Pular para o conteúdo principal

BARDOENCARCERADO - DE W. MOTA

livro BARDOENCARCERADO - de W. Mota - por Ed. Costelas Felinas  - http://artesanallivros.blogspot.com.br/


Tem dia que:

As palavras fazem greve
A inspiração não acorda
A mão fica boba
A caneta emperra
A preguiça impera
A mente não cria
A poesia não sai
A musa...
Cadê a musa?

Foi dar uma....



Prefácio


            Falar de W. Mota e de sua obra é para mim uma satisfação sem precedentes, visto que o conheci de uma maneira distinta, dentro da prisão - ele, por obra do destino peralta, amargurando a ausência da tão valiosa liberdade, e eu, por obra do acaso, tornando-me um agente disciplinador, sequioso por lançar a cultura, as artes e a literatura dentro daquelas velhas grades, tentando fazer que os papéis (as leis muitas vezes olvidadas) mandam fazer, auxiliar na reeducação, preparar o cidadão preso para conviver novamente em sociedade, literalmente, dar as mãos e doar-se, fazendo o máximo que se pode.

            Infelizmente, as funções nem sempre são cumpridas... seja a função do agente de segurança penitenciária, que deveria ser ressocializar em primeiro lugar, seja a do preso, de cumprir sua pena, aprender coisas novas e voltar melhor à sociedade; seja do Governo, de dar condições salutares de cumprirem suas missões: aos funcionários e em especial aos presos; e seja da sociedade, que, por hipócrita e envolta ao mar do egocentrismo, aponta, grita, julga, bane e se deixar, extermina seus próprios filhos, fazendo de conta que o seu próprio problema social, de caráter filosófico, sociológico e mesmo espiritual não existe, ou que não tem culpa daquilo, quando, na verdade, a criminalidade, as prisões e tudo mais são frutos desta sociedade consumista, amarga e cega, que caminha no escuro pensa deter a luz.
            Com o livro “Bardo Encarcerado”, Mota vem nos trazer não somente o grito pela liberdade, que logicamente, não poderia faltar... o autor traz outras mensagens sublimes, lindas, necessárias, sensuais, repletas de amor, de esperança, de sensibilidade, reflexões sociais, filosóficas, espiritualistas, existenciais.
            Mota fala do amor à sua amada, com muita ternura e paixão... demonstra toda a sensualidade em seus versos, como devem ser os verdadeiros versos apaixonados... não deixa de escrever um poema às mães e nos brinda com um poema repleto de sentimentos a uma gata e sua prole, que por tempos foram seus companheiros nos dias solitários da prisão.          
            Ele fala da rotina – a tão entediante rotina existente num estabelecimento penal. Cita o dia de visita, tão esperado e preparado com todo o amor do mundo, que deveria ser imitado por todos os cidadãos livres, que ao chegarem aos seus lares, deveriam se abraçar, beijar e dizer o quanto amam seus familiares, como acontece nestes dias de visita dentro das prisões.
            W. Mota fala da carta, que atravessa o mundo, deste mesmo mundo que no momento, ele não pode desfrutar... analisa o tempo perdido, com sede de, daqui para frente, não perder nem um só segundo. Fala da amizade, que dentro do cárcere se agiganta de tal forma; reflete sobre a distância e o amor.. ah! Sempre o amor!!...
            Em alguns dos seus poemas, o poeta fala do Natal, do Cristo redivivo, do Deus verdadeiro, que cada um sente a sua maneira, independente da religião que o queira possuí-lo por completo, da importância de lermos a Bíblia, de tão necessária e difícil evolução espiritual, que evitaria cárceres, sonhos amputados, hipocrisias, crimes, falta de liberdade, acumulo de anseios, frustrações, anos sem poder avistar a lua, horas e mais horas ouvindo um trem que passa “acorrentado” aos trilhos, mas vislumbrando a liberdade das cidades e das matas.

            Mota também fala de si mesmo, definindo-se... e nos traz formas clássicas em seus poemas, com seus sonetos e glosas, fazendo-me sentir aqui, importante, numa alegria toda especial de ter contribuído mesmo que com pequeninos detalhes, para a sua formação como poeta clássico.
            O autor também traz acrósticos e para grande surpresa, poemas visuais, que nos emocionaram pelas formas e conteúdo nelas contidas. E, como não poderia faltar, faz suas homenagens ao seu poeta do coração, Castro Alves, o poeta dos escravos, dos injustiçados, o grande gênio da Terceira Geração da Poesia Romântica, que permanece vivo em sua obra e em seu clamor pela liberdade, em todos os sentidos.
            W. Mota, meus parabéns pelo livro, pela inspiração, pela luta diária para sobreviver e pela sua batalha ainda mais árdua, a qual todos deveríamos segui-lo, a cada instante pela evolução espiritual, tão complexa, tão necessária, tão dolorosa às vezes, mas tão salutar, ao término da jornada terrestre.., que o Deus do seu coração o ilumine sempre, e que de suas mãos nunca mais parem de jorrar versos, com abundancia, repletos de liberdade, de paz e de luz.

Taubaté, novembro de 2016.

LUIZ ANTONIO CARDOSO
- Idealizador e Supervisor da ALACRE Academia de Letras, Artes e Cultura “Renovação da Esperança”
- Idealizador e Supervisor Geral do Movimento
União Cultural
- Presidente 2014/2018 da Seção de Taubaté da UBT – União Brasileira de Trovadores

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.