Pular para o conteúdo principal

POEMA: CUANTO QUISIERA - REYNALDO ARMESTO OLIVA . CUBA . IWA

CUANTO  QUISIERA

Por mas que toque madera
lo caro no fue barato
hay días que pienso y trato
alargar mi corta espera.
Quizás, de alguna manera
muy dentro de este ropaje
desnudo cambie de traje
a tiempo lo necesario,
poderte sentir a diario
quisiera en otro paraje.

REYNALDO  ARMESTO  OLIVA . CUBA . IWA
postagem enviada pelo autor

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

sarau poético "A poesia no Folclore"

A Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofícios tem a satisfação de convidar você para o sarau poético na Casa do Barão, sábado próximo, dia 05 de agosto, às 15 horas. O tema será "A poesia no Folclore". Venha. Sua presença é muito importante. E após o sarau você poderá  conhecer o Café do Barão para se deliciar com um cafezinho gostoso.  Rua Frei Gaspar, 280.
indicação Deise Domingues Giannini