Pular para o conteúdo principal

IDOSOS por EMANUEL MEDEIROS VIEIRA


Quanto vale um idoso no Brasil? Muito pouco – ainda mais sendo pobre.
Além da vulnerabilidade emocional própria da idade, dos remédios que precisa tomar (e muitas vezes não tem condições para comprá-los), sente que o modelo (ou sistema, governo, seja qual nome for) não se interessa por ele. É como uma laranja que já foi espremida e pode ser jogada fora. No lixo (no contexto do modelo mercantil no qual vivemos).
Não é só o governo. Muitas famílias não se interessam por eles. Talvez só aspirem o seu dinheiro, o seu salário. Sofrem a conspiração do silêncio, quando não são humilhados, judiados e ofendidos.
É claro: não é regra geral o que foi escrito acima.
Há muitas famílias que valorizam o idoso: reconhecem o que fizeram, têm amor por eles, espelham-se na sua trajetória.
O Estatuto do Idoso foi sancionado em 2003, após 11 anos de lutas. Muitas de suas cláusulas não são obedecidas pela sociedade.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informa que a população idosa no Brasil já alcança 26,2 milhões, e a estimativa é de que nos próximos 20 anos esse número mais que triplique.
Lamenta  Marise Costa Sansão, presidente da Federação das Associações de Aposentados e Pensionistas e Idosos do Estado da Bahia (de onde escrevo): “Não adianta se ter uma longa vida,  mas sem dignidade porque a  situação da maioria dos idosos baianos não é boa, pois 75% recebem aposentadorias de um salário mínimo e a maioria está em situação difícil devido ao acúmulo de empréstimos consignados”.
Também João Bastos Freire Neto, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, chama a atenção sobre princípios básicos para que o cidadão viva com dignidade, através de um preparo para o envelhecimento populacional em suas diversas esferas: saúde, social, educação, econômica.
“Os números mostram que estava nova realidade do perfil populacional não só bate à porta, mas a escancara. É preciso estabelecer novas diretrizes para atender às demandas da velhice”, pondera o presidente.
Ele também observou que a “ONU vem lutando pelos nossos direitos em outros países, onde os idosos são tratados com dignidade, mas aqui a repercussão é mínima. Não temos o apoio dos governos para nosso direitos”.
O Sistema Único de Saúde (SUS) não está preparado para amparar a população idosa.
Ocorre ainda a discriminação do idoso por parte da sociedade, principalmente em relação á reinserção no mercado do trabalho.
Muitos idosos se aposentam (mesmo aptos para continuar na labuta), mas continuam a trabalhar, pois os rendimentos da aposentadoria não dão para sobreviver.
E o idoso, muitas vezes, não encontra oportunidade no mercado do trabalho.
Perdoem a platitude ou o lugar-comum: despreza-se o idoso, esquecendo-se que um dia todos o serão –  se não morrerem antes.
Tenho a tentação de terminar com uma palavra de ordem – paródia do que se dizia no movimento estudantil – “Idosos do Brasil: Uni-vos” – mesmo sabendo que eles já estão fragilizados, física e emocionalmente.
(Salvador, maio de 2015)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.