Pular para o conteúdo principal

NO AMOR NOSSOS ERROS NÃO DURAM MUITO Conto de Emanuel Medeiros Vieira

enviado pelo autor


                   NO AMOR NOSSOS ERROS NÃO DURAM MUITO
                    Conto de Emanuel Medeiros Vieira


            Eu disse assim: o futuro chegou depressa demais, moça.
      Ela me olhou.
            – Nunca te amei.
      Eu sabia, mas não comentei nada.
      Foi quando me lembrei ou me “inspirei” em São Paulo e Thornton Wilder: no amor nossos erros não duram muito.
            – Não?

Me indagou, um tanto sardônica.
Ela sorriu, boininha amarela, roupa de normalista, saia plissada, tênis, cabelos loiros oxigenados.
Ela amava outro (quando  estava comigo). Sinceramente (quero dizer: sem arranjo mental), isso  não me importava. Me tocava a contemplação da grama molhada, do pássaro que chegava todos os dias no mesmo horário, do sol batendo de manhã no meu quarto.
           Eu andara muito  – tragos, bordéis, agitação, exílios.
          Agora: quieto.
Só queria ter outro dia, e mais outro. Até.
          Ela me disse com a onipotência dos 25 anos: “Hoje  você se contenta com pouco.”
Não: era muito o que eu tinha.

Anoitecia. Ela se despediu. Foi um encontro casual, não a via há anos. Eu fora comprar pão na padaria. Pão. Quente. Um cachorro latia, tão só, sim, anoitecia, a lua era minguante.           

Comentários

Roberto prado disse…
Tristemente bacana...

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.