...NÃO FAZ MAL É SETEMBRO, INÍCIO DE PRIMAVERA - de ARISTIDES THEODORO

Como não gostar de pronto de um livro intitulado... Não faz mal, é setembro, início de primavera? Só essa frase já é um poema e nos transporta a um reino encantado de flores, melancolia, pássaros, sementes, esperança de vida. Detalhe: nasci no dia 23 de setembro, dia do início da primavera, um bom dia para ter nascido poeta.
            Após essa surpresa que me reservou Aristides Theodoro, quase como um presente, leio a dedicatória “Para Neli Maria Vieira”, a poeta e pintora; as epígrafes de Jurema Barreto de Souza (...“ainda há pássaros em setembro”) e de Alexandre Bonafim (...“a primavera sempre nascia/antes de setembro) e vou entrando no clima dessa estação de  renovo.

            O livro abre com o romântico poema que lhe dá o belo título. Naquele início de primavera, o poeta deixou-se contagiar pelo enigma de sua musa, uma Mona Lisa que o perturba e pacifica com sua formosura.
            O “poeta rude” se dá conta do domínio que a mulher tem sobre o homem. A mulher é capaz de levá-lo “as alturas do céu/ou às funduras infernais.”
            Um tema metapoético: o poeta lê outros poetas. Aqui ele cita seu estado após a leitura de Anderson Braga Horta (“Como é bom ler-se um bom livro”). Metapoético também aquele “O Poeta Espreita/ O Poema fugidio”. O poeta armando o alçapão de apanhar palavras que saltitam como pássaros. “Poeminha paradoxal” e “O que é ser poeta?” questionam também essa vocação estranha de poeta, “gênio lúcido/às portas da senilidade.”
            A senilidade, a velhice, o autoconhecimento se fazem presentes no poema “Espelho Delator”, o “desgraçado espelho”, que diz sempre a verdade, que mostra os estragos do tempo.
            O poeta preocupa-se também com a natureza, como quando fala sobre o rio São Francisco, o velho Chico. O tom me pareceu algo didático demais, mas revela o seu interesse em pesquisa e em alertar as pessoas para causas ecológicas. O mesmo acontece com o poema “Tamanduateí – um rio que foi”, mais livre, com belas metáforas como: “o resfolegar cansado do jaguar” e “o silvado das serpentes”.
            A indignação diante dos problemas brasileiros: miséria, roubos, corrupções, mensalões estão presentes em poemas como “Um herói moderno” que às vezes enveredam para a linguagem da prosa.
            “O Fantasma de Deus” gostaria de trazer uma negação a Deus ou “deus” em letras minúsculas, à religião, mas vale como um desabafo contra a truculência dos homens e as intrincadas injunções políticas.

            Assim caminhamos pelas páginas deste livro, entre suspiros, dramas, comédias, injustiças e desalentos. Não faz mal, logo mais será novamente setembro, início de primavera. - por Raquel Naveira

Costelas Felinas - livros e revistas artesanais
faça 01 exemplar grátis de sua obra.

Comentários