Pular para o conteúdo principal

Hitchcock e Hoffmann: As surpresas da vida ordinária - por Thiago Andrade Macedo



Hitchcock e Hoffmann:
As surpresas da vida ordinária

*Thiago Andrade Macedo

Dias atrás, concluí a leitura de A Mulher do Neves, instigante livro do maiúsculo escritor gaúcho Nelson Hoffmann, que me fora apresentado por nosso ícone cultural Waldemar José Solha. A obra encerra a trilogia policial capitaneada pelo advogado, contador e descobridor de mistérios João Roque Landblut, iniciada por O Homem e o Bar (livro estupendo), que foi sucedido pelo intrigante Onde está Maria?. Os enredos dos livros trazem estórias intrincadas que se desenrolam em pequenas cidades gaúchas, como a bela, pequena e estranha Três Mártires.
A memória é fogo! Eis que me vi, ao ler os baita livros de Hoffmann, de volta ao Oeste Catarinense. Vivi naquela região por quase dois anos de minha vida, e todo o sotaque e a cultura daquela gente eu encontrei nos livros do escritor gaúcho de Roque Gonzales, a pequenina e aguerrida cidade da região missioneira do Rio Grande do Sul.
Indo mais adiante e devassando outras memórias, culturais e afetivas, ponho-me a recordar um filme muito particular de Alfred Hitchcock, o seu O Terceiro Tiro (em inglês “The Trouble with Harry”, mais uma bola fora de nossos tradutores), obra estupenda lançada em 1955, cheia de humor negro, que se passa em um pequeno vilarejo localizado no pouco conhecido Estado norte-americano de Vermont. O filme marca o início da parceria entre o mestre absoluto do suspense no cinema, talvez o maior cineasta de todos os tempos, e o músico Bernard Herrmann, autor de trilhas inesquecíveis para o diretor a partir de então (vide as de “Um corpo que cai/Vertigo” e “Psicose/Psycho”).

Não sei por que, mas, ao relembrar O Terceiro Tiro, que também traz a estreia da magnífica e adorável atriz Shirley MacLaine no cinema, reencontrei toda a atmosfera presente nos livros de mistério e suspense de Hoffmann. Filme bastante peculiar do diretor inglês (e um de seus preferidos ─ e meus também!), a obra é um ponto fora da curva dos elementos presentes em outros filmes do mestre: a tensão não se desenrola na calada da noite, mas sim à luz do dia. Pois bem. Transcorrendo em um belo dia ensolarado de outono, a trama versa sobre como os moradores de pequeno local reagem ao saberem que o cadáver de um homem chamado Harry é encontrado na encosta de uma colina. A partir daí, todo o humor negro do mestre do suspense entra em cena.
De modo semelhante, nas saborosas estórias do mestre gaúcho Nelson Hoffmann, que, além de advogado e contador, também é filósofo, a ação se constrói baseada em tramas que são postas para o leitor de forma bem trivial. Sem fazer alarde, com uma linguagem simples, concisa e cativante, com o acento particular da região, Hoffmann vai seduzindo o leitor, utilizando-se das artimanhas de outros mestres como Arthur Conan Doyle e Georges Simenon. Quando seu herói intelectual João Roque Landblut surge ─ com seu jeito meio estranho, caladão, de brasa do cigarro entre os olhos, os olhos perdidos no infinito, questionando a eternidade ─ o leitor sabe que deve se agarrar a todos os detalhes, pois o atento Landblut nada deixa escapar.
Em meio a divagações filosóficas e sem deixar de lado também o indefectível chimarrão, tomando aqui e acolá, por vezes, umas doses de uísque ou uns copos de cerveja, Landblut segue, ao longo das tramas, em uma busca quase que obsessiva pela resolução de seus mistérios. A genialidade de Hoffmann pode ser percebida nos mínimos detalhes, como, por exemplo, em uma conversa que tive com ele, acerca dos “ganchos”, dos pontos de partida para a escritura das estórias envolvendo o investigador de almas Landblut. Hoffman é muito objetivo e cirúrgico em suas colocações: Quanto à história em si, foi até gozado. Eu só tinha na cabeça uma ideia: quatro amigos, em torno de uma mesa, bebendo chope. Um deles cai morto. Assassinado. Quem matou? A ideia veio-me uma noite, eu sentado num bar daqui, da cidade, bebendo uma cerveja sozinho. Quatro amigos meus estavam a uma mesa próxima, alegres, na cerveja também. De repente, a ideia maluca dentro de mim: se um deles caísse morto, quem teria matado? Eis aí a ideia inicial para O Homem e o Bar, relatada a mim pelo artífice gaúcho. A partir dessa “cena” magistral, Hoffmann nos lança em um intrincado mundo relacional repleto de aparências. Fantástico!
Todos veem o que aparentamos; poucos advertem o que somos. É com essa sentença certeira do vasto pensador Nicolau Maquiavel que o filósofo/escritor Hoffmann inicia A mulher do Neves, o último da trilogia. Como já advertira um crítico literário do Rio Grande do Norte, as surpresas que nos irão prender à trama muito têm a ver com essas palavras maquiavélicas! É interessante observar como Landblut se relaciona com as pessoas do seu lugar, as quais, em meio a uma vida banal, quase sempre têm mistérios a ocultar à luz do dia ─ como em O Terceiro Tiro! Portanto, tomemos cuidado! Por trás de um semblante usual de alguém que se perde em afazeres comezinhos, pode-se esconder a face de um assassino frio e cruel…
Impossível não fazer a associação entre ambos e notar que tanto Hitchcock quanto Hoffmann, ao optarem pelo formato policial, que aparentemente se traduz em um divertimento rápido e para consumo fácil, nas entrelinhas de suas tramas, investigam a alma do ser humano e fazem profundas observações acerca de nosso complexo tecido social, fazendo um cruzamento entre a análise psicológica de personagens e um poderoso olhar agudo sociológico. Eis o truque de mestre deles, cada um em seu território.
Encerro o texto corrigindo-me… Eu, bobalhão, falei o tempo todo em trilogia… Trilogia que nada! Releio agora um e-mail que me fora enviado há poucos dias pelo mestre, que me põe desconcertado! Nascido no final da década de 30, o sempre jovial Nelson Hoffmann, de espírito inquieto, prolífico e autor de dezenas de livros (entre eles o polêmico A bofetada), segue firme e forte e já prepara o quarto livro da série, a ser lançado no próximo ano. Em breve, iremos nos deparar com uma tetralogia das aventuras do detetive de Três Mártires. As surpresas, pelo visto, não fazem parte somente do universo de Landblut.
___________________________
*Autor de O Silêncio das Sombras
 postagem enviada por Nelson Hoffmann

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.