Pular para o conteúdo principal

CANTO DE LIBERDADE - de Celsa Paixão

CHUVA

Chuva fina cai no solo
Como pérola prateada
Molha os pés do camponês
Que vai seguindo a estrada

Chuva fina que chega
Sempre devagarzinho
Sacia a sede das flores
No canteiro do jardim

A chuva cai
Vai molhando o chão
Vai brotando o trigo
O homem o transforma em pão


Quando a chuva cai na terra
Que faz nascer a semente
Vai crescendo a plantação
Homem fica contente

Cai a chuva
Enche as nascentes
Vai saciando a sede
De todos os seres viventes

Quando cai a chuva
Lá na serra do sertão
Vai transbordando os vales
Enchendo os ribeirões
  
Quando a chuva cai no solo
Alegra o nordestino
Transforma seu coração
E muda seu destino

Chuva que vem das nuvens
Deixando sempre esperança
O sertanejo se alegra
Sorri feita criança

Chuva que chega
Em forma de arco-íris
Vai deixando sinais no céu
A gente fica feliz.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trajes Poéticos - RIMA EMPARELHADA

rimas que ocorrem seguidamente em pares.

*********

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores dos poemas.              

Trajes Poéticos - RIMA ENCADEADA

Palavra final do verso que rima com outra palavra do meio do verso seguinte.

*****

os poemas publicados aqui participaram do concurso Trajes Poéticos realizado pelo Clube de Poetas do Litoral - salvo os poemas dos autores cepelistas que foram os julgadores do concurso.