Pular para o conteúdo principal

Casulo de Shauara David - por Luiz Carlos Santos Júnior

CASULO - Ed. Costelas Felinas / http://artesanallivros.blogspot.com.br

Por meio de seus versos, Casulo envolve – aprisiona, abriga e liberta – gradativamente. Esta é, sem dúvidas, uma obra que trata da multiplicidade de emoções vivenciada e compartilhada pela autora, após uma grande perda: dor, saudade, solidão, incompreensão, insanidade, incerteza, dentre outros anseios. Essas emoções eclodiram, em grande parte, por conta da (in)existência de uma pessoa notável que atendia pelo nome de Rodrigo Sena.
Shauara e Rodrigo tinham (e provavelmente têm) uma relação muito próxima, que já havia percorrido diversas tipologias – dentre amor e amizade, carne e espírito. Tal unicidade provocara grande baque – ainda em vida e – após a morte de Rodrigo. Ele era parceria, inspiração, réplica. Mas de forma súbita, foi-se; gradualmente, ia-se Shauara.

Casulo elucida características da autora, uma observadora da vida, da natureza, dos comporta-mentos. Alguém que não se importa com a conclusão, alguém franco a ponto de ser cruel. Casulo nada mais é do que um tributo à saudade, recheado de autenticidade, medos, fluidez, loucura e sobriedade.
Casulo é mais que uma cápsula, mais que um esconderijo; ele é um envoltório construído pela autora para que pudesse passar por um processo de transformação constituído por fases bem distintas, propositadamente, a posteriori: o primeiro momento, de olhar melancólico e confuso; o segundo, de apreensão e compreensão da loucura; o terceiro, de aceitação, idealização e esboço de retomada. Há, ainda, a presença de acidez e críticas em todas as etapas, experiências de sempre.
            No primeiro momento, pela proximidade com a perda e pela confusão mental consequenciada, submerge-se nos pensamentos, não se separa sonho da realidade. Aqui, nesse lugar imaginado, não se foge dos sentimentos, pelo contrário: mergulha-se neles e se revive o quanto quiser. Atordoada, inicia então um período de reclusão, um estado de dormência, um vazio, uma hibernação. A vida, para ela, congelara por alguns instantes. Seu olhar mudara. Agora sentia medos e sintomas outrora desconhecidos; o tempo lhe custava a vida e sua franqueza não lhe permitia perder tempo com coisas desinteressantes.
O segundo momento teve como resultado o “elogio da loucura” - cujo título é uma referência direta a Erasmo de Roterdã -, um conjunto de sete poemas subintitulados “loucura de alguma coisa”, pesquisa intensa (e insana) de quase seis meses. A “loucura da morte” apresenta uma visão pessimista da vida por decorrência da certeza da morte, trata dos vícios e da sobrevalorização da memória do ser; é também previdente, já que por meio de abraços e textos, adiantam-se e se garantem as despedidas. A “loucura surreal”, por sua vez, trata de questões generalistas e condicionais (conjunções subordina-das). A “loucura do mundo” aborda a insegurança, o ocultismo, a proteção – com total inversão de valores, segurem suas mentes! A “loucura da arte” é presente do indicativo, é gerúndio, ocorre e pulsa agora! Na “loucura dos outros” questiona-se a relação entre a loucura e a razão, além da criati-vidade. A “loucura da loucura” apresenta diversas definições de loucura: ela é intrínseca, é vício, dilacera. Fecha-se sua enumeração com a “loucura da vida”, a maior das loucuras!
            O terceiro momento é caracterizado pela idealização e pelo escapar. A partir de agora se deixa levar pela correnteza, assim, para onde se quer, para qualquer lugar. Explora-se a calmaria de concepção, a incerteza de ação – soa como um “te perdi, me perdi, mas descanse em paz”. A resignação está presente (por meio da distração, da tranquilidade, da conveniência e da paciência), afinal de contas precisa-se de pouco para o alcance da felicidade.
É possível observar a mudança semântica de seus versos, ao longo do processo, agora mais sóbrios e maduros: foi eterno enquanto durou, mas já é passado; percebem-se as coisas, admite-se junto ao outro; reconhecem-se nossas limitações (humanas), insignificância e legado.
Ao longo da obra, críticas não passaram despercebidas: fala-se da falta de base e êxtase de muitos dos textos publicados por outros; questiona-se a definição corrente de tempo, bem como sua sobreposição em relação às outras coisas; tratam-se das individualidades do ser, do preferir, conse-quentes discordâncias, disputas e hipocrisia.
Interessante sacada para resolução de problema: se não é possível fazê-lo, leve, pela denotação, que venha então a conotação! A fluidez e suculência de palavras e atos, dinâmica das cons-truções e reconstruções do ser – muitas vezes ignoradas ou negadas pela maioria – é relatada com fervor. Eis minha palavra de que também li palavras propositadamente contraditórias e ácidas, além de lembranças tenras da infância (brincadeiras, louças, descanso, despedidas).
            A dor e os calos que lhe acompanham são esmiuçados, para aprender a lidar com isso, para que eles lhe sejam úteis. Ademais, há um esforço na tentativa de desabafar e libertar-se, de um modo geral, mas parece existir externalidade que sufoca. Apesar de todo o contexto, declara-se, compatibiliza-se e energias são conectadas de modo atemporal, independente do espaço:

“Mais certa sua existência (mesmo morto) que a minha própria”.

Luiz Carlos Santos Júnior


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.