Pular para o conteúdo principal

Homenagem Póstuma ao Rei do Sertão de Marcelo de Oliveira Souza

poema e foto enviado por Marcelo de Oliveira

O Rei do Sertão
Não tem Virgulino
Corisco, nem Lampíão!
Segurando a lamparina
Tranquilo, está
o Rei do Sertão!
A seca aumenta
O juízo esquenta
O Rei do Sertão!
Com a enxada na mão!

Derruba uma , duas, três...
Quem disse que não é de uma só vez?
Cada espaço com o seu feijão,
Ninguém o supera...
A chuva esparsa só cai ali
Naquele espaço!
O rei do sertão
Com sua superstição...
Vislumbra a “barra” do vento
Ao relento, ele manda.
O Reinatão ninguém supera
Com a clava forte “debulha”,
seca e ensaca,
O Valente Renatão
Das tarefas de Terra
Do milho que encerra
a safra e que conquista
Tudo naquela serra.

( Homenagem a Renato Alves de Lima, falecido em 05/07/2015)
Marcelo de Oliveira Souza, IWA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.