Pular para o conteúdo principal

"Camilo Castelo Branco - grande escritor português" ** Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro

enviado por  Carlos Leite Ribeiro


Seguindo o modelo do romance folhetinesco, publicado em jornais, a obra de Camilo tem uma primeira fase marcada pelo tom dramático de intrigas em que a violência e a vingança servem de pano de fundo à ação. Este tipo de narrativa terá seu expoente em “Amor de Perdição” (*) que tem todos os ingredientes da tragédia misturados com o clima romântico, desembocando na impossibilidade final do amor. No entanto, além dessas obras que satisfazem o desejo de sonho e de evasão da burguesia, encontra-se em outro veio na prosa camiliana, influenciado pela “Comédie Humaine de Balzac”: o retrato sistemático da sociedade da época, que vai já em certos momentos na linha de uma preocupação realista, e que dá um quadro completo da evolução dessa sociedade desde o século XVII até ao século XIX. Assiste-se mesmo a uma crítica de costumes, em romances como Aventura de Basílio Fernandes Enxertado, em 1863 ou a Queda Dum Anjo, de 1866. Dois aspetos caracterizam a obra de Camilo: a idealização da mulher, que vai até à sua caracterização angélica, e o sacrifício total que o amor exige ao homem, levando-o a combater tos os preconceitos e poderes para conquistar o seu objetivo. O desfecho corresponde sempre a um extremo: ou o casamento feliz, que corresponde a uma recompensa no plano moral, que reconcilia o leitor com o mundo romancesco agitado e conflitual, ou a catástrofe, que traduz o espírito ultrarromântico, que se compraz no sofrimento e no negrume das emoções. A linguagem concilia e retórica excessiva com uma mestria da língua que impediu o seu envelhecimento, apesar de necessárias concessões ao gosto da época. Por outro lado, há uma concisão em Camilo que impede as digressões penosas e adjetivação desnecessária que toma, hoje, quase insuportável muita literatura ultrarromântica. Mas essa economia da linguagem contribui para dar vida às suas figuras.
Camilo Castelo Branco, nasceu em Lisboa a 16 de Março de 1825 e pôs fim à vida em São Miguel de Ceide, em 1 de Junho de 1890, com um tiro de pistola, amargurado pela cegueira inevitável que o impedia de continuar a escrever. Educado junto de parentes devido à morte dos pais, vive em Trás-os-Montes a sua infância e adolescência, principiando aí a sua existência aventurosa, que passa por um breve casamento, em 1841, com Joaquina Pereira, antes da sua ida para o Porto e, depois, Coimbra, na sua tentativa de tirar o curso de Medicina. De regresso ao Norte, rapta, em Vila Real, uma jovem, Patrícia Emília, que leva para o Porto, e, com quem vive por pouco tempo. Terá participado nas lutas da Patuleia até que, em 1848, se fixa no Porto, onde inicia a atividade de escritor e colaborador de jornais. Depois de ligações efémeras, apaixona-se por Ana Augusta Plácido, noiva do abastardo Pinheiro Alves, e com quem virá a casar, provocando em Camilo uma crise espiritual, que o leva a alinhar com sectores clericais e políticos mais conservadores. Começa então a ser reconhecido como romancista, sendo já um autor consagrado quando, em 1859, consuma o adultério com Ana Plácido, que abandona o marido para se lhe juntar. Depois da fuga para Lisboa e das dificuldades económicas em que vivem, são ambos presos na Cadeia da Relação do Porto, onde o próprio, D. Pedro V, visita Camilo, sendo absolvidos em 1861. A partir de 1864 instalam-se em São Miguel de Ceide, onde vive instantes de grandeza e de tragédia. O sucesso faz dessa casa um lugar de peregrinação para escritores e intelectuais, porém, a loucura do filho Jorge e a estroinice do filho mais novo amarguram-lhe a existência. Escrevendo como um forçado, para vencer as dificuldades materiais, é feito visconde e, pouco antes de morrer, casa com Ana Plácido.
Entre 1851 e 1890, e durante quase 40 anos, escreveu mais de duzentas e sessenta obras, com a média superior a 6 por ano, redigidas à pena, logo sem qualquer ajuda mecânica. Prolífico e fecundo escritor deixa obras de referência na literatura lusitana. Apesar de toda essa fecundidade, Camilo Ferreira Botelho Castelo Branco, não permitiu que a intensa produção prejudicasse a sua beleza idiomática ou mesmo a dimensão do seu vernáculo, transformando-o numa das maiores expressões artísticas e a sua figura num mestre da língua portuguesa. De entre os vários romances, deixou um legado enorme de textos inéditos, comédias, folhetins, poesias, ensaios, prefácios, traduções e cartas – tudo com assinatura própria ou os menos conhecidos pseudónimos.
Sua Obra:
Anátema (1851) ; Mistérios de Lisboa (1854) ; A Filha do Arcediago (1854); Livro Negro de Padre Dinis (1855) ; A Neta do Arcediago (1856) ; Onde Está a Felicidade? (1856) ; Um Homem de Brios (1856) ; Lágrimas Abençoadas (1857) ; Cenas da Foz (1857) ; Carlota Ângela (1858) ; Vingança (1858) ; O Que Fazem Mulheres (1858) ; O Morgado de Fafe em Lisboa (Teatro, 1861) ; Doze Casamentos Felizes (1861) ; O Romance de um Homem Rico (1861) ; As Três Irmãs (1862) ; Amor de Perdição (1862) ; Memórias do Carcere (1862) ; Coisas Espantosas (1862) ; Coração, Cabeça e Estômago (1862) ; Estrelas Funestas (1862) ; Anos de Prosa (1863) ; Aventuras de Basílio Fernandes Enxertado (1863) ; O Bem e o Mal (1863) ; Estrelas Propícias (1863) ; Memórias de Guilherme do Amaral (1863) ; Agulha em Palheiro (1863) ; Amor de Salvação (1864) ; A Filha do Doutor Negro (1864) ; Vinte Horas de Liteira (1864) ; O Esqueleto (1865) ; A Sereia (1865) ; A Enjeitada (1866) ; O Judeu (1866) ; O Olho de Vidro (1866) ; A Queda dum Anjo (1866) ; O Santo da Montanha (1866) ; A Bruxa do Monte Córdova (1867) ; A doida do Candal (1867) ; Os Mistérios de Fafe (1868) ; O Retrato de Ricardina (1868) ; Os Brilhantes do Brasileiro (1869) ; A Mulher Fatal (1870) ; O Regicida (1874) ;  A Filha do Regicida (1875) ; A Caveira da Mártir (1876) ; Novelas do Minho (1875-1877) ; Eusébio Macário (1879) ; A Corja (1880) ; A Brasileira de Prazins (1882) ; A Infanta Capelista (1872) (conhecem-se apenas 3 exemplares deste romance porque Pedro II (do Brasil) pediu a Camilo para não o publicar, uma vez que versava sobre um familiar da Família Real Portuguesa e da Família Imperial Brasileira).

