Pular para o conteúdo principal

A História da Escrita (pequeno resumo) * Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro

A escrita é a representação da palavra e do pensamento por meio de sinais gráficos convencionais. A história da comunicação humana remonta à época mais antiga da humanidade. Os símbolos foram desenvolvidos há cerca de 30.000 anos atrás, e a escrita há cerca de 8.600 anos. Os primeiros sistemas de escrita dos últimos IV milénios Antes de Cristo, não são considerados uma invenção súbita. Pelo contrário, elas foram baseadas em antigas tradições dos sistemas de símbolos que não podem ser classificados ainda como escrita, mas têm muitas características importantes reminiscentes na escrita. Estes sistemas podem ser descritos como proto escrita. Eles usaram ideografia e (ou) no início símbolos mnemónicos para transmitir informações ainda eram provavelmente desprovidos de conteúdo direto linguístico. Estes sistemas surgiram no início do período Neolítico, talvez no 7.º milênio Antes de Cristo.
Podemos distinguir três grandes tipos de escrita, cujo aparecimento se sucede aproximadamente no plano histórico, cada um deles podendo ser considerados um progresso na medida em que o código usado é cada vez mais eficiente, como: escritas sintéticas (ou mitográficas) *01; escritas analíticas *02; e as escritas fonéticas (ou fonémicas) *03.
*01 – Podemos incluir nas escritas sintéticas, onde o sinal é a tradução de uma frase ou de um enunciado completo, todo o tipo de manifestações de uma vontade de comunicação espacial. Algumas pessoas preferem falar, neste caso, de “pré-escrita”, na medida em que estes processos, constituem uma transcrição do pensamento e não da linguagem articulada. A. Leroi-Gourhan (foi um arqueólogo, paleontólogo, paleoantropólogo e antropólogo francês, interessado ainda em tecnologia e estética, do século XX), descobriu exemplos dessas manifestações a partir do Mustierense evoluído, ou seja, 50000 anos antes da nossa era, sob a forma de incisões regularmente espaçadas, em ossos ou pedras. A este tipo de comunicação pertencem as representações simbólicas de objetos. A forma mais comum de escrita sintética é a pictografia, ou seja, a utilização de desenhos figurativos, também conhecidos por pictogramas, em que cada um equivale a uma frase. É o sistema usado pelos esquimós do Alasca, os Iroqueses e os Algonquinos.
*02 – Nas escritas analíticas, também conhecidas por ideográficas, o sinal não representa uma ideia, mas sim um elemento linguístico (ou palavra ou morfena). Já não é uma simples sugestão, é uma noção. Na realidade, a falta de economia deste sistema – teria de haver um sinal para cada significado – faz com que não exista no estado puro: todas as escritas conhecidas por “ideográficas” possuem, paralelamente aos sinais-coisas “ideogramas”, uma quantidade importante de sinais com valor fonético, quer se trate dos cuneiformes sumero-acadianos, dos hieróglifos egípcios ou de escrita chinesa.
*03- As escritas fonéticas, são testemunho de uma tomada de consciência mais avançada sobre a natureza da língua falada. Os sinais perderam todo o seu conteúdo semântico – mesmo se, na origem, as letras são antigos ideogramas. Estes sinais constituem apenas a representação de um som (fonema), ou de um grupo de sons (sílaba). Podem apresentar-se casos, como o sistema representar sílabas, consoantes sozinhas ou, simultaneamente vogais e consoantes. Os silabismos, do ponto de vista histórico, nem sempre são anteriores ao sistema dos alfabetos. Contudo, é verdade que os silabismos mais antigos que se conhecem, em particular o cipriota, antecedem à invenção do alfabeto, consonântico, pelos fenícios; outros são, pelo contrário, adaptações  de alfabetos, como é o caso do brami, antepassado de todas as escritas indianas atuais, que provém do alfabeto aramaico, ou do silabismo etíope, que sofreu influências semíticas e gregas. Quanto ao nascimento do alfabeto grego, marcou-se, segundo parece, tanto pelo modelo fenício como pelos silabismos cipriota e cretense. Os sistemas silábicos caraterizam-se pelo lado relativamente pouco económico, dado que é preciso, em princípio, tantos sinais quantas as possibilidades de combinação vogal-consoante. Nos alfabetos consonânticos, sendo o fenício historicamente o primeiro exemplo, apenas servem bem as línguas que tenham a estrutura particular das línguas semíticas. A raiz das palavras possui uma estrutura consonântica que é portadora do seu sentido, podendo a vocalização ser deduzida da ordem muito rigorosa das palavras na frase, que indica a sua categoria gramatical e, por conseguinte, a sua função. O alfabeto aramaico serviu de modelo a toda a série de alfabetos: árabe, hebraico, siríaco, etc.), assim como de silabismo (brami). A alfabeto árabe serviu e serve para representar línguas não semíticas, embora com algumas dificuldades, por isso foi abandonado pelo turco. O alfabeto grego é historicamente o primeiro exemplo de uma escrita que representa ao mesmo tempo e separadamente as consoantes e as vogais. Serviu de modelo a todas as escritas do mesmo tipo que existem atualmente: alfabeto latino, cirílico, arménio, georgiano, etc.. Os acentos, indicando a acentuação na fala, e não a abertura ou fechamento de uma vogal, apareceram muito tardiamente no grego antigo, e, encontram-se no castelhano, no russo, etc.. Mais tardiamente ainda foram introduzidos os sinais diacríticos em certas línguas escritas em carateres latinos, como o polaco, sueco, etc..
Nota: neste trabalho, falamos várias vezes em “”Fenícia”, que se situava na região litoral sírio-palestino, limitada a Sul pelo Monte Carmelo e Norte pela região de Ugarit. Do III milénio ao século XIII Antes de Cristo, a zona costeira do corredor sírio foi ocupada por populações semíticas, designadas pelo nome de “Cananeus”. No século XII, a chegada de novos povos, como Arameus, Hebreus, Filisteus, reduziu o domínio dos Cananeus a uma simples faixa costeira a que os gregos deram o nome de “Fenícia”. Esta formava então um conjunto de cidades- estados, entre as quais Biblos, Tiro e Sídon que exerciam uma influência preponderante. Empurrados para o mar, os Fenícios tornaram-se, por necessidade vital, navegadores e fundaram, em toda a orla mediterrânea até Espanha, numerosas feitorias e colónias, entre elas Cartago, no século IX, que impôs no ocidente mediterrâneo. As cidades fenícias caíram sob tutela dos impérios Assírio em 743 Antes de Cristo, e Babilónio a partir de 605 Antes de Cristo, e mais tarde sob a dos persas e dos gregos, mas continuaram a desempenhar um papel capital nas trocas económicas do Mediterrâneo Oriental. Herdeiras da cultura cananeia, conservaram os cultos de Baal e de Astarte e, legaram ao mundo antigo o uso da escrita alfabética.

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande – Portugal
postagem enviada por Carlos Ribeiro


 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.