Pular para o conteúdo principal

Que a fraternidade toque a todos, hoje e sempre! - por Clarice Barbosa Vieira

enviado por Clarice Barbosa Vieira

Que a fraternidade toque a todos, hoje e sempre!

Encenação da Paixão de Cristo em 2012. Santo Antônio de Lisboa (Fpolis-SC). Foto/Arquivo: Celso Martins.
Hoje, segundo a tradição cristã, é dia de recordar a morte de Jesus. Momentos anteriores para sua ressurreição, no domingo que se aproxima. Gosto muito dessa palavra, ressurreição. Me encanta o seu som. A sua suavidade. Além de expressar o ápice da vida em seu sentido mais nobre, após uma doce e amarga interrupção. E como acredito que nada acontece por acaso, hoje eu, minha querida madrasta e meu fraterno pai bravamente
caminhamos no Parque Farroupilha, em Porto Alegre (Risos de felicidade…) Disse para ele a caminho de lá: — Pai querido, sabes que nada nessa vida é por acaso, né?! Pois então, cá estamos nós, meditando aos ares da verde e contemporânea capital do “Rio Grande”…E quem diria que no meio dessa luta em que vivemos hoje, estaríamos ludicamente caminhando? Há um mês, ou até menos, o médico que te atendeu em Brasília disse que não terias mais do que cinco meses de vida. Com “sorte” e quimioterapia, talvez seis meses…
Para quem só acredita (ou melhor, desacredita) no poder da medicina ocidental, talvez fosse se abalar com essa frase amarga do “Dotô”. Felizmente não é o caso da nossa família. Sim, ele começará o tratamento contra o câncer este mês. Terá que comparecer mensalmente ao hospital para consultas e para tomar as injeções intravenais. O que este médico não nos disse foi como seria a jornada a partir da notícia desesperançosa, que em outras palavras e sentimentos nos transmitiu a chegada apressada da passagem espiritual, ou como muitas pessoas preferem chamar, a morte.
E sabe o que decidimos fazer, tal qual o nosso mestre Jesus fez na querida e santíssima sexta de hoje? Celebramos a vida que então ressurge! Sim, tomamos o caminho da esperança sem olhar para trás. Não me refiro a esperança de autoajuda, que verbaliza em descrédito palavras de alento para passar um dia estressante, no meio de casamentos turbulentos ou trabalhos desgostosos…Me refiro a esperança que luta! Aquela que move nossa essência para a luminosidade do amanhecer próximo. A certeza que algo a mais está por vir e o mistério da vida nos sinaliza que caminho devemos seguir. Então cá estamos nós no sul, em meio a muito amor familiar, rindo das tristezas que vivemos porque é delas que tiramos nossos maiores ensinamentos. É da dor e do sofrimentos que podemos ressurgir, não há outro jeito. Se houvesse outro jeito, acredito que não seria dor…Talvez alegria, mas nada se compararia ao que meu coração sentiu e ainda está sentindo nesse momento que vivo, ao lado da minha família.
Para finalizar, gostaria de terminar essa publicação com o trecho de um hino do André Damázio, que considero muito pertinente e que me tocou muito desde a primeira vez que ouvi, no último 07 de março. Além de estar em comunhão com pessoas muito especiais, o propósito em questão era do servir ao próximo, inclusive e principalmente os mais necessitados: 
“- Não perca a esperança de vencer.
– Lutar é parte da vitória.
– Ouça essa voz, é você amanhã!”
 Feliz ressurreição para todos nós! Que a fraternidade toque a todos, hoje e sempre!
Paz e bem!

  • Clarice Barbosa Vieira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.