Pular para o conteúdo principal

Sumi-ê e haicai - por Roberto de Queiroz

enviado por Roberto de Queiroz 


O título supracitado alude a um opúsculo do professor Araken Guedes Barbosa, publicado em 2013. Trata-se da 5ª obra do autor. Formado em Letras pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP), com especialização pela Yokohama Kokuritsu Daigaku, no Japão, e mestrado e doutorado em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Araken atuou como professor visitante, através do Programa Fulbright, na James Mason University. Atualmente, é professor do Departamento de Letras da UFPE. Acumula ainda em sua bagagem a experiência de cofundador dos Núcleos de Línguas e Culturas da UFPE e de coordenador do curso de Letras dessa instituição. E seus feitos não param por aí: é fundador do Grêmio de Haicai Arrecifes, artista plástico, poliglota, prestidigitador e faixa-preta Aikido – autorizado pela Aikido World Headquarters.

Araken viveu no Japão e na China, locais em que desenvolveu o gosto pela cultura asiática. Já na introdução, o autor questiona a relação entre os dois termos que titulam o livro em apreço. E ele próprio dá a resposta: o termo “sumi-ê” (pintura com tinta negra) surgiu na China Antiga, entre os séculos 2 e 3 d.C. Foi levado ao Japão por monges budistas, por volta do século 13 d.C., onde tornou-se mais difundido. O termo “haicai” (haiku) tem origem japonesa. Refere um poema de forma fixa, constituído por dezessete sílabas, distribuídas em três versos (de cinco, sete e cinco sílabas poéticas, respectivamente), sem rima, e, igualmente ao sumi-ê, prima pela simplicidade, concisão e plasticidade. Um haicai pode conter tudo aquilo que o “haijin” (haicaísta) tem como experiência. Assim, ele transmite imagens mentais (uma cena presente, uma estória, algo especial, etc.) que são capazes de converter a essência do trecho poético em cena viva.

Nesse livro, o autor proporciona ao leitor, por meio da pintura sumi-ê e do haicai, o contato com alguns aspectos da cultura japonesa. Igualmente, expõe a própria opinião sobre a poesia vinculada à arte tradicional da pintura em preto e branco. Para tanto, apoia-se no conceito mais amplo do termo “yuugen”, que, na cultura japonesa, é usado para designar o mistério contido em um texto ou pintura, ou seja, para indicar que ali se concebe o mais alto grau de profundidade de expressão artística sobre um tema ou objeto. Por tudo isso, o leitor deve conferir tais informações, contidas nessa obra tão atraente. Está feito o convite!

(Texto publicado na Folha de Pernambuco, 06/08/2015, Opinião, p. 4)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.