Pular para o conteúdo principal

DO OUTRO LADO DA CENA - Carlos Gama

   Escritor atento à vida, às pessoas que o cercam, Carlos Gama é conhecido de todos nós. Podemos encontrá-lo em andanças pela cidade, participando de eventos culturais ou  num bate-papo à hora do cafezinho. Tem livros publicados anteriormente e também  pensamentos e crônicas na Internet, mas não deixa o intelectual sobrepor-se ao cidadão comum, encantando a todos por sua simplicidade. Escritor reflexivo sobre o que vê, vivencia ou lê nos jornais, emite opiniões "sem maquiagem".  
   "Do outro lado da cena" confirma seu estilo: escrever para sensibilizar o leitor sobre a história do homem. Desse homem próximo e do desdobramento de suas ações na vida pessoal e coletiva. Homem cidadão, que não se distancia da vida social e política de sua comunidade. Gama vai além neste primeiro romance e traz o "Raul Soares" de volta às águas desta Santos, fazendo-nos embarcar numa viagem ficcional com personagens encarnados e desencarnados. Sim, o autor envereda também por questões religiosas (filosóficas, talvez seja a palavra mais adequada).
   Escritor perspicaz, sabe que o início da história é vital para "prender" o leitor até o fim. Assim, desde o primeiro capítulo, nos instiga com o personagem "anfíbio" José de Jesus, talvez uma referência ao Nazareno... ao Deus "feito filho" para sentir na própria carne as dores do homem. O espiritual desponta na vida de José, Zé Menino que se faz moço... ingressa na marinharia, é aceito para trabalhar no navio "Madeira" rebatizado de "Raul Soares". Vítima de um acidente, Zé assiste da amurada do navio a descida de seu corpo físico ao mar. E desencarnado, vai ser o narrador, trazendo esclarecimentos sobre a vida fora da matéria em meio a fatos reais, como a queda da Bolsa de Nova Iorque em 1929 e os transtornos consequentes à humanidade.
   Em fase de desenvolvimento espiritual e desencarnado, sendo marinheiro é um cidadão do mundo e, pode nos levar até a II Guerra Mundial para entender que a razão do conflito está na loucura do homem sedento de poder somada às questões políticas e raciais. Gama vale-se dessa possibilidade do narra-dor transitar em diferentes planos para conseguir o encaixe e a alternância das ações, que muitas vezes se revestem da beleza da linguagem poética (por exemplo, quando relaciona o significado da embarcação para o marujo com o do cavalo para o peão). Ainda nos surpreende quando fala que o desconhecido é, talvez, mais aterrador para o desencarnado... num naufrágio, sem corpo material, agarrar-se como?
   Percorremos com ansiedade temas universais – guerra, morte, desolação e desespero – sem perder o foco da narrativa: a desumanização do homem e o distanciamento da paz. Atravessamos a I e a II Guerra, chegamos à Guerra Fria... o "Raul Soares" continua em sua rota a caminho do Novo Mundo. Na década de 50, o navio perde prestígio e competência. É transformado em navegação de cabotagem. Nos anos 60, Jânio Quadros e sua renúncia... até o contragolpe de 1964. O "Raul Soares" é adaptado para ser navio prisão. E desse fato o romance deslancha com força, especialmente quando a embarcação aporta em Santos, trazendo a história dos dias de Ditadura e das atrocidades físicas e morais, especialmente a  privação da liberdade do homem.
   Gama não deixa escapar a solidariedade entre os encarnados e desencarnados na luta pelo bem maior: a paz, o respeito e o direito de viver livremente num mundo onde todos possam estar com dignidade.
  
   Se me deixar levar pela emoção, este prefácio contará todo o romance e o leitor será privado de viajar por conta própria nesta história, que prova que podemos fazer ficção valendo-nos da realidade. Podemos escrever tirando a máscara da verdade. É isso que Carlos Gama faz com excelência. - prefácio de Regina Alonso - escritora

adquira com o autor delphim@ibl.com.br 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI

VII Seletiva Nacional de Poesia – 2017 Para a edição do livro VII COLETÂNEA SÉCULO XXI - que trará uma Homenagem ao poeta e professor Pedro Lyra – 
(será o 41º livro editado pela PoeArt Editora- DESDE 2006 COM VOCÊ!) (Prazo: ATÉ 30 de abril de 2017)
(somente pela INTERNET)


   A PoeArt Editora de Volta Redonda RJ, institui o livro VII Coletânea Século XXI  (depois das bem sucedidas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço da I a XVIII, depois do sucesso da I a VI Coletânea Século XXI, do livro Cardápio Poético, 1ª e 2ª edição, I a III Coletânea Viagem pela Escrita. Dentre os já homenageados por suas contribuições literário-culturais em nossos livros, estão: Adahir Gonçalves Barbosa, Alan Carlos Rocha, Álvaro Alves de Faria, Astrid Cabral, Clevane Pessoa, Flávia Savary, Flora Figueiredo, Gilberto Mendonça Teles, Maria Braga Horta (in memoriam), Maria José Bulhões Maldonado, Mauro Mota, Olga Savary, Oscar Niemeyer, Pedro Albeirice da Rocha e Pedro Viana.


SEM TAXA DE INSCRIÇÃO: (AT…

SAFRA VELHA DE CLÁUDIA BRINO recebe indicação do International Poetry News

É com alegria e surpresa que acabo de receber de Giovani Campisi a notícia de que o livro Safra Velha de Cláudia Brino (Costelas Felinas) é um dos livros indicados para concorrer ao Prêmio Nobel de Literatura 2018.

Indicado pelo jornal International Poetry News entre 25 títulos de autores internacionais encaminhados ao Comitê Organizador do Prêmio Nobel de Literatura - 2018
A indicação foi feita pela Direzione Editoriale / Edizioni Universum

clique na imagem e veja a IPN  INDICAÇÃO NO - INTERNATIONAL POETRY NEWS


Este livro não é vendido em livrarias e se movimenta à margem da grande mídia. Adquirindo a versão impressa você receberá dedicatória especial tendo o seu nome impresso no livro.