Pular para o conteúdo principal

UMA GALÁXIA CHAMADA JIMI HENDRIX - Por Valdir Ramos


Domador de raios, “o Selvagem do Pop”, o “Boca Grande”, “Black Elvis”, etc., etc… adjetivo foi o que não faltou na vida desse negro nascido em Seattle, a mesma chuvosa Seattle que, à maneira de Liverpool, cravou seu nome na história do rock, não só pelas bandas que nos anos 1990 deram novo impulso ao gênero, mas principalmente pelo seu filho mais ilustre. Nascido Johnny Allen Hendrix, em 27/11/1942, filho de um jardineiro
negro e pobre e de uma índia cherokee de 17 anos, boêmia e dançarina, passou seus primeiros anos de vida pulando de casa em casa, cuidado por parentes e vizinhos, devido às frequentes internações de sua mãe e pela ausência de seu pai, alistado no exército durante a Segunda Guerra. Aos três anos, terminada a Guerra, o pai volta para casa e muda-lhe o nome para James Marshall Hendrix, com o qual ficaria conhecido e morreria. Aos cinco anos num bar com os pais, “descobre” e fascina-se pelo som da guitarra elétrica, e ganha um irmão, Leon, para quem Jimi fingia tocar guitarra em cabos de vassoura. Adorava visitar a avó numa reserva do Canadá, que o vestia de ponchos e lhe contava histórias tribais. Na escola Jimi desenhava paisagens marcianas e era alvo de gozações. Aos sete anos, frente a dificuldades que passavam, promete ao pai que seria um astro (“Oh, Daddy, one of these days, I’m gonna be big and famous, I’m gonna be a star!”).
postagem enviada por Eduardo Waack

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.