QUEM NÃO DEVE... EMANUEL MEDEIROS VIEIRA

Quem não deve, não teme
nem  treme
ou deve temer?
Temor?
Confraternizam-se e transacionam com os “Mafiosos da Carne”
(sempre fraca) na calada da noite – palácios assépticos – muitos dormem,  não eles.

 Chegam a rir – tão amigos eram – agora querem sangue.
A brava gente está cansada?
Suas forças esvaíram-se nas “tenebrosas transações”?
Ou é apenas a dor da impotência?
Moedas cintilam nas mãos
a sombra esconde a vergonha.
Como? Nunca a tiveram.
Sem temor, são tiradas as verbas para a investigação.
Remorso? Nenhum.
O medo é de serem descobertos.
Velhacos e patifes – como Judas – oferecem beijos como sinal da traição.
Vem de longe. Sim: das Capitanias Hereditárias, golpe militar, quarteladas, contragolpes, governos civis, repúblicas “novas” – O Diabo soprando sempre o que vão dizer – até o Século XXI (e irá adiante?).
“Não vi”, “não sei”, “não estava”, “é calúnia”, “é mentira”, “não sou eu”.
E precisamos comer o pão que o Cachorrão amassou.
E avançam tais tropas – enquanto o cansaço anestesia uma Nação.
Não era paras ter escrito assim:  seria apenas uma história para crianças – prosa poética.
Mas contaram-me eventos vis.



(Salvador, julho de 2017)

Comentários