Pular para o conteúdo principal

Mesa posta - Roberto de Queiroz

enviado pelo autor


Mesa posta

Roberto de Queiroz


Diz um adágio popular que beleza não põe mesa, e diz um adágio afrodisíaco que feiura não põe mesa. A conclusão é esta: beleza não põe mesa, feiura também não.
O que, na verdade, põe a mesa é a cadência dos neurônios em sintonia com a cabeça, o tronco e os membros do corpo. O pôr a mesa não é, então, tarefa de beleza ou de feiura. Mas como o seria, se a beleza e a feiura não são concretas? Ambas são meros substantivos abstratos e, sozinhas, não têm existência própria: precisam apelar para o adjetivo para existir. Essa derivação adjetivo-abstrata, por si só, não é capaz de pôr a mesa. Enfim, o pôr mesa é ação da labuta inconclusa das mãos, e a ação de pôr a mesa, depois de concluída, resulta em mesa posta.



11/12/2015

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.