Pular para o conteúdo principal

FÉRIA por Roberto de Queiroz

enviado pelos autores


FÉRIA
Roberto de Queiroz
 
Hoje a féria faz-se pequena,
o vaivém vale menos,
o cordel decepa-se ao meio:
o canzarrão morde-o
com a sua boca enorme.
O criado-mudo tudo observa,
durante a roedura,  e não age.
Mas como agir, se é cego
da língua e do cérebro?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.