Pular para o conteúdo principal

JÁ QUE... EMANUEL MEDEIROS VIEIRA

JÁ QUE...
EMANUEL MEDEIROS VIEIRA

Já que não posso vê-lo mais, busco um livro que ele amava quando era pequeno,
É aqui que envelheço, lembrando de antigos abacateiros, pitangueiras e mangueiras. 
Escrevo para quem sabe que vai morrer.
O que espero? Já escrevi  tudo o que precisava?
Não, não contaria a ele sobre o câncer – a “tristeza das células”, segundo Jayme Ovalle.  
Ele não merecia mais uma notícia ruim. Ruim? É da humana lida. Saudades? Sim. Sentia muito. Soaria pomposo, faria “filosofia” e não ficção se falasse em dessacralização do real, ou de que nada mais importa, tudo se evapora, nada fica, mesmo as palavras de um sábio caem no vazio? O pensamento profundo, como pensava George Steiner,  nasce de uma “necessidade de transcendência”. E que transcendência há nesse mundo?
Ficção ou ensaio? Ensaio o ficção? Tudo misturado. Não são fáceis as palavras na velhice.
“O mundo, livre de Deus, foi sendo aos poucos dominado pelo diabo, pelo espírito do mal, pela crueldade”. (...)
Vejamos o universo à nossa volta, e aquele menino, agora adolescente que eu não poderia ver. Um menino anônimo no meio do culto pela fama, pelo prazer instantâneo, pelas “redes sociais” que demonizam quem pensa diferente.
Pós- cultura, pós-verdade, e necessitamos de algo que já não sabemos definir.
Seria Deus na soleira da porta?

É a “sociedade do espetáculo”, como definiu Guy Debord.
Mas queria falar sobre o menino – quase-adolescente.
 Que tanto amei.
Estou sentado em cima de fragmentos, de memórias, de guerras, de torturas, de pesadelos.
Eu sei e já disse: tudo é veloz, e é aqui que envelheço. É um mundo apenas financeirizado, da hegemonia da competição, e onde não sabemos mais distinguir o que é verdade do que é mentira. Levara o menino em parques, circos, colhemos  goiabas.
Nesse mundo – outros já o disseram – as coisas (mercadorias) passaram a ser os verdadeiros donos da vida.
Acabou o espetáculo e não falei sobre o menino...
“O espetáculo, afirma Debord, “é a ditadura efetiva da ilusão na sociedade moderna” – lembrado por Vargas Lhosa em “A Civilização do Espetáculo”.
Onde estão aqueles velhos domingos em que eu saía com o menino? As categorias que falam em “otimismo” ou “pessimismo” não entram na mente daquele que escreve visceralmente, por funda necessidade. Os domingos? Nos porões da memória, E a memória foi ficando a alma do humano – ou de que é humano para mim.
Eu sei, eu sei. Repito Terêncio:   nada que é humano me é estranho.
Mas deste amor, menino, eu não abdico, até chegar à Terceira Margem do Rio. Menino.
(Salvador, fevereiro de 2017)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.