Pular para o conteúdo principal

Trajes Poéticos - Epicédio

Poema onde o poeta relata a vida de uma pessoa morta.

Veja os poemas.
poemas dos cepelistas



Um amigo professor

Vivias tão bem assim
nesse modo de fazer
crianças tudo saber.
Dizias que o boletim
era um orgulho e um prazer
com notas de alto valor.
Nos lábios, sempre um sorriso
era a marca registrada,
tua maneira de ser.
A todos sempre dizias
que na vida o tudo é nada
se não se pode aprender.
A vida foi dedicada
à bondade e ao saber,
e uma afirmação concreta:
é que além de professor,
tinhas em ti tanto amor,
pois também eras poeta.

Deise Domingues Giannini 

(Dedicado ao Prof. Oswaldo Névola Filho, amigo-irmão que se despediu desta vida em 15.09.2003)
*****************************************************


Epitáfio do oleiro


Quando a negrura da morte
cerrou-se sobre estes ombros
o suor de muitos fardos
já o tinha sepultado

A vida inteira carregou canseira nos ombros
Os sonhos tornaram-se um peso
que a treva agora alivia

E este corpo cansado
leva, agora, somente o suor
que sempre moldou o barro
que em vida carregava


Vieira Vivo
*******************************


Um anúncio colocado na entrada da biblioteca.
Um convite cultural:
Sexta-feira, Café Poético. 
Apresentando a dramatização: “Uma lágrima na sala de visita”.
Adentro o local.  Começa a apresentação.
De repente o local todo se “ilumina”.
Ela se levanta de mansinho e começa a declamar.
O encantamento daquela figura se espalha pelo ar.
Sua poesia é mágica.
Todos se extasiam ao ouvi-la.
Ao término da apresentação faço questão de abraçá-la.
Corpo franzino já marcado pelos muitos anos vividos.
Conversamos um pouco. Despeço-me ainda encantada
Próximo Café Poético. Lá estou, na primeira fila.
O início de uma amizade. Uma grande amizade.
Amizade verdadeira; fraterna, eterna.
Muitos encontros culturais e nós, sempre juntas.
Apresentações em escolas, eventos, reuniões.
Cada vez mais unidos nossos corações.
Acompanhei suas dores e seus sofrimentos.
Sua paciência e sabedoria ao lidar com tudo.
Seu espírito jamais sisudo e sim, cada vez mais iluminado.
E é assim que o céu ficará para sempre, com sua presença.
Elza Batalha se foi. Elza Batalha morreu.
Mas a batalha vitoriosa de Elza continuará mais viva do que nunca.


Ludimar Gomes Molina
*************************************


Mãe

Você foi:
O alicerce de uma vida
A estrutura da infância,
A janela da adolescência.
O produto de uma maturidade plena.

Apagou-se tão prematuramente
E permanece numa intensa impressão,


 Iluminando meu caminhar.

Clara Sznifer
**************************

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.