Pular para o conteúdo principal

A doença da pressa - por Luciano Marques

A doença da pressa
Luciano Marques (texto enviado pelo autor)

Quanto ao irreversível correr das horas, essa competição desenfreada de fazer sempre mais em menos tempo, cabe-nos saber: até quando suportaremos essa pressão cronometrada de acompanhar a velocidade tecnológica que nós mesmos criamos? Já não sabemos mais parar! Será que perdemos o nosso próprio controle remoto?
Por que corremos? Será que procuramos reaver o tempo perdido? Nessa tentativa insana, além de desperdiçar o próprio tempo, que é precioso, gastamos também uma energia valiosa, tentando recuperar o backup de algo que se grava apenas na memória: os momentos da vida.
Analisemos: quanto mais pressa, menos tempo; quanto menos tempo, mais pressa! À medida que nos preocupamos demasiadamente com a velocidade de nossas ações, quanto mais nos perdemos em horas mal vividas (corridas), mais a vida nos arrasta tempo a fora.
Na verdade, acostumamos a engolir a vida sem mastigá-la, sem degustar todos os seus sabores, e isso está nos adoecendo. Dessa forma, acreditamos que a cura para os nossos atrasos esteja na doença da pressa.
Na vida, essa curta viagem rumo ao
amanhã (desconhecido), somos todos induzidos e seduzidos pelo ter. Com isso, para financiarmos todos os sonhos de consumo, para alcançarmos nossos objetivos, somos conduzidos por agendas cheias, sem folgas, submetemo-nos ao controle de sistemas extremamente rígidos, eficazes para nos manter no foco daquilo que nos propomos e no cumprimento de todas as metas estabelecidas.
Assim vamos vivendo, ou melhor, vamos correndo, cada vez mais, centrados e iludidos pela glória do pódio, onde, inconscientemente, acreditamos que o vencedor seja o mais rápido. Nessa correria, miramos apenas a reta final (“os fins justificam os meios”), deixamos de observar tudo que fica pelo caminho e, pelo caminho percorrido ficam também as pessoas, aquelas que amamos e que esperam ansiosas pela nossa atenção.
O tempo, uma vez não mensurado, mal distribuído e não aproveitado, torna-se uma mortal máquina de envelhecer. Na ânsia de chegar rápido, nos esquecemos de observar as belezas espalhadas por onde passamos. À medida que correr torna-se um hábito, vamos perdendo o gosto pelas paragens, pela contemplação da natureza e principalmente pelos momentos felizes, cada vez mais raros, quase invisíveis e submersos aos nossos olhos rasos.
Lembremos ainda que a felicidade é fiel companheira, não abandona ninguém; entretanto, ansiosos como vivemos, correndo o tempo todo, será bem mais difícil de encontrá-la.
Agora, que tal parar um pouco e pensar?!

Texto publicado no jornal A Folha Regional em 27/03/2015.

Comentários

Anônimo disse…
Texto interessante, que nos provoca a refletir criticamente sobre as condições da vida.
Valéria Rodrigues disse…
Muito bem, Luciano! Concordo com você! Finalmente encontrei alguém com a mesma opinião que eu! Hoje em dia só há correria, as pessoas só vivem correndo e não vivem o momento, e muitas são obrigadas a agir assim porque precisam sobreviver neste mundo acelerado. As pessoas precisam parar para saber refletir sobre suas ações a cada momento, pois basta apenas um momento para decidir erradamente. Não acho que seja necessário tirar a tecnologia para ficarmos mais lentos, saudáveis e reflexivos; a mudança deve ser feita em nós, por nós. Sou a favor da história do coelho e da tartaruga, em que a tartaruga vence a corrida! É muito triste perceber que somos constantemente arrastados pela vida, como marionetes. E o pior é que o tempo é cruel, ficamos sonâmbulos e se acordamos percebemos que o tempo perdido não volta. Além disso, perdemos energia porque nos identificamos muito com os acontecimentos (já que não paramos para refletir) e magoamos quem amamos, porque estamos sempre pensando no depois, planejando se relacionar melhor com o outro somente depois. Que pena que é assim, mas ainda tenho a esperança que mais alguns pensem como nós, para que tudo comece a "desacelerar", pois se "desaceleramos", passamos a enxergar o mundo "desaceleradamente".


Valéria

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.