Pular para o conteúdo principal

CONCURSO LITERÁRIO - HIPPIE

MAIORES DETALHES DO CONCURSO - CLIQUE AQUI

Veja crônica de Vieira Vivo (org. do concurso) e mande a sua

Estradas e bandeiras

     A estrada recortava a mata em curvas e retas através do cerrado onde naquele dia o sol deitaria à sua frente. O recanto inteiro transpirava ao verão, impregnando o mundo de aromas. Em meio ao cheiro de cacau, capim e bosta de gado seus passos desciam a geografia dos mapas enquanto os olhos elevavam-se aos céus vasculhando a casa dos astros. Naquele entardecer, a cada passo, a abóbada multifacetava-se em nuvens e cores ao balanço dos ventos e da rotação do tempo. Todo o universo sempre em movimento. A planitude do relevo e o teto circular da terra formavam, como por encanto, rosados anéis salpicados por faiscantes raios da primeira estrela e pelo circular bailado da lua nova.


Esquecido estava dos homens e motores, que vão passando ao nos ver passar,*  que prosseguiu a caminhada e ao voltar a si, já anoitecera. A noite trouxe faróis e canseira, sono, trevas e mosquitos. Adentrou por um caminho um pouco além do asfalto e numa clareira estendeu o plástico e o lençol sobre a grama e coberto adormeceu cercado por milhares de ferrões, zumbidos e calombos de mordidas. O sono chegou pesado trazendo imagens velozes, sonhos convulsos e giratórias imagens.

     Adormecido pesadamente com a cabeça repousada sobre a terra vislumbrou ao longe, em meio aos sonhos, um galope febril de cascos se avolumando em sua direção. O pesadelo quase real o levou a um salto brusco ainda enrolado no lençol branco tendo à frente um enorme cavalo relinchando com fúria fitando-o. O animal suspendeu as patas e o corpo e avançou sobre ele. Num impulso pela sobrevivência o andarilho, ainda sonolento, saltou para trás enquanto um chicote serpenteou sobre sua cabeça e atingiu-lhe o ombro esquerdo. Acometido pela dor lancinante e pelo pânico, muito assustado, gritou que não era nada, que estava apenas dormindo ali e que o trotar dos cascos o assustara. Encontrava-se apoiado a um barranco, banhado em suor, atônito, dolorido e sonado.

     O cavaleiro passou ao largo esbravejando impropérios enquanto estalava o chicote com gestos extremamente nervosos. Falou em morte, mostrou a faca, esporeou o animal com força e desapareceu na noite. O rapaz com movimentos trôpegos recolheu os panos juntamente com o saco de viagem e, ainda, muito abalado subiu para o asfalto. O sereno misturado ao suor encharcavam-lhe, ainda mais, as roupas, porém um vento intenso e úmido o empurrava cada vez mais à frente em meio à incerteza e ao cansaço para bem longe dali.

     Horas mais tarde, próximo da meia-noite, ainda com dores no ombro,  mas-tigava um naco de pão seco, de cócoras, em frente a um posto de gasolina. Do meio da noite surgiu um outro maluco residente naquela cidade. Apresentaram-se, conversaram alguns minutos e, logo depois, este indicou um bom local para dormir em uma choupana abandonada na descida da estrada. Sorriu agradecendo e em seguida rumaram naquela direção. Ao atravessarem a pista falavam sobre distâncias, clima e sereno.

Crônica de Vieira Vivo do livro Agudas Crônicas
 

* Caetano Veloso


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.