Pular para o conteúdo principal

Ainda sou o mesmo - Luciano Marques / desenho: Cláudio Feldmann

enviado pelos autores


Ainda sou o mesmo

Pelo silêncio das mãos grito o meu cansaço.
Na fala, uma areia fina envelhece a voz.
Nos olhos, uma cortina ressentida.

A alma muda de cor, mas não se acaba.
Ainda sou o mesmo, e sempre serei.
Sou o mesmo de ontem, e agora!


No bolso da memória repousam poemas.
Na gaveta, folhas amarelam em branco,
Aguardando a chegada das palavras.

Ainda sou aquele menino que escrevia cartas,
O mesmo poeta que antes desenhava rimas.
E nas mãos, a caneta, o papel e o coração.
cláudio feldman

Luciano Marques

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.