Pular para o conteúdo principal

Lançamento dos livros OS FIOS DO ANAGRAMA (contos) e ESCRITOS JURÍDICOS E MEMÓRIAS, ambos de Beatriz H. R. Amaral.


Release – Dia 02/12/2016 – sexta-feira, das 18h30 às 21h30   
Sabia mais sobre os livros


Lançamento dos livros  OS FIOS DO ANAGRAMA (contos) e ESCRITOS JURÍDICOS E MEMÓRIAS, ambos de Beatriz H. R. Amaral. Mesa com Felipe Locke Cavalcanti, Mona Dorf, Carlos Bueno, Paulo Salles de Toledo e com a participação da autora. Local: Casa das Rosas, Av. Paulista, 37


OS FIOS DO ANAGRAMA reúne 21 contos de Beatriz, sendo a maior parte deles inéditos. É o primeiro livro individual de contos da escritora, também poeta, ensaísta e mestre em Literatura e Crítica Literária. De acordo com a Profa. Dra. Maria Cecília de Salles Freire César, que assina o prefácio da obra, “a multiartista Beatriz Amaral tece palavras, fisga e linha fio, urde tramas e personagens, vislumbra sentidos (ou a ausência deles) e expõe neste livro as brechas e os desvãos do cotidiano”.  Pulsações rítmico-fônicas, os contos de OS FIOS DO ANAGRAMA enredam o leitor no desenho labiríntico de frases, apresentando a autora em pleno domínio de elementos narrativos, expondo a tentativa de ordenação e estabilidade, realçando a ideia de “volta” (“ritornelo”), o resgate da memória, a procura do sentido existencial, com consciência metalinguística.

ESCRITOS JURÍDICOS E MEMÓRIAS reúne artigos, teses, pareceres, resenhas e ensaios bastante representativos das mais de três décadas da atuação de Beatriz H. R. Amaral no Ministério Público de São Paulo, na promoção da Justiça. Conforme escreve Felipe Locke Cavalcanti, no prefácio do livro, trata-se de “obra primorosa” e de “relevante conteúdo jurídico e cultural”, prova de extremo ‘brilhantismo pessoal e profissional de Beatriz’, que, por trinta anos, honrou o Ministério Público Paulista, sendo recentemente agraciada pela Associação Paulista do Ministério Público com uma placa simbólica pelos esforços em defesa da lei, da justiça e da sociedade.

Sobre a autora:
Beatriz ingressou no Ministério Público em janeiro de 1986 e exerceu suas funções em Santa Adélia, Franco da Rocha, Osasco e na Capital, sendo promovida, em 2009, para a 2ª. Instância. Recebeu prêmios jurídicos outorgados pela Procuradoria Geral de Justiça em parceria com a APMP – nos anos de 1991 e 1992. Foi eleita para compor o Órgão Especial do Colégio de Procuradores. Publicou artigos em diversas revistas da área jurídica. Na área da literatura, Beatriz H. R. Amaral estreou em 1980, com a publicação de um romance, seguindo-se nove outros livros, poesia e ensaios, entre os quais LUAS DE JÚPITER (2007, Anomelivros), PLANAGEM (1998, Massao Ohno Ed.), POEMA SINE PRAEVIA LEGE (1993, finalista do Prêmio Jabuti, Poesia, 1994), ALQUIMIA DOS CÍRCULOS (Escrituras Ed., 2003), ENCADEAMENTOS (1988, Massao Ohno Ed.). Como ensaísta, publicou “A TRANSMUTAÇÃO METALINGUÍSTICA NA POÉTICA DE EDGARD BRAGA” (2013, Ateliê Editorial, coleção estudos literários, com prefácios de Augusto de Campos, Olga de Sá e Maria José Palo. Também publicou, em 2002, o ensaio biográfico CANÇÃO NA VOZ DO FOGO (2002, Escrituras Ed.).  Formada em Direito pela USP (1983) e em Música, pela FASM, é Mestre em Literatura e Crítica Literária e tem realizado palestras e conferências por várias cidades brasileiras e também em Portugal sobre sua própria obra e sobre a trajetória estética do poeta EDGARD BRAGA. Beatriz já teve contos traduzidos para o espanhol e o francês e publicados na Argentina e na França.    Site: www.beatrizhramaral.com.br

postagem enviada por Beatriz Helena Ramos Amaral

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.