Pular para o conteúdo principal

Itabira - poema de Humberto Del Maestro

enviado por Humberto Del Maestro

ITABIRA

No estado do Espírito Santo, mais precisamente no município de Cachoeiro de Itapemirim, existe um cartão postal para quem chega. Trata-se do Itabira, um monólito de beleza invulgar que, na versão do renomado tupinólogo Samuel Duarte, quer dizer “Pênis de Pedra”. Deixo a foto  de “A Gazeta” para que possam tirar suas conclusões. Levei anos para tomar coragem de escrever algo sobre ele e, no final, consegui este soneto, que falará por si só. “Itabira” constante de meu livro POEMAS SOMBRIOS, registrado à pág. 99:


ITABIRA

Erecto, sob o púbis da colina,
exibe altivo o excesso de vigor
pela manhã, à noite e no rubor
da tarde voluptuosa que declina.


Granítica figura, tem por sina
vencer o tempo, as águas e o calor.
E qual um deus pagão, em rico andor,
da base ao topo a vastidão domina.

Orgulho-me de ti, rude Itabira
(denso bastão no cio que delira
de luxúria, num hábito griséu),

porque entre nuvens, qual tensor jucundo,
não te intimidas de mostrar ao mundo
o imenso falo a deflorar o céu.


                        Humberto Del Mestro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.