Pular para o conteúdo principal

Fêmeas Enjauladas de Juarez Florintino Dias Filho / arte visual: Ana Austin

enviado pelos autores



Fêmeas Enjauladas  
  
Ela sempre baixou os olhos
para que não percebessem
o cárcere que havia em seu interior
Aquele que aplaca os sentimentos
não consegue ouvir os teus lamentos,
Fêmea triste

Da pequena jaula
partem gritos abafados
e tristes sussurros
Há pouca claridade
E as belas cores rejeitaram
o sufocante ambiente
Fêmea abatida


A tua prisão,
só a ti
vai deixando de ser
mistério
Não há macho
que conheça
os caminhos
que o levem
à ela
Fêmea aprisionada

O intenso calor
da carne tremula
implora pela gula
da boca molhada
Fêmea faminta

Gritos e gemidos
misturam-se
durante essa longa noite
de solidão
Excitantes sussurros...
Fêmea desesperada

Ainda não há
quem te ouça
Quem desvende
os teus segredos
Quem pressinta as
tuas dores
Quem te liberte
Quem te
envolva de amores
Fêmea solitária

Há fêmeas assim
Que vivem sozinhas
e acorrentadas
Há muitas
fêmeas enjauladas


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.