Pular para o conteúdo principal

A CONTA - por Luciano Marques - (Prosa Capirira)

                                                                               

- Tarde, seo Warte!
- Tarde!
- Bão?
- Bão!! E ocê?
- Uai, bão, tamém!
- Seo Warte, põe um gole daquela margosa aí pra nóis!
- Hum... Da branca ou da Amarela, Nerso?
- Pó pô da amarela, que é pra amaciá o estrâmo. Ô seo Warte?
- Fala, home!
- E as venda, tá boa?
- Tá boa? Taboa é o que dá no brejo, sô! Por que que ocê tá perguntâno?
- Uai vóooooorta! Que bicho picô o senhor, seo Warte?
- Bicho-calotêro! Já ouviu falá??
- Desse nunca vi não, uai! É brabo?
- Brabo nada! É manso, o desgramado!
- E é feio, o tar?
- Bota feio nisso, estrupício! É cabeçudo, zoiúdo e dentuço!
- Uai, credo! Tem inté dente?
- Uns três, só! Iguar ocê memo, Nerso!
- Credo, seo Warte! O senhor tá disdenhâno eu, uai?!
- Tô não, Nerso! É só pra vê se o ocê alembra darguma coisa... Alembrô não?  
- Uai... Parece que não! Nossa! É num é que alembrei memo! Pega um cadim desse torrêmo, que tá durmido aí na estrufa, pra móde acompanhá a pinga, uai! Tava inté esquecêno, sô! Se num é o senhor pra alembrá eu...    
- Que mané torrêmo, estrupício?! Tô falâno de tira-gosto não; é da continha que o senhor esqueceu de pagá, já faz uns par de mês. Alembra não?
- continha? Ahhhhhh, a continha! Uma continha, pequeninica, né?
- Era pequena, há uns dois meses atrás; agora é conta, conta grande! Já encheu uns par de caderneta!
- Uai, sô Warte, então o trem tá feio memo?! Mas... óiqui, eu vim aqui pra falá disso mêmo com o senhor: sabe a Carminha, minha patroa?
- Lá vem lorota... O que tem a dona Carminha, Nerso? Tá doente? Ha
- Credo em cruz, seo Warte! Bate na boca! A Carminha tá um coco, com a graça de Deus!
- O que que tem ela, então, estrupício? Desembucha!
- É que ela foi na farmácia, lá na cidade, pra comprá tinta, pra móde debreiá os branco dos cacho. Senhor sabe muié, como é que é, né, seo Warte?
- Sei. Mas e aí, Nerso? Num me enrrola não, home! E a conta?
- Ô home apressado, sô! Carma! O senhor num deixa nem eu cabá de contá, uai! Aí... Mas o quê que eu tava falano mêmo?
- Ocê tava contâno do cabelo da dona Carminha, Nerso!
- Verdade! Então, a vizinha lá de casa, muié do seo Chico Farinha, conhece ela, seo Warte?
- Dona Genoveva dos Pão. Que que tem ela? Fala logo, Nerso!
- Falo. A dona Veva falô pra Carminha comprá uma tinta com cor de caju...
- É acaju, mudão!
- Então! Que foi que eu falei? Cajú, uai! O pobrema é que o rapaz da farmácia errô nos tom da tinta: em veis de vermeiá, o trem abrobô!
- Abobrô?! Como assim, estrupício?
- Abrobô abrobano, uai! Cor-de-abróba! Nunca viu abróba que cor que é?
- Ah... cor-de-abóbora... entendi. E daí? E a conta, Nerso?
- Carma, seo Warte! Eu exprico. Eu tinha pedido pra muié vim, inté aqui, pra móde pagá o senhor, mas, dispois que ela saiu do banheiro, e eu vi aquela cabeça cor-de-abróba, eu pensei: como é que eu vô mandá a Carminha na venda, desse jeito, nessa feiúra. Tá pareceno bastião de folia de reis! Que vergonha do Warte!
- Hum... Sei. Então porque que ocê mesmo num veio prá pagá a conta?
- Ara! Que jeito?! Eu tive que disinterá o dinhêro! Senhor credita numa coisa dessa? Tive que mandá a Carminha lá na cidade,  de novo, no salão da dona Durce, pra podê desabrobá aqueles cacho tudo. Mas valeu a pena: ficô uma belezura! Dá inté gosto de vê! O senhor entende, né, seo Warte?  
- Entendo. Entendo sim, Nerso! Mas num sobrô nada do dinheiro não?
- Óia, sobrá inté sobrô, mas é que eu tava devêno umas coisinha, na cidade, e acabei teno que pagá. O senhor sabe: eu num gosto de dá prejuízo pra ninguém; num pode deixá o nome da gente sujá. né, seo Warte?
- É... É verdade, Nerso. Bicho-calotêro!
- Ê home bão que é o senhor, seo Warte! Que Deus que conserve!   

(Luciano Marques)   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.