GUILHERME DE ALMEIDA EM CENA

GUILHERME DE ALMEIDA EM CENA

22 de Julho de 2017 | A partir das 14h30
No mês de julho, a Casa Guilherme de Almeida realiza a tradicional homenagem a seu patrono, cujos nascimento e morte ocorreram nesse mês. Serão abordados, este ano, dois aspectos muito especiais de sua atuação: o primeiro refere-se a seu envolvimento com a cena teatral paulistana e suas traduções de peças de teatro referenciais da dramaturgia universal. O segundo diz respeito a sua ligação com a cultura nipônica, representada por sua produção de haicais e sua decisiva participação no surgimento da Aliança Cultural Brasil-Japão. Confira o programa:


14h30: Um momento teatral: O homem sóPor Renata Cazarini de Freitas
Depois de ter escrito duas peças em francês para seu livro de estreia Théâtre Brésilien (1916), em parceria com Oswald de Andrade, Guilherme de Almeida criou poesia e prosa dramática, letras de canções para o teatro e um argumento de ballet, além de traduzir textos dramáticos do inglês, do francês e do grego. Em 1949, escreveu O homem só, peça identificada como “um momento teatral” pelo autor. Texto inédito em livro e no palco, a peça de um ato dividido em duas cenas apresenta um misantropo que julga seu dia desperdiçado e trava com sua sombra um embate em busca da solidão total. A palestra discutirá, a partir desse texto, a concepção de teatro do poeta.


15h30: Cinema japonês de vanguarda (uma homenagem a Teinosuki Kinugasa)

22 de Julho de 2017 | A partir das 14h30


Em parceria com a Fundação Japão, a Sala Cinematographos exibirá dois clássicos incontestáveis do cinema japonês de vanguarda, dirigidos pelo mestre Teinosuki Kinugasa, falecido há 35 anos. A exibição é inédita no circuito de cineclubes brasileiros. Os filmes são os seguintes:

UMA PÁGINA DE LOUCURA (1926), com trilha sonora ao vivo por Gabriel LevyUma raríssima oportunidade de se conhecer aquele que é, talvez, o único filme japonês realizado no auge das vanguardas cinematográficas mundiais. A obra conta a história do faxineiro de um hospício onde sua esposa encontra-se internada. Em meio a lembranças e dilemas, sua angústia acaba por conduzi-lo a um estado de alucinação tão obscuro quanto ao dos internados na instituição.

PORTAL DO INFERNO (1953), exibição exclusiva em película 16 mmA Sala Cinematographos exibe pela primeira vez uma obra em 16 mm: um dos filmes mais premiados do Japão, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1954. Esta obra-prima de Kinugasa retrata a guerra entre feudos no Japão medieval e explora a imagem do samurai Moritho Enda em sua luta para proteger os membros do clã a que serve.

Comentários