Pular para o conteúdo principal

A Canção do Lago - Juarez Florintino Dias Filho

poema enviado pelo autor


A Canção do Lago
 
Conta uma antiga canção
Que naquele vale chamado coração
Um lindo lago descansava numa lembrança
Cercado de pedras pontiagudas
Criadas por uma pretensa proteção
Oriundas de um medo insano
Medo daquela criança
Profundo como oceano
  
Versava a canção
Que na superfície daquele lago
A imagem do rosto daquela menina
Era refletida
Como um suave afago
E que era linda
Tal qual uma obra da criação
 
Miúda de trança
Despida de significados
E livre de pecados
Tinha como esperança
O encontro com o verdadeiro amor
  
Contida
A menina
Nua
Cedia ao clamor
Da lua
Que lhe beijava a face
Com ternura
Delicado enlace
 
Dizia ainda a canção
Que a menina
Sempre que adormecia
Sonhava e acordava ofegante
E que trazia
No peito uma lembrança
De um dia instigante
E causticante
Como paixão sem limite
 
Dizem que a canção
Ainda pode ser ouvida
Na superfície
Daquelas
Aguas tranquilas
E que ela é
Como um beijo
De esperança
Para um
Coração triste
 
Juarez Florintino Dias Filho

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.