuem o mesmo elo: a existência; esse período que cada ser tem e que é repassado aqui através de considerações poéticas sob três olhares masculinos.

O projeto de organização, tradução e edição desta antologia a cargo de Giovanni Campisi deve ser aplaudido e louvado, pois é um exemplo na divulgação de poetas independentes, além de destacar a importância da difusão cultural entre os povos.




Prefazione, per Cláudia Brino

Questa triade poetica La Nouva Vita si divide in tre parti, diverse tra loro, ma, unificate, celebrano la vita nei suoi vari aspetti. La trilogia si distingue perché contiene in un unico triangolo emotivo la diversità e la copertura creativa dimostrata da ciascuno dei poeti qui rappresentati.
Mediante queste tre angolazioni osserviamo ne “IL Ciclo delle Stagioni” la natura offrire la sua maestosità ogni giorno con tratti sottili raffigurate da lince come: Il tempo è passato. / Realtà. Verità./ La vita è finita. – Siamo in grado di prendere queste piccole poesie di Francisco de Assis Nascimento, che costituiscono la prima parte del libro, sotto forma di diario, come le stazioni che segnano la nostra vita con un inizio e una fine in cicli eterni. Poi, in “Madre in Dolce Attesa”, entriamo in un mondo emozionale attraverso il dialogo suggestivo, quasi un cantico, tra madre e figlio. La gravidanza è acclamata con una semplice conversazione piuttosto coinvolgente. In un unico poema, suddiviso da piccoli sospiri numerici, il poeta Giovanni Campisi, pone versi che si dilatano sotto gli occhi del lettore:  io sono tuo bambino / che dentro al tuo grembo / Pulsa ed è ancora nelle braccia di Dio. La terza parte, “Dentro di me – il fascino della vita”, che chiude il libro, coinvolge il lettore con labirinti interiori lungo il cammino umano con versi ricamati dal poeta Vieira Vivo, come si può rilevare nella poesia Catarse: A volte, con forza, mi lancio/ in un gioco, puro e folle nel mondo.
Tutte le poesie hanno lo stesso leitmotiv: l’esistenza; questo periodo che ogni essere dispone e che qui è rivissuto mediante le considerazioni poetiche di tre visioni maschili.
Il progetto organizzativo, la traduzione e l’edizione di questa trilogia è a carico di Giovanni Campisi e dovrebbe essere applaudito e lodato preché è un esempio di difffusione dei poeti indipendenti, non ché di evidenziazone dell’importanza della diffusione della cultura tra i popoli.

Traduzioni: Giovanni Campisi

Comentários