Pular para o conteúdo principal

LIVRO IMPRESSO E DIGITAL (e outras reflexões) EMANUEL MEDEIROS VIEIRA

enviado por Emanuel Medeiros Vieira

LIVRO IMPRESSO E DIGITAL
(E outras reflexões)
EMANUEL MEDEIROS VIEIRA

Há cinco anos – lembra Alexandra Alter, do “New York Times” –, o mundo dos livros foi tomado por um pânico coletivo quanto ao futuro incerto da impressão.
Leitores migravam para is novos equipamentos digitais e as vendas dos livros eletrônicos disparavam, até 1.620 por centro entre 2008 e 2010, “alarmando os livreiros que viam os consumidores usarem suas lojas para  encontrar títulos que comprariam on-line”.
“Os ex-books eram um foguete em disparada”, disse Len Vlahos, ex-diretor executivo do Grupo de Estudos da Indústria de Livros.
Resumindo: o apocalipse digital não aconteceu.
Em 2015, as vendas digitais desaceleraram acentuadamente.
Segundo Alexandra Alter, há sinais de que alguns adeptos dos livros eletrônicos estão voltando para os impressos.

As vendas de e-books caíram 10 por cento nos primeiros cinco meses deste ano, segundo a Associação de Editores Americanos, que coleta dados de quase 1.200 editoras..
“A queda da popularidade dos e-books pode indicar que o setor editorial, embora não seja imune à revolução tecnológica, suportará o maremoto digital melhor que outras formas de mídia, como a música e a televisão”.
Eu sei, eu sou absolutamente suspeito. SÓ LEIO LIVROS IMPRESSOS.
Não consigo imaginar alguém lendo “Guerra e Paz”, de Tolstoi (e muitos outros livros), via e-book.
Nostalgia? Pode ser.
Pode ser mais, como a lembrança dos sebos, de tocar nos livros, de folhear, de  anotar (como sempre faço – só leio com duas canetas) Sim, o cheiro, a lombada. Alguns dirão que é um lugar-comum, que é mania ou falta de adaptação  aos tempos novos – pode ser.
Mas lembro-me que as pessoas falavam da morte do livro físico. O velório já estaria avançado.
Alguns executivos de editoras– lembra a jornalista –AFIRMAM QUE O MUNDO MUDA DEPRESSA DEMAIS PARA SE AFIRMAR QUE A ONDA DIGITAL ESTÁ PERDENDO FORÇA.
Uma nova geração poderá achar que o livro impresso morreu. Pode ser. Quem sabe.
João Ubaldo Ribeiro dizia que o bom do futuro é que ele não estaria mais aqui (ele, João Ubaldo)...

Como disse alguém, é tão importante a literatura na sociedade que quanto “mais frágil ela for”, o povo estará em vias de perder o rumo de sua identidade e de seu país.
“A literatura é a expressão mais completa do homem, como ente que pensa e sente”, afirmou Cyro de Mattos.
Como salientou Jaime Pinsky, “com os papiros e pergaminhos, inicialmente, e mais tarde com o papel, (...), a cultura, no sentido de patrimônio acumulado, passou a alcançar um número  cada vez maior de pessoas, democratizando o saber e dando oportunidades a uma parcela importante da população. Sem a palavra escrita, em geral, e sem o livro, em particular, a história não teria sido a mesma.
Como observa o historiador citado, “jogamos no lixo milhares de anos de avanço civilizatório e nos transformamos em meros consumidores de softwares”.
Seria preciso uma novo Renascimento:  da esperança,de utopia, através da resistência da cultura contra a barbárie.

(Salvador, outubro de 2015)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.