Pular para o conteúdo principal

O Último Golpe - Cláudio Feldman

enviado por cláudio feldman



                                      O  Último Golpe

                                 1

 - Vamos “limpar” o último trouxa e cair no mundo.
-  Não precisa, Goiano, com a grana que a gente tem dá pra viver muito tempo na sombra.
- Mais um otário e pronto, Doralice.

                                       2
A dupla sobrevivia de um modo nada original: a mulher, bonita e decotada, atraía a vítima para o quarto de hotel, o companheiro chegava logo depois, ameaçava o seduzido e este abria a carteira.
A cidade, turística, estava cheia de idiotas à procura de novidades... e encontravam: taxistas que encompridavam os roteiros,  restaurantes que superfaturavam os pratos, lojas que falsificavam relíquias etc.

O casal de trambiqueiros era apenas mais um elo de uma extensa corrente.
E foi assim que Doralice (nome de guerra : Lola) aproximou-se de um tipo bem vestido, bunda fincada no tamborete do bar, com olhos verdes e melancólicos no vazio (turista, com saudade de casa?):
- Tem fogo, bonitão?
Aceso o cigarro com um isqueiro dourado (bom sinal), começaram a conversar, no meio da fumaça.
Quando o cigarro foi jogado no lixo,  após quinze minutos, quatro pernas começaram a se movimentar até o quarto de hotel.

                                     3
A mulher estava só de sutiã, calcinha e verruga nas costas,quando, sem bater à porta, Goiano entrou.
Ator experiente, como a companheira, gritou, indignado, diante da cena:
- Que diabo é isto?!
Lola, cobrindo a semi-nudez  com o vestido, explicou, nervosa, ao cidadão de cueca:
- É o meu marido!
O intruso, pálido, só conseguiu gaguejar:
- Não sa...bia qu’era ca...sada!
O golpista, mão no telefone, ameaçou:
-Eu só não parto a sua cara, pois a polícia sabe fazer isto bem melhor.
O trouxa, voz trêmula, suplicou:
- Por favor, não ligue pra delegacia. Sou pai de três filhas.
Goiano, para torturá-lo ainda mais e conseguir melhores frutos, não atendeu-o e falou:
- Devia ter pensado nisto, antes.
O chantageado, diante da discagem (para lugar nenhum), chegou ao ponto que interessava ao casal:
- Desligue, pelo amor de Deus, que lhe dou meu dinheiro!
E em seguida:
- Posso me vestir?
Goiano concordou com a cabeça e afastou-se do aparelho.
Logo que sentiu as vestes completas, o seduzido tirou do bolso algumas notas e estendeu ao achacador.
- Só isto?! Lola, apalpe o sujeito, pra ver se tem mais grana.
Após o minucioso exame, a mulher, ainda de sutiã, calcinha e verruga nas costas, concluiu, radiante:
- Tem também este isqueiro de ouro que, de hoje em diante, vai ser meu!
O malandro sorriu e, mudando de fisionomia, disse ao depenado, feroz:
- Agora cai fora, babaca! E se abrir o bico,vou atrás de suas filhas!
O bem vestido foi até a porta, de cabeça baixa, e, inesperadamente, voltou-se, ereto, exibindo um distintivo policial e um pequeno revólver, que ficaram escondidos no forro do chapéu.
- Flagrante, cambada!
E para a mulher:
- Devolva já o meu dinheiro, sua puta!
E o isqueiro que você nunca vai ter!
Lola, murcha ,restituiu-os à autoridade que, sem se descuidar do gatilho, colocou-os no bolso.
- E agora, saiam em silêncio, pro distrito. A “madame” vai pelada mesmo! Qualquer movimento torto, eu atiro!
Goiano, aflito, tentou detê-lo:
- Não dá pra negociar? Neste casaco tenho dez vezes mais dinheiro do que o seu.
A mulher amaldiçoou o cúmplice, no pensamento: “Lá vai nossa paz, Goiano de merda!”
O policial, num sorriso canalha, aceitou o suborno e rematou, após embolsá-lo:
- Fica tudo entre compadres,’ tá?!
E saiu, batendo a porta.
Durante a colheita do dinheiro e a atenção ao revólver, o polícia derrubara o distintivo no tapete e, quando Goiano foi apanhá-lo, levou um choque.
E rugiu de cólera:
- É de fantasia, porra!!
A mulher, com irônica dor, comentou:
- Você queria mais um otário. E conseguiu: você mesmo!


      Cláudio Feldman


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.