FESTA DE ANIVERSÁRIO - Cris Dakinis

A menina corre de um lado a outro, animada por ver parentes e
amigos reunidos. É o dia de seu segundo aniversário e desconfio que ela saiba, perfeitamente, que este dia lhe pertence.  Estamos no mês de junho e o seu vestido de caipira combina com os trajes de primos e colegas da pré-escola, trazendo pacotes coloridos __ os presentes!
Os convidados chegam quase todos ao mesmo tempo e ela se diverte com tanto paparico. Em vão, a mãe lhe oferece milho assado ou maçã-do-amor... A menina não sente apetite, ela se alimenta da festa. Desde cedo, atenta aos preparativos e aos balões dependurados em meio a bandeirinhas coloridas. A noite está agradável, e a varanda exibe uma mesa decorada com petiscos da culinária típica dessa época do ano. As crianças nem ligam para caldo verde, caldo de ervilha, caldos... Elas correm o quintal inteiro __ e é muito quintal __, daí nem sentem o frio do sereno que os tios e, principalmente, os avós reclamam.
Depois de muito dançar e brincar, a menina e seus amigos são surpreendidos por um boneco gigante de pelúcia, que é um animal de um desenho animado famoso, do qual ela e os amiguinhos são fãs. Dentro do boneco, uma das tias dança toda animada para agradar a turma de pequenos. É então que começa uma choradeira. As crianças gritam assustadas. Elas gostam do personagem na televisão, nos brinquedos e nas revistas, mas a animação não funciona ao vivo. A tia mostra o rosto, sorri, mas o terror foi instalado: agora o boneco gigante tem a cabeça da tia! O jeito é retirar o “bicho-papão” de cena. Os pais anunciam que vão cantar os parabéns, mas porque a menina dorme cedo, não é para que os convidados deixem a festa... O bolo estava com o nome da menina gravado em letras cor-de-rosa, agora, não se consegue mais ler o nome, porque ela passou a mão por cima e apagou algumas letras. A avó lamenta, pois queria bater uma foto de lembrança. A aniversariante faz cara-de-estranheza: não era para ela comer o bolo então? Todos cantam os parabéns, os tios batem fotos, e a festa, aos poucos, se esvazia de convidados. As crianças brincam de jogar caixas de presentes para o alto... Por que elas preferem as caixas? __ Os adultos sempre se perguntam.
Onde está a aniversariante? O pai procura, enquanto a mãe sorri satisfeita por tê-la visto pegar pãezinhos da mesa: enfim, a filha se alimentara! O pai flagra a menina ao portão, entregando, através das frestas, pedaços de pão, porções de bolo e doces a um cão de rua. Sorrindo, ela explica: o au au qué!

 Cris Dakinis

Comentários

Anônimo disse…
o texto foi tão gostoso de ler quanto este bolo está dando vontade de comer....

Andreia Ramos Lara
Anônimo disse…
GOSTEI...

"Todos cantam os parabéns, os tios batem fotos, e a festa, aos poucos, se esvazia de convidados. As crianças brincam de jogar caixas de presentes para o alto... Por que elas preferem as caixas? __ Os adultos sempre se perguntam. " - verdade verdadeira ...rssss

Edna Miranda - a poetinha de Ouro Preto

Cris Dakinis disse…
Oi, Andreia! Agradeço a leitura e o comentário simpático. Fica com um abração!
Cris Dakinis disse…
Grata pela leitura e pelo comentário atencioso, querida Edna Miranda - a poetinha de Ouro Preto!