Pular para o conteúdo principal

Aristides Theodoro - Gargalhada na Catedral


capa: Neli Maria Vieira
A mordacidade mostra as garras e desaforadamente cospe versos sobre os dogmas exibindo um desdenhoso sorriso sacana que se sobrepõe a cada página, impregnando o ar de uma inquietante acidez irônica. E enquanto cutuca a ferida expõe a lucidez cortante de um olhar  de esguelha e avesso apontando evidências ocultas e as dissecando cruamente, à frente de todos, diante da pasmaceira contínua. 
(Vieira Vivo)


Não me lembro de quem escreveu: “não poderíamos ver corretamente as coisas; senão olhando-as às avessas.”
É com esse olhar enviesado, que leio os poemas de Aristides Theodoro. Neles percebo um grande desencanto pela humanidade.

            Humanidade: húmus, “lembra-te que do pó vieste e ao pó hás de retornar”.

            Assim, canalhas e heróis, santos e demônios, poetas e decadentes, batistas e neros, russos, cubanos, mauaenses, judeus, portugueses e franceses, enfim, o uni – verso de leituras do autor aflora nesses versos duros e afiados, evidenciando as pegadas do crítico literário mordaz e impiedoso, que não poupa deus e todo mundo.

            Leiam e confiram.  (Judith Vilas Boas Ribeiro)   
Ed. Costelas Felinas - http://artesanallivros.blogspot.com.br/

O GRITO APAVORANTE DO BLUES


“Ora, o blues, o blues é uma doença do coração preocupado”
Robert Johnson e Son House


O negro levou consigo
das savanas da África
engasgado na garganta
um grito seco, sofrido, melodioso
quase como se fosse um lamento,
que espantou a puritana América
e mais tarde ficou conhecido
como Blues, música negra,
constituída de resmungos, desabafos.

Uma música bárbara, rude,
que acordou o mundo
para um ritmo  novo, assustador
e depois, com o correr dos tempos
e melhor exame em suas notas, em seus apelos,
o Blues conquistou os corações recalcitrantes,
que o diga Robert Johnson, Leroy Carr,
Bessie Smith, a chamada “Imperatriz do Blues”
e as “negralhonas” simpáticas, “catedralescas”
Dinah Washington e Mahalia Jackson,
que tornaram essa música primitiva
conhecida em todos os quadrantes.

Já disse alguém:
“O Blues é uma doença do coração”.
Sim, uma doença que incendeia,
enlouquece e ao mesmo tempo
alivia as mazelas da alma,
as angústias e como um lenitivo
preenche os momentos da vida.
O Blues curava o banzo
de negros oprimidos, escravizados,
que trabalhavam noite e dia
nas safras do “algodão branco”,
feito bestas de carga
em proveito do senhor.

Toca Filosófica, 04/04/2008

Comentários

artesanal livros disse…
PUBLICADO NO JORNAL DIÁRIO DO GRANDE ABC - por ADEMIR MEDICI

"Em versos o autor discorre sobre José Alcides Pinto, Tolstoi, blues e cita Nietzche, Adélia ´prado, Zumbi dos Palmares"

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.