PROFUNDAMENTE RASO - de Demétrio Sena

PRA SEMPRE NUNCA

Só me deixe saber que não ardo sozinho,
que meu fogo não queima sem oxigênio,
minha taça de vinho nem exala cheiro
e meus olhos não nadam num nada sem fim...
Saberei não deixar que o saber me domine,
guardarei o silêncio sobre a flor dos lábios,
pra manter os espinhos do corpo grelhado
entre sábios contornos deste sentimento...

Sempre fui prisioneiro do segredo exposto
ao seu rosto, seus olhos, ninguém, nada mais,
em discretas paisagens do mapa inseguro...
Nem lhe peço esse filme, somente umas cenas,
umas pontas amenas, remotas e vagas,
uma vaga no sonho do pra sempre nunca...


DO CÉU

Caiu suave;
ave que plana;
pousa macio;
sem pressa nem cio;
no rio, no mar...
Caiu tão bem,
tão nem te ligo,
tão livre; ao léu...
tão mão e luva...
essa chuva

"caiu do céu".

Costelas Felinas - livros e revistas artesanais

Comentários