Pular para o conteúdo principal

ALFREDO, MEU PAI! ** EMANUEL MEDEIROS VIEIRA

ALFREDO, MEU PAI!

Para o meu Alfredo, no dia em que lembramos os 39 anos de sua morte (24 de maio de 1892-22 de julho de 1978)

EMANUEL MEDEIROS VIEIRA



Você é seu corpo/Sua voz seu osso/Você é seu cheiro/E o cheiro do outro/O prazer do beijo/Você e o gozo/O que vai morrer/Quando o corpo morra/Mas é também aquela/Alegria ‘verso , melodia’/Que intangível, adeja/Acima do que/a morte beija.”

                        (Ferreira Gullar – “Isto E Aquilo”)

Breve a vida. Quando morreste, eu tinha 33 anos e escrevi um texto com o título acima.

 Algum recorte está nas minhas pastas “candangas”.

O senhor foi um homem nascido no final do século XIX (24 de maio de 1892 – mesmo dia do seu neto Lucas, meu filho ( filho do amor) –24 de maio de 2003).

“Encantou-se” em 22 de julho de 1978 – mesmo dia de aniversário do seu neto, o querido Luciano – 22 de julho de 1964.

Meu pai: o senhor foi o melhor homem que eu conheci.

Católico fervoroso, de uma autenticidade raríssima:  sempre generoso,sempre  compassivo com os mais humildes,

Combatia os exploradores do Homem, brilhante e culto professor e Inspetor Escolar.

Em toda a sua vida, a Fé e o Amor estavam acima de tudo!

Não deixou bens – coisas fugazes, passageiras, “madeiras” da cobiça que o cupim rói e o tempo faz desaparecer.

Mas deixou para todos os seus 17 filhos (sim, 17 – alguns já lhe fazem companhia).



Legou esse bem maior que carregamos em cada dia de nossas vidas: o sentimento de justiça, de solidariedade, de respeito ao próximo, de honra (sem formalismo)  – não a honra fácil dos protocolos –, tão apreciada pelos medíocres e vaidosos –, mas de fundo e total  respeito ao outro, de amor ao próximo– nada retórico, absolutamente vivenciado.

Não adianta que apenas nossas ideias sejam justas e boas.

É fundamental que sejamos justos  e bons.

Como o senhor sempre foi.

Nunca vi um homem (papai) e uma mulher (mamãe) lutarem com tanta dignidade, obstinação, pertinácia, estoicismo, mesmo nos momentos difíceis, quando papai precisou vender a casa, a querida mamãe indo para outro lugar (com outros familiares), deixando suas amigas, suas plantas tão amadas, e lembro-me que ela carregava dois vasos de flores que estavam no varandão de nossa casa.

Antúrio? Samambaia?

Na casa chegavam quase todos os dias o “Curvina”, o cego Antônio, com a sua bacia de moedinhas, seus andrajos,  o Chico Barriga D’Água. E outros que meus irmãos e irmãs poderão identificar.

Eu morria de medo da Barca-Quatro, furiosa, jogando pedras em que a chamava pela alcunha, e contam que uma das pedras passou pela janela e caiu no berço onde eu , bebê, estava deitado. .. Tinha uns três meses? Hoje: 72 anos.

Então: a “Indesejadas das Gentes”, andou  me seguindo desde cedo, mas a vida foi sendo maior.

Vai chegar a hora, meu pai. Não te preocupa, mas teu filho andou pegando um câncer (que o poeta Jayme Ovalle chamou  de a “tristeza das células”).

Alfredo e Nenen:  intercedam junto ao Pai, à Maria e a São Miguel Arcanjo– intercedam por todos nós, habitantes de um país e um mundo complicados,  difíceis, carentes de utopias.

 Não era só um prato de comida que papai e mamãe sempre ofereciam. Eram cobertores, roupas, camisas, calças, vestidos, tudo, charque, leite ninho, café, feijão, arroz etc.

Era a palavra amiga, evangelizadora – e  a ternura.

Ah, minha mãe,  como lembro dos seus “bolinhos de chuva”,  de suas tainhas, fritadas ou assadas no fogão de lenha, de suas balas enfeitadas, das deliciosas cocadas que Nenen, a mãe, fazia.

(Outros preferem Nenê. Ela não gostava do seu nome cartorário: Cidolina.)

Quanto tudo, pecuniariamente, ficou mais difícil (parecia que tudo caía sobre as nossas cabeças, papai perseguido por seres perversos e invejosos ( que devem ter morrido sem a solidariedade de si mesmos – usando a expressão de Mário de Andrade) .

Ele foi, sem exagero, um humanista em tempo integral.  

Os cestos de balas e as cocadas, preparados – ficavam belamente coloridos e ajudavam  no modesto orçamento doméstico.

Mas eu escrevi acima: não deixou bens materiais.

Deixou um legado incomparável com a matéria finita, algo que não se mede em moedas – o senhor era do campo do SER, não do TER.

Sim: eu fiquei com um boné que era dele.

Mamãe era a mulher “prática” – um carvalho. E o senhor, como os seus filhos, um intelectual.

Alguns queriam mudar o mundo.

 Papai escrevia, deixou livros evocativos e elos. Ele sempre  lembrava – com orgulho – da conferência  de Rui Barbosa , na qual esteve presente,  em Petrópolis, RJ.

Havia um quadro do “liceu” (como se dizia na época), com o retrato dos seus companheiros.

 E toda vez que morria um do grupo, o senhor colocava um X na testa do falecido.

E foram ficando poucos – muito poucos.

E, naquele sábado, começo da tarde, pelas 13h30, de 22 de julho de 1978, alguém colocou o X no seu retrato. Era a sua hora.

Não posso esquecer: o senhor era da Ordem Terceira de São Francisco e ajudava a carregar o andor em muitas procissões,

Poderia ter escrito algo com mais “encantamento”.

É verdade.

Sei como o senhor sentiu a morte da sua “patroa”.

Mas queria dar um exemplo para os filhos – não chorar na presença deles.

 Contemplou-a através de um vidro (na época, falava-se em “sala de recuperação”, não de UTI).

Lembro-me de um lençol branco. De um balão de oxigênio. E de um cheiro de menta, álcool, suor, morfina. Era 29 de março de 1968.

Mas depois, um irmão viu o “velho” Alfredo chorando  em um banheiro do hospital de Porto Alegre.

Até, meu pai!

 Vamos lutando – é da  humana  lida lutar –, fortalecidos pela  tua incansável  batalha prévia.

Sustos não faltaram.

Ao longo do tempo/morri muitas vezes: vida/mata mais que a morte”. (Olga Savary)

Alfredo: meu pai!

Alfredo: meu amigo – amigo dos seus filhos, dos seus netos, dos seus amigos.

Esse homem que formou gerações.

Seu nome era Alfredo Xavier Vieira.

(Salvador,  julho de 2017)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.