Leva-me Contigo, a Senhora S e Outras Histórias – Remisson Aniceto


Acho que muitos aqui concordam que o tempo não é mais o mesmo. Hoje você inspira uma vez e quando expira já se passou uma década. Assim sendo, é bom aproveitarmos as curtas histórias e ainda mais quando são tão sortidas quanto M&Ms e nos prendem como uma propaganda da Polishop.
Esse é o caso do livro Leva-me contigo, A Senhora S e outras histórias, do autor Remisson Aniceto. Vamos admitir que “Leva-me contigo” é o que todos nós, meras pessoas reais, queremos implorar para os nossos amores literários! Será que pode?
O livro tem contos para todos os gostos, mas a ideia é você experimentar um pouco de cada tema – parem de ser gulosos! Então, vamos dar uma olhada breve – nem tanto – no cardápio.



Romance » Como sou muito romântica, a primeira vez que recebi flores eu achei que meu quarto ficou cheirando a mato e joguei fora. A segunda vez eu coloquei as rosas dentro de uma leiteira. Se você é mais romântico/a que eu e gosta de dar/ganhar flores em vez de coxinhas de frango então chega mais! O conto “Para Todas as Mulheres” nos apresenta o co-autor da música de mesmo nome, Narciso.
“Já tive mulheres de todas as cores, de várias idades, de muitos amores. Com umas até certo tempo fiquei, com outras apenas um pouco me dei.” /Samba no pé!
Ele mostra como as atitudes dominadoras dos homens são romantizadas muitas vezes. Mas, será que eles aguentam quando elas agem igual? Cenas para o próximo capítulo (ou não, já que é um conto.).
Ainda no mundo onde tudo são flores, e não comida, encontramos o conto “Fechando As Cortinas”. Sabem aquele ditado que diz “só dá valor quem perde”? Murilo (~Benício~) está aqui para ensinar como isso acontece. Ele comete um BIG erro e a esposa-modelo-perfeita-sonho-eterno resolve por um fim em tudo, com muita classe. Mas, as cortinas se fecharam. Chega de atuar e agora chora, Murilo.

Drama» Galerinha aí que está num dia ruim vai se sentir melhor depois de ler O São Paulino, onde o tão comentado preconceito é abordado (e você vai se sentir ryco por ter cama, comida e Netflix). É preciso ver além do óbvio, e que a miséria nem sempre é financeira!
Já no conto O Avião conheci um personagem capaz de ir à Europa de ônibus (sim, com o oceano e tudo no meio) por ter medo de voar, mas incapaz de lembrar que quando uma mãe abre a boca pra falar, o que quer que saia da boca dela vai se tornar uma verdade universal, fato absoluto, incontestável, bíblico… e a mãe de Mauro mostra ser a esperada profetiza que toda boa mãe é enquanto espera o encontrar filho.
OBS1- Cuidado com as profecias da sua mãe.
OBS2 – A Gol se garantiu.

Quer mais drama? O conto Leva-me Contigo traz o relato de duas irmãs muito diferentes mas com algo que as torna muito próximas. Na vida tiramos lições de quem menos espera estar nos ensinando algo. E se você não chorar já podemos nomear “iceberg” essa coisinha que você chama de coração.
Comédia » Deixando a sofrência de lado, nós temos o conto ‘Stand Up’, que é algo que fazem muito aqui em Fortaleza, até nos ônibus. Na verdade, “stand up” significa “ficar em pé” ao pé da letra em inglês, então somos sempre profissionais enquanto usamos transporte público, ok? E nesse conto, uma senhora idosa muito simpática faz stand up em todos os sentidos, dando umas aulas de humor e classe. Sorriam e acenem, pessoal. E cedam o lugar, por favor.
Já no conto “Gisele e o Padre” nós conhecemos Santino, que de santo tem pouco, mas vai te entender muito bem quando você quiser confessar todos os pensamentos que dedicou àquele crush literário. Só Deus na causa.

Aventura » Para os aprendizes de detetive nós temos os contos “A Refém” e “O Homem, o Roubo, a Sede e suas Adjacências”. No primeiro vemos a versão brasileira de Hercule Poirot, por que aqui é Brasil e a gente copia mesmo. A versão belga devia estar cara. No segundo conto, temos uma distopia. Sinto dizer, mas os meios de transporte não evoluíram tanto quanto as medidas de segurança e os bandidos. Mas, o objeto de desejo mudou (podem parar de colecionar moedinhas das Olimpíadas de 2016. Não vão servir) E se já era ruim perder dinheiro, agora ferrou tudo de vez. Com menção especial ao rei do pop no meio investigativo Sherlock Holmes e ao roubo ao banco central que ocorreu aqui nessa cidade super “pacata” em que ouso morar chamada Fortaleza (assaltantes ganharam filme e espaço na calçada da fama depois disso).
Fantasia » A maioria de vocês curte uma fantasia, ok. Aqui temos o conto “O Indiozinho Que Se Apagava” que conta a história de um índio serelepe que descobre Nárnia (sério, não sei como chama, então vamos dizer que é Nárnia), encontrando algo que vai ajudá-lo a resolver seus problemas familiares.
E, por último, o conto que mais amei! Sim, eu li um conto de fantasia e amei (Hallellujia… não se acostumem.) Mas, fiquei apaixonada já que me lembrou o cenário da história do Rei Arthur. Temos uma mulher com a vida amorosa mal resolvida por não ter casado com o rei que joga uma maldição na família dele. Alguém diz para essa mulher que já existe o tal do “trago seu amor de volta em 7 dias”? Mas, como recalque é tudo, ela acaba tirando a alegria da família do rei e de todo o Reino. E o que trouxe a felicidade novamente para esse reino eu não vou contar. Corram para ler!


De modo geral, no início, achei que seriam contos com críticas sociais relacionadas à política sempre (não me perguntem o motivo de eu ter pensado isso, já que o título é mais sentimental). Mas, só de passar a vista (como diria minha avó -beijo vó!) já dá pra ver que é uma variedade de temas. Em quase todos eles minha primeira impressão deu aquela voltinha básica de 180° que muda tudo. Começava pensando uma coisa, e terminava pensando outra, porque o bom dessa vida é você poder se posicionar em outros ângulos e apreciar a nova visão, sentindo que foi enganada a vida toda, se perguntando onde esteve durante a sua incrível existência que nunca pensou por aquele lado. Eu já li contos infantis na vida, mas com temas adultos foi a primeira vez e curti muito. Remisson me fez chorar alguns mares, bater Tocantins ~palmas~, rir alguns rios e cair em um buraco negro de amores nas poucas linhas de cada conto. Qual sua emoção favorita? Pode escolher! É curto, variado, leve e reflexivo. Não tem desculpa para não conhecer.
Por Lua

Aí você me pergunta onde comprar o livro e outros detalhes. Pois eu respondo, tô simpática hoje. Aqui vai!:
Leva-me Contigo, a senhora S & outras histórias, de Remisson Aniceto
Editora Penalux
GÊNERO: Contos 
ANO: 2016
FORMATO: 14X21
PÁGINAS: 220 | Pólen Bold 90gr
R$ 40,00

POSTAGEM ENVIADA POR Remisson Aniceto

Comentários