(*)Sinopse de "Amor de Perdição: - Simão Botelho e Teresa de Albuquerque pertencem a famílias distintas, que se odeiam. Moradores de casas vizinhas, em Viseu, acabam por se apaixonar e manter um namoro silencioso através das janelas próximas. Ambas as famílias, desconfiadas, fazem de tudo para combater a união amorosa. Tadeu de Albuquerque (o pai de Teresa), após recorrentes tentativas de casar sua filha a um primo acaba por interná-la num convento. Após luta travada com os criados do primo de Teresa, Simão Botelho permanece na casa de um ferreiro devedor de favores ao seu pai. A filha do ferreiro, Mariana, acaba também por se apaixonar por Simão, constituindo um triângulo amoroso. Teresa e Simão mantêm contacto por cartas. Este, numa tentativa de resgatar Teresa do convento, acaba por balear o primo de Teresa, Baltasar, e é condenado à forca. Mais tarde, as influências de seu pai, antigo corregedor, irão mudar a pena para dez anos de degredo na Índia. Ao embarcar, vê Teresa, que morre de desgosto. Nove dias depois, doente, Simão acaba por morrer também, e no momento em que vão lançar o corpo ao mar, Mariana, filha do ferreiro, lança-se ao mar.
Link de Amor de Perdição:
http://www.biblio.com.br/defaultz.asp?link=http://www.biblio.com.br/conteudo/camilocastelobranco/amordeperdicao.htm
 
Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande - Portugal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.