Pular para o conteúdo principal

POEMA de Juarez Florintino Dias Filho

enviado pelos autores


Alucinada pela ansiedade
Ela desconhece
Se lá fora é noite
Ou se é dia
O casulo de paredes cinzentas
Que a envolve,
Cada vez mais apertado,
Sufoca- lhe a alma
No espelho, 
A sua fisionomia lhe assusta,
Desfigurada,
Assombra- lhe o coração
Os seus olhos não brilham mais
Não mais reluzem a vida
Eles se tornaram opacos
Na escuridão mordaz
O sol lhe pede a presença,
A lua clama pelo seu sorriso
E o seu coração luta
Contra o manto do desespero
Há luz em tudo,
Só não em seus pensamentos
A chuva fina
Chora à carência
De sua delicada pele
E a madrugada,
Que sonha
Com o seu rosto à janela,
Também se entristeceu
O vento silenciou-se
À falta de seus cabelos
Sons da natureza
Gritam o seu nome,
em vão!

Juarez Florintino Dias Filho

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.