Pular para o conteúdo principal

O Último Golpe - Cláudio Feldman

enviado por cláudio feldman



                                      O  Último Golpe

                                 1

 - Vamos “limpar” o último trouxa e cair no mundo.
-  Não precisa, Goiano, com a grana que a gente tem dá pra viver muito tempo na sombra.
- Mais um otário e pronto, Doralice.

                                       2
A dupla sobrevivia de um modo nada original: a mulher, bonita e decotada, atraía a vítima para o quarto de hotel, o companheiro chegava logo depois, ameaçava o seduzido e este abria a carteira.
A cidade, turística, estava cheia de idiotas à procura de novidades... e encontravam: taxistas que encompridavam os roteiros,  restaurantes que superfaturavam os pratos, lojas que falsificavam relíquias etc.

O casal de trambiqueiros era apenas mais um elo de uma extensa corrente.
E foi assim que Doralice (nome de guerra : Lola) aproximou-se de um tipo bem vestido, bunda fincada no tamborete do bar, com olhos verdes e melancólicos no vazio (turista, com saudade de casa?):
- Tem fogo, bonitão?
Aceso o cigarro com um isqueiro dourado (bom sinal), começaram a conversar, no meio da fumaça.
Quando o cigarro foi jogado no lixo,  após quinze minutos, quatro pernas começaram a se movimentar até o quarto de hotel.

                                     3
A mulher estava só de sutiã, calcinha e verruga nas costas,quando, sem bater à porta, Goiano entrou.
Ator experiente, como a companheira, gritou, indignado, diante da cena:
- Que diabo é isto?!
Lola, cobrindo a semi-nudez  com o vestido, explicou, nervosa, ao cidadão de cueca:
- É o meu marido!
O intruso, pálido, só conseguiu gaguejar:
- Não sa...bia qu’era ca...sada!
O golpista, mão no telefone, ameaçou:
-Eu só não parto a sua cara, pois a polícia sabe fazer isto bem melhor.
O trouxa, voz trêmula, suplicou:
- Por favor, não ligue pra delegacia. Sou pai de três filhas.
Goiano, para torturá-lo ainda mais e conseguir melhores frutos, não atendeu-o e falou:
- Devia ter pensado nisto, antes.
O chantageado, diante da discagem (para lugar nenhum), chegou ao ponto que interessava ao casal:
- Desligue, pelo amor de Deus, que lhe dou meu dinheiro!
E em seguida:
- Posso me vestir?
Goiano concordou com a cabeça e afastou-se do aparelho.
Logo que sentiu as vestes completas, o seduzido tirou do bolso algumas notas e estendeu ao achacador.
- Só isto?! Lola, apalpe o sujeito, pra ver se tem mais grana.
Após o minucioso exame, a mulher, ainda de sutiã, calcinha e verruga nas costas, concluiu, radiante:
- Tem também este isqueiro de ouro que, de hoje em diante, vai ser meu!
O malandro sorriu e, mudando de fisionomia, disse ao depenado, feroz:
- Agora cai fora, babaca! E se abrir o bico,vou atrás de suas filhas!
O bem vestido foi até a porta, de cabeça baixa, e, inesperadamente, voltou-se, ereto, exibindo um distintivo policial e um pequeno revólver, que ficaram escondidos no forro do chapéu.
- Flagrante, cambada!
E para a mulher:
- Devolva já o meu dinheiro, sua puta!
E o isqueiro que você nunca vai ter!
Lola, murcha ,restituiu-os à autoridade que, sem se descuidar do gatilho, colocou-os no bolso.
- E agora, saiam em silêncio, pro distrito. A “madame” vai pelada mesmo! Qualquer movimento torto, eu atiro!
Goiano, aflito, tentou detê-lo:
- Não dá pra negociar? Neste casaco tenho dez vezes mais dinheiro do que o seu.
A mulher amaldiçoou o cúmplice, no pensamento: “Lá vai nossa paz, Goiano de merda!”
O policial, num sorriso canalha, aceitou o suborno e rematou, após embolsá-lo:
- Fica tudo entre compadres,’ tá?!
E saiu, batendo a porta.
Durante a colheita do dinheiro e a atenção ao revólver, o polícia derrubara o distintivo no tapete e, quando Goiano foi apanhá-lo, levou um choque.
E rugiu de cólera:
- É de fantasia, porra!!
A mulher, com irônica dor, comentou:
- Você queria mais um otário. E conseguiu: você mesmo!


      Cláudio Feldman


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.