Pular para o conteúdo principal

Genitais Externos de Márcia Brabo / arte visual: Ana Austin

enviado pelos autores


Genitais Externos


No início, somos virgens; Tocar-nos, nem pensar: Era do Mal!
Com o tempo, a masturbação resolvia um pouco: - Antigo pecado mortal!
Nós somos assim mesmo: - Um resíduo da vida animal!
Conhecidos como órgãos sexuais, no fundo, somos mesmo é sensuais:

- “Acordamos” até pelo simples toque ou “sonho casual”!
Neste caso em particular, para o pênis é normal:
-Nem é preciso encontrar-se com a “Vagina fulana de tal”,
Para tudo ocorrer da forma ideal;

Mas, nem tudo funciona assim, tão surreal:
- Nem na forma, nem na ação habitual;
Somos comparáveis a uma dupla de rock infernal:
- Como o som da guitarra em seu orgasmo final;

-Um mastro e um navio em tempestade sem igual;
-Encontro de côncavo e convexo, híbridos, mas bestial;
Um não vive sem o outro até no carnaval,
Quando nos liberamos também, no meio virtual;

Acreditem! Fomos feitos para o bem e não para o mal!
Não ouçam os que falam de nós sem contrato formal;
Tanto faz! Casados ou não, juntos, funcionamos igual:
- Com o tempo, só dormimos junto; Não faz mal!

- A rotina e o cansaço tornam tudo sem sal;
Mesmo assim, saiam da rotina: - Voltem ao instinto animal!
Transem sem parar! Estando tudo bem ou mal!
Nunca deixem pra depois: - Isso pode ser fatal!

-A relação estará fadada a ficar desigual;
Por isso, aprendam, “Sr Pênis e Srª Vagina Fulana de Tal”:
- Diálogos e preliminares fazem parte fundamental;
- Respeito e fidelidade também funcionam na vida real;


Mas o importante mesmo é a pegada animal:
- Sem “ela”, meu querido genital,
A relação nem começa, e ponto final!
Foi bom pra vocês? Então, Tchau!

Um beijo! “Na moral”!

Ass.: Seus Genitais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.