Pular para o conteúdo principal

A leitura e a escritura em Roberto de Queiroz por Admmauro Gommes

A leitura e a escritura em Roberto de Queiroz
Admmauro Gommes *

 
Para Horácio, um dos maiores poetas da Roma antiga, a poesia devia “instruir e deleitar, ou deleitar instruindo”. Atualizando esta sentença, diria Roberto de Queiroz que a leitura, para ser eficiente, deve deleitar enquanto instrui.
Em texto publicado na Folha de Pernambuco (15/05/2015, Opinião, p. 8), Queiroz reconhece que “os estudantes da educação básica das escolas públicas brasileiras demonstram não gostar de ler nem de escrever”. Gostar ou não gostar, parece-me não ser bem a questão, mas os motivos pelos quais não se gosta. Na sequência, o autor aponta uma falha que distorce os encaminhamentos oriundos dos tantos encontros pedagógicos que acontecem no âmbito das formações continuadas nas redes públicas de ensino: um evidente afastamento entre a teoria e a prática. Há ainda outros pontos nevrálgicos que inibem o aluno diante do texto escrito, mas um deles se pode destacar com o reconhecimento da maioria.
Uma das constatações mais perturbadoras, para quem pensa em transformar o mundo através da educação, é que nem sempre o problema está com o estudante. É preciso mudar antes a cabeça do professor. Roberto entende que a “aversão à leitura e à escritura por esses estudantes pode resultar do modo como essas atividades são trabalhadas na escola, quer dizer, é possível que elas sejam trabalhadas sem que se leve em conta a realidade etária e sociocultural deles”. Por este prisma, nota-se que a situação é mais intrigante. Sem conhecer “essa” realidade, todo ensino cai no vazio, sem nenhuma ressonância positiva, pois o entendimento do aluno não alcança a linguagem do professor. Enquanto não se aproximarem estes elementos, mesmo com a presença do emissor e do receptor, a mensagem não é decodificada. E, naturalmente, a prática de leitura não proporciona o aprendizado da escritura, como diz o autor.
Neste ponto da discussão, alinham-se Horácio e Roberto. Este defende a leitura como instrumento de prazer (Leitura e escritura na escola: ensino e aprendizagem, p.19) e cita Tatiana Belinky, Daniel Pennac, William Roberto Cereja e Marcos Bagno como apoiadores dessa premissa. Queiroz chega à conclusão que ler por obrigação “é um dos motivos para o fato de o prazer da leitura até agora ser pouco acentuado no Brasil e as escolas formarem um número insignificante de leitores” (op. cit. p. 21).
Também entendo deste modo. E acrescento: O prazer da leitura deve contaminar primeiro o professor, depois alastrar-se pelos corredores da escola, envolvendo diretores, coordenadores e, inevitavelmente, o estudante. Se este caminho for percorrido, Horácio e Roberto de Queiroz hão de se contentar.

* Admmauro Gommes
Poeta, professor de Língua Portuguesa, Teoria Literária e Literatura Brasileira da FAMASUL (Palmares/PE)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.