Pular para o conteúdo principal

FRAGMENTOS DE UMA VIAGEM (E KAFKA) - por EMANUEL MEDEIROS VIEIRA


Fiz uma bela viagem pela Europa durante 20 dias.
Mas não pretendo escrever um relato turístico. Mas captar alguns aspectos da peregrinação.
É claro: a gente sempre cresce em qualquer viagem.
Vemos que o mundo não se reduz à nossa “paróquia”, ao quintal da nossa casa, e a viagem aumenta e amplia a nossa visão do universo.
Não. Não falarei em Lisboa, Paris, Londres, onde também estive.
Mas queria meditar sobre o contraste entre perversidade e beleza.

Superficialmente, falo de Franz Kafka (1883-1924), autor seminal, premonitório, “possuído”, que vivendo apenas 41 anos pareceu profetizar tudo, e é autor fundamental para entender a modernidade.
Ela captou a desumanidade de um mundo, a degradação do ser humano, a perversidade da burocracia e da justiça, e foi muito além disso.
Falou-nos sobre a solidão do homem.

Na belíssima cidade de Praga, longe do roteiro turístico que quase todo mundo realiza, quis visitar o antigo cemitério judeu da cidade, onde está o túmulo do autor.
Fui à sepultura, depois de visitar um campo de concentração, perto de Berlim (Sachsenhausen).
Como verbalizar? Dizer que foi impactante? É pouco. Que parece inacreditável? Falar da brutalidade mais extrema que o homem pode cometer contra o próprio homem?
Eu sei. É pouco, muito pouco.
E como imaginar que uma cultura que gerou (na Áustria e na Alemanha) Mozart, Beethoven, Haydn, Hegel, Kant, Thomas Mann, Goethe, Schiller e tantos outros grandes humanistas pode ter gerado a monstruosidade do nazismo?
Como?
E saindo do campo – pensando em todos os pés que ali pisaram, em tanto sofrimento de tantos seres humanos – escutei o canto de um pássaro.
Dias depois, em Viena, assisti a um concerto em que era “tocado” Mozart, e havia um violino belíssimo.
Beleza e crueldade.
(Revisei também a linda cidade Bruges, na Bélgica, e Dresden, cidade barroca alemã, completamente destruída na Segunda Guerra Mundial.)
O que me resta dizer? Quem sabe, cair num necessário lugar-comum: é preciso lutar diariamente para aumentar a taxa de dignidade humana, num mundo carregado de violência, brutalidade e de individualismo. De profunda desilusão e de medo. E que cada um deve fazer a sua arte? É pouco? Sim.

Mas é o que nos cabe.

Comentários

Anônimo disse…
muito bom seu texto emanuel
juvenal baptista
Cris Dakinis disse…
Pois é... É o que nos cabe!
Os "humanistas", mesmo esses gênios citados eram serem humanos, não necessariamente humanitários... Os nazistas? Desumanos. E assim caminha a humanidade. Gostei de tuas reflexões; belo passeio que fizeste na Europa, de proveito. Boa crônica também :)
Não conhecia nada de Emanuel Medeiros Vieira, porem o seu "Fragmentos de Uma Viagem (E Kafka) me revelaram um autor agradável de ler, por sua cultura, sua forma objetiva e simples de dizer grandes e eternas verdades e de expor a sensibilidade tocante e arguta de nobre alma.Obrigada pelos momentos agradáveis. Mariza C de C. Cezar

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